SILVIO SANO: Primeiro Emprego

Recentemente, li uma matéria que me chamou a atenção sobre estudantes conquistando o primeiro emprego com projetos de faculdade, e que me remeteu a uma situação que testemunhei quando fiz um curso de extensão no Japão. Em virtude do caráter do meu, a faculdade colocou-me na sala onde alunos do mestrado faziam suas pesquisas individuais. Éramos seis naquela sala, cada um com uma mesa, um computador e um pequeno armário individuais. Isso, há mais de 20 anos! Naquela época, o PC (personal computer), hoje comum em quase todas as residências, era coisa rara no Brasil.

 

Esse rodeio foi apenas para mostrar o ambiente que estava quando testemunhei o fato, uma realidade japonesa invejável em que seus cidadãos, de modo geral, usufruem de uma situação de infra estrutura e qualidade de vida muito superior à nossa que o justifica. O tema em questão é o do Primeiro Emprego, o terror dos jovens de modo geral no Brasil, e mote sempre presente nas plataformas dos candidatos a cargos eletivos. Ou seja, sempre presente porque até agora não resolvido. Por isso a matéria ainda chamou a atenção.

 

Mas, ao lê-la percebi, na verdade, uma situação ainda pioneira, mas privilegiada que não se pode ainda ser generalizada, apesar de perfeitamente aplicável, por cursos extensivos e incentivos desde as salas de aulas. Mas é o primeiro passo. O que testemunhei seria o seguinte a isso.

 

Na faculdade, por minha iniciativa, mas devidamente autorizado, também frequentava algumas aulas a fim de sentir como era o dia a dia dos alunos comuns. Um certo momento, mais ou menos, em agosto, período das férias de verão, percebi uma intensa movimentação entre os alunos de último ano e, inclusive, nos de minha sala que apresentariam seus TCC naquele ano.A razão era entrevistas por iniciativa das grandes empresas em busca dos melhores alunos… 6 meses antes de se formarem!!

 

Fiquei admirado, lógico, e tão logo retornei ao Brasil e comecei a escrever nos jornais cheguei a abordar o tema que retomo, agora, em virtude dessa matéria e do fato de ainda fazer parte das plataformas políticas dos candidatos. Simples assim.

 

 

 

*Silvio Sano é arquiteto e escritor. E-mail: silviossano@gmail.com

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JOJOSCOPE: Natal com Pato Fu       Ending do  Fantástico. Pato Fu no embalo dos brinquedos em clima de Natal. Jojoscope entra no clima desejando sup...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Ó N G Á E S H I O Crisântemo e a Espada de Ruth Benedict (foto: divulgação) Há um livro “O Crisântemo e a Espada” da antropóloga Ruth Benedict, já bem antigo, edi...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Sala de espera   Sala de espera   Ali sentado na recepção com as roupas e os calçados surrados, poderia bem passar por morador de rua. Além da bolsa a ...
AKIRA SAITO: O BEM SEMPRE O BEM   “Independentemente de qual seja o seu ponto de vista, o bem será sempre o bem e o mal será sempre o mal” Ultimamente alguns acontecimen...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *