ARTIGO: Prazo para inovar a saúde

 

Há seis anos, o consumidor brasileiro vem sofrendo com a desatualização da chamada “lista positiva”. Ela responsável por isentar os princípios ativos dos medicamentos de uso contínuo ou de larga escala da contribuição ao PIS (Programa de Integração Social) e à Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social).

Estabelecida no ano 2000 por meio da Lei nº 10.147/00, a medida reduz em até 12% os preços de centenas de remédios, entre eles os indicados para hipertensão, diabetes, osteoporose, colesterol, além de vacinas, antibióticos, antialérgicos e contraceptivos. Então por qual motivo a lista positiva não é atualizada? Simples. Porque o governo perde arrecadação.

A falta de renovação da lista gera conseqüências negativas à sociedade. A principal delas é a discrepância de preços entre os medicamentos mais novos e os mais antigos nas prateleiras das farmácias.

Quando a lista positiva foi criada, um dos objetivos era desonerar os laboratórios e as indústrias para que, com o recurso economizado em tributos, elas pudessem investir em pesquisas e inovações. Assim, os novos princípios ativos desenvolvidos ou descobertos por essas entidades iriam para a lista positiva, receberiam isenção de impostos e seriam comercializados com um valor mais acessível ao consumidor. Na teoria. Na prática, a lei beneficia os estudos científicos, mas onera os produtos mais modernos.

Milhões de brasileiros lutam contra graves doenças, como o câncer, e precisam de remédios de ponta para se curar. Outros possuem doenças crônicas, cujos medicamentos são caríssimos de manter. A desoneração desses remédios contribuiria e muito com o bolso dessas pessoas, que não têm tempo a esperar.

Para resolver essa situação apresentei um novo projeto de lei em outubro: o PL 6612/13, como intuito de estabelecer um prazo e uma metodologia para que os novos princípios ativos sejam analisados e aprovados com rapidez. Também solicitei a alteração na Lei 10.147/00, citada acima.

Em um de seus artigos, a lei determina a obrigatoriedade de publicação da lista positiva pelo governo para que os novos princípios ativos ganhem isenção fiscal. Ou seja, sem essa publicação, a desoneração não acontece, mesmo que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ateste a importância das novas substâncias para a saúde dos brasileiros.

Hoje, grande parte dos medicamentos com prescrição médica são isentos do PIS e Cofins. Mas não todos. O meu projeto de lei determina que todos os remédios com tarjas vermelha ou preta ganhem isenção automaticamente após ser aprovado pela Anvisa, sem a necessidade de publicação oficial.

Atualmente, a lista positiva conta com cerca de 1,5 milhão de substâncias, o que corresponde a 65% do mercado consumidor. E esse número pode aumentar: há mais de 170 princípios ativos que esperam para ser inclusos nessa tabela.

A lista positiva não é interessante ao Leão. Nas deveria ser. Ela não traz dinheiro, mas garante economia ao governo ao promover a saúde no país. O governo poupa ao diminuir a quantidade de internações e intervenções cirúrgicas pelo SUS com a ajuda de medicamentos modernos. Hoje, mais de 50% dos brasileiros abandonam seus tratamentos por não conseguir arcar com os custos dos remédios. O acesso a esses produtos poderia fazer essa triste estatística se transformar.

A atualização da lista positiva é de suma importância para população, já que ela beneficia quem mais precisa do princípio ativo: o paciente.

 

 

 

WALTER IHOSHI

Deputado Federal (PSD/SP)

Presidente da Frente Parlamentar para a Desoneração dos Medicamentos

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

KARATÊ: SAITO BROTHERS VISITA PROJETO SOCIAL EM CU... *Fotos: Marcones Gomes   A dupla Campeã Mundial de Karate-do Goju-kai formada pelos irmãos Akira Saito e Horácio Saito ministrou um treina...
BANCO BACURI: O primeiro sonoro de Yasujiro Ozu Quando se trata dos grandes cineastas japoneses do século passado, como isso tivesse sido há tanto tempo (?), não seria exagero considerar Yasujiro Oz...
HAICAI BRASILEIRO   O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Ma...
ERIKA TAMURA: Palestra do Sr. Nakamae Takahiro Nakamae, para quem não conhece, é o atual Diretor Geral de assuntos dos países da América Latina e Caribe. Pois bem, fui hoje assistir a sua ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *