59º PRÊMIO PAULISTA DE ESPORTES/ESPECIAL: Prêmio Paulista de Esportes homenageia atletas e dirigentes na Câmara Municipal de São Paulo

Longe dos holofotes. Essa é a dura rotina de quem pratica esporte amador no Brasil. E quando o assunto se refere a atletas nikkeis que escolheram uma das modalidades trazidas pelos pioneiros, a desvalorização parece ainda maior. Nesse caso, só o amor ao esporte pode explicar tanta dedicação. Para reparar, em parte, essa injustiça, acontece na próxima segunda-feira, 1º de junho, na Câmara Municipal de São Paulo, a cerimônia de entrega do 59º Prêmio Paulista de Esportes. É o quarto ano consecutivo que a maior casa legislativa municipal do país recebe o evento.

Idealizado pelo extinto Jornal Paulista – que mais tarde se uniria com outro tradicional jornal da comunidade nipônica, o Diário Nippak, dando origem ao Nikkey Shimbun (em japonês) e Jornal Nippak (em português), que a partir da fusão encaparam a sua realização – o Prêmio Paulista de Esportes tem como objetivo justamente valorizar e incentivar novos talentos nikkeis e reverenciar o trabalho de dirigentes abnegados.

 

Cerimônia do Prêmio Paulista de Esportes costuma lotar Salão Nobre da Câmara Municipal de SP (Foto: Arquivo)

Cerimônia do Prêmio Paulista de Esportes costuma lotar Salão Nobre da Câmara Municipal de SP (Foto: Arquivo)

 

Papai Noel – A diarista Maria Aparecida de Lima Bezerra, de 58 anos, mãe de três filhos e avó de dois netos, ilustra bem a importância da homenagem. Indicada para receber o prêmio na modalidade sumô, Cida Lima – como é mais conhecida – disse que não só ficou surpresa como também não acreditou. “Como tudo que acontece na minha vida, fiquei com um ponto de interrogação porque não acho merecedora deste prêmio. Gosto de ajudar a criançada mas não que mereça o pedestal. Sou só um grãozinho de areia no deserto da vida”, comenta. Modéstia. Não fosse sua rápida intervenção e a equipe feminina da Nova Central teria sido extinta.

Nada mal, para quem começou no sumô meio que por acaso. Ou melhor, graças a um “empurrãozinho” da filha Joice de Lima Bezerra, que, assim como a mãe, também é destaque no sumô. Essa história teve início quando Joice completou 11 anos de idade. “Ela já fazia judô desde os cinco anos quando seu professor Sergio Satoshi apresentou um dos organizadores do sumô, Jorge Nakaharada. Na época, a Nova Central não tinha uma equipe feminina e foi aí que decidi entrar para que ela pudesse ter uma referência feminina, já que só treinava com meninos”, conta Cida, acrescentando que “eu só recebia o impacto”. “Hoje é o contrário, é ela que tem que maneirar”, diz Cida, explicando que a filha já conquistou títulos Paulistas e Brasileiros e contabiliza ainda uma participação no Campeonato Mundial de Varsóvia, em 2010, então na categoria juvenil médio.

De lá para cá, mãe e filha não pararam mais. Como atleta, Cida Lima começou a competir em 2005. Sua “estreia oficial” em Campeonatos Brasileiros aconteceu no ano seguinte. Hoje, acumula também a função de treinadora. Sob seu comando, no último Campeonato Paulista realizado em abril, no Ginásio de Sumô do Conjunto Esportivo e Cultural Brasil-Japão, no Bom Retiro, a equipe da Nova Central ficou em segundo lugar na contagem geral de pontos, atrás apenas da Sudoeste.

“Devo tudo ao sumô. Costumo dizer que descobrir o sumô foi um presente de Papai Noel. Através desse esporte pude realizar um de meus sonhos, que era conhecer Hong Kong, país onde meu ídolo, Bruce Lee, viveu sua adolescência. E além disso, andei de avião, algo que nunca tinha feito na minha vida”, diz Cida, que agradece, em especial, o sensei Ricardo Aoyama.

 

Caminho certo – Hélio Kenzo Dino, de 29 anos, é outro que agradece por ter conhecido o Kobudo, que literalmente significa “arte marcial antiga”. Paulista radicado desde o primeiro ano de vida no Rio de Janeiro, onde se formou em Administração de Empresas e trabalha atualmente na área de Recursos Humanos em uma multinacional da Noruega, Kenzo descobriu a tradição guerreira dos samurais através do Instituto Niten, fundado pelo Sensei Jorge Kishikawa.

“Em 2001 um amigo disse que tinha iniciado treinamento de Kendô. Fui conferir e vi que, na verdade, era Kenjutsu e outras artes marciais de Kobudô. Fiquei apaixonado e depois disso nunca mais parei”, conta Kenzo, lembrando que praticou judô dos 4 aos 12 anos.

“Fiquei fascinado pela forma como a cultura e a disciplina japonesas são transmitidas no Instituto Niten. Outra coisa que me atraiu no Kobudo foi o Kiai (grito), que também tem no judô, mas que no Kenjutsu não só é importante como também agrega energia e coragem”, diz Kenzo.

Um dos alunos mais mais antigos da Unidade Niten na Cidade Maravilhosa e hoje um dos coordenadores da mesma Unidade, Kenzo afirma que é uma honra ter sido indicado para receber o Prêmio Paulista de Esportes.

“Fico muito feliz pois significa que meu Sensei e meus Senpais me consideram um membro útil ao grupo, que é algo que sempre busco. Significa também que estou no caminho certo”, garante Kenzo.

 

Premiados-PREMIO-2015

 

Premiados – A relação completa dos agraciados com o 59º Prêmio Paulista de Esportes: LHOJI NAKAMURA (Aikidô); PEDRO ISSAO YOSHIKAWA (Atletismo); AKIRA KIYUNA (Beisebol); TAKETOMI HIGASHI (Softbol); MILTON TOHORU YOSHIURA (Golfe); SEIZI OGA (Gatebol); CAIO KANAYAMA (Judô); CINTIA YUMI YONAMINE VAZ (Karatê); ROBERTO YOSHIUKI SOMEYA (Kendô); NORIKO OYA (Kenkô Taissô); HÉLIO KENZO DINO (Kobudô); KIYOSHI FUZIKAWA (Mallet Golf); KEIJIRO TADENUMA (Park Golfe); SONIA DIB (Rádio Taissô); MARIA APARECIDA DE LIMA BEZERRA (Sumô); ANTONIO TSUNEO KOKUBU (Tênis de Campo); CAZUO MATSUMOTO (Tênis de Mesa); YASUYUKI HIRASAKI (Tiro Ao Alvo).

Prêmios Especiais: HARUO TAKANO (Golfe), LAURO OTSUKA (Tênis de Campo), ASSOCIAÇÃO HARMONIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA (Futebol).

(Aldo Shiguti)

 

 


 

 

59ª Cerimônia de Entrega do Prêmio Paulista de Esportes

Quando: Dia 1º de junho, a partir das 19 horas

Onde: Câmara Municipal de São Paulo (Viaduto Jacareí, 100 – Bela Vista)

Informações pelo tel.:

11/3340-6060 (com Maria)

 


 

 

Hatiro Shimomoto e Aurélio Nomura destacam importância do Prêmio

 

Hatiro Shimomoto e Aurélio Nomura (Foto: divulgação)

Hatiro Shimomoto e Aurélio Nomura (Foto: divulgação)

 

Realizado há 59 anos ininterruptamente, o Prêmio Paulista dse Esportes não seria possível sem a colaboração de importantes parceiros. E nesta edição não é diferente. Uma realização dos jornais Nikkey Shimbun e Jornal Nippak, o 59 º Prêmio Paulista de Esportes conta com apoio do Governo do Estado de São Paulo, Prefeitura da Cidade de São Paulo e vereador Aurélio Nomura. O patrocínio é da King Contabilidade.

Patrono do Evento, o ex-deputado estadual Hatiro Shimomoto destaca a importância do Prêmio. “Somos originários de um país que pratica esporte desde criança e que cultiva essa tradição através dos Undokais. Uma sociedade se constroi não só através de Educação, mas também através da Cultura e do Esporte”, explica Shimomoto, lembrando que é autor do projeto Parque das Nações, que tem por objetivo criar o maior Centro Cultural, Esportivo, de Lazer e Turístico de São Paulo em uma área localizada próxima ao Parque Ecológico , na entrada do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica (Guarulhos).

“Sempre digo que melhorar os usos e bons costumes é muito importante para a sociedade brasileira, pois isso é bom para a cidade, bom para a sociedade e bom para o país”, diz Shimomoto, que também patrocina o neto Erick Higa, de 21 anos, uma das espenças de medalhas para o Brasil nos Jogos Parapan-Americanos de 2015 que serão realizados no segundo semestre na cidade de Toronto no Canadá.

Para o vereador Aurélio Nomura (PSDB), “é uma satisfação, mais uma vez, abrir as portas da Câmara Muncipal de São Paulo para um evento tão tradicional como o Prêmio Paulista de Esportes, que tem como objetivo enaltecer estes novos talentos e valorizar o trabalho de abnegados”.

“Na verdade, os homenageados é que são, de fato, os patrocinadores. Já receberam o Prêmio Paulista atletas como o nosso mesa-tenista Hugo Hoyama e a nadadora Poliana Okimoto. São verdadeiros heróis que merecem todos os nossos aplausos, ainda mais porque são descendentes de japoneses mantendo a tradição japonesa”, desataca o parlamentar tucano, afirmando que “nos faz lembrar aqueles maiores da imigração japonesa, que para preservar os costumes e também como forma de se relacionar, se encontravam para a prática de esportes”.

“Hoje, graças aos pioneiros, que trouxeram essas modalidades na bagagem, vemos que muitos esportes foram assimilados pela sociedade brasileira, como o karatê e o judô. Isso mostra o quanto é importante a prática do esporte, um legado deixado pelos pioneiros tão importante como as contribuições que tivemos nas mais diversas áreas, como na agricultura, no Direito, no comércio, na Medicina e na Engenharia”, explicou Aurélio Nomura.

(Aldo Shiguti)

 

Related Post

TÊNIS DE MESA: Como foi o Mundial por Equipes da M... Realizado entre 28 de fevereiro e 6 de março, em Kuala Lumpur, na Malásia, o Campeonato Mundial por Equipes reuniu mais de 90 países e dividido em 4 c...
BRASIL-JAPÃO: Comunidade de SP se despede do embai... As principais entidades nipo-brasileiras de São Paulo realizam nesta quinta-feira (29), no Salão Nobre do Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Jap...
COMUNIDADE: MUSEU HISTÓRICO DA COLONIZAÇÃO DE PERE... No último dia 10, o Museu Histórico da Colonização de Pereira Barreto (SP), recebeu a visita do cônsul geral do Japão em São Paulo, Takahiro Nakamae. ...
COOPERAÇÃO: PARANÁ E HYOGO QUEREM REFORÇAR PARCERI... O governador Beto Richa recebeu, no mês passado, no Palácio Iguaçu, em Curitiba, o novo representante oficial da província de Hyogo, no Japão, Nobuyuk...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *