AVENTURA: Japonês que deu a volta ao mundo em uma kombi busca ‘companheiro de volante’ para repetir o feito

 

Quem for ao 17º Festival do Japão, que acontece nesta sexta, sábado e domingo (de 4 a 6), no Imigrantes Exhibition & Convention Center (ex-Centro de Exposição Imigrantes), zona Sul de São Paulo, pode se deparar com um convite inusitado. O japonês Yutaka Okano, de 75 anos, quer encontrar um “companheiro de viagem” para dar a volta ao mundo sobre quatro rodas. Pode parecer, mas Okano, que estará no maior evento de cultura japonesa como representante Daiichikosho – segundo ele a maior empresa do ramo de karaokê do mundo – não está delirando.

 

Yutaka Okano rodou cerca de 110 países (foto: Aldo Shiguti)

 

O próprio foi autor de tal façanha. Em 1962, Okano, então com 23 anos, e o belga Michel Delpiere, entraram para a história ao percorrerem o mundo em uma Kombi. A aventura começou em 1962, na Bélgica, e terminou cinco anos depois. “Chegamos no Brasil em 1963, via Uruguai”, lembra Ocano, que na capital paulista entregou uma carta do governador de Tóquio “não sei se para o prefeito de São Paulo ou se foi para o governador” convidando para a Olimpíada de Tóquio, que seria realizada em 1964.

Foram 350 mil quilômetros percorridos, que dariam sete voltas e meia ao redor do mundo, e 110 países visitados. A façanha rendeu à dupla o recorde de viagem mais longa em terra no mundo. Tudo registrado nos jornais da época.

“O Japão vivia uma situação de pobreza e eu queria sair do país”, lembra Okano, que teve que sair do país com apenas US$ 200 no bolso. “Não era permitido sair do Japão com uma quantia maior que essa”, conta ele, que escreveu mais de 2 mil cartas para presidentes, chefes de estado, reis e empresários solicitando apoio.

“Recebemos ajuda financeira da Jordânia, Afeganistão e Egito, mas por onde passássemos as pessoas sempre nos ajudavam, a maioria com alimentos”, explica Okano. “Durante a viagem dormíamos na própria Kombi ou na casa de amigos”, observa o aventureiro, afirmando que, na viagem, ele o amigo (já falecido) contraíram várias doenças, como malária.

Caso encontre alguém disposto a se revezar no volante, Okano avisa que a viagem já tem até data marcada. “Será entre as Olimpíadas do Rio e de Tóquio”, conta ele, que terá que buscar também um patrocinador disposto a bancar a aventura.

O que Okano certamente não espera repetir é o destino que deu a Kombi. “Toquei fogo porque não queria que sobrasse nada dela”, diz. “Hoje sei que isso não é correto”, se arrepende.

(Aldo Shiguti)

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

Tomie Ohtake – Orbis Tertius De 20 fevereiro a 1 maio 2016   A singular delicadeza das curvas de Tomie Ohtake é ponto pacífico entre público e crítica. Sempre feitas ...
PALESTRA – OS BASTIDORES DOS HERÓIS JAPONESES DA T... O empresário Toshihiko Egashira, que foi proprietário das empresas Everest Video e Tikara Filmes, estará palestrando, pela primeira vez, em São Paulo....
MEMAI: Mostra de Cinema Nikkei começa nesta sexta ...  Por Marília Kubota  Começa na sexta-feira  (25) da próxima semana  a Mostra de Cinema Nikkei, no Cine Guarani, no Portão Cultural (Avenida República...
EXPOSIÇÃO: 3ª Exposição da Galeria do Produto Arte...   sabonete artesanal - Atelier by Lê (foto: divulgação)   Pulseira - Fênix Capim Dourado (foto: divulgação)   Dia 11 d...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *