BEM ESTAR: A TEMPESTADE

No domingo, dia 18 de maio, tivemos em São Paulo uma chuva de granizo.  A marca do temporal ficou gravada nas proximidades do Parque da Aclimação, onde – cena nunca antes vista – o gelo se acumulou a ponto de forrar o chão de branco.

Nesse dia, eu estava na Pedra Grande, Atibaia, para ajudar no CBM, Curso Básico de Montanhismo, do GPM – Grupo Paulista de Montanhismo, do qual havia participado no ano passado.

Dizem os japoneses que os climas de montanha mudam com facilidade.  A mim, me vem como se o humor do clima fosse mais instável por estas cercanias.

No meio dos procedimentos, um dos instrutores me gritou: “Helena, abortar!  Vem chuva”! – ao que, sem lhe compreender a urgência, respondi: “Seg (segurança) pronta”!

Calmamente e sem pressa, perfiz a distância da pequena trilha que nos leva da parte baixa para a parte alta, alertando às pessoas que ia encontrando para que retornassem à base.

A chuva caiu grossa, me pegando desprevenida ainda com a capa da mochila nas mãos.

Raios e trovões rugiram furiosos e senti o medo me transpassar a medula.  “Todos agachados”! gritou o instrutor, alertando o grupo sobre o perigo dos raios.

Eu sentia a água da chuva gotejar grossa por todos os lados do corpo.  A tempestade era intensa e selvagem, invadindo todo o meu ser, fazendo-me sentir vulnerável.

Me peguei, então, diante de um espanto ancestral: com certeza eu já havia experimentado esta sensação.  O meu cérebro reptiliano o reconhecera em sua intensidade, coisa dos tempos em que eu habitava as cavernas!

Engraçado foi notar que o medo e o riso andam juntos.  Houve um que de regozijo, inexplicável na precária situação em que nos encontrávamos.  A chuva era infinitamente mais bela do que a que se vê na cidade.  O movimento das nuvens enlouquecidas, as curvas aleatórias das torrentes d’água, as cores e expressões do céu e, finalmente, uma cortina tão espessa que mal se enxergava um palmo à frente do próprio olhar: tudo era de uma beleza estonteante, nunca antes vista.

A força da tempestade se fez mostrar em todo o seu esplendor e magnificência, e, éramos apenas nós, os seus solitários testemunhos.

Ainda sob a graça e a bênção da Natureza, agradeci às suas águas e orei para que elas de algum modo pudessem alcançar os nossos tão ressequidos reservatórios.  Em verdade, me vi um pouco utilitarista neste pedido, pois, a Natureza acabara de nos mostrar a sua grandiosidade e presença.

Como se dissesse em tom claro: “Aqui quem manda, querida, sou eu”!

 

 

 

Helena Tiemi Honda Kobayashi

Sócia e colaboradora da Associação Palas Athena, é instrutora de yoga, atenção e concentração nas práticas meditativas. Tem doutorado e mestrado pela Yokohama National University, tendo completado 15 anos de vivência no Japão.

 

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

BEM ESTAR: Seu Modo de viver Transformei minha vida em vida de lamentações, em alerta ao medo incontinenti, palpitações constantes, olhares voltados só no retrovisor,  observando ...
JORGE NAGAO: TRÊS POEMAS DA MINHA JUVENTUDE   (publicados na revista A Recretiva, nos anos 70)     I) Lira dos Vinte Anos e Meio   Hoje completo...
ERIKA TAMURA: Keirô no hi (Dia do Respeito ao Ido...   Dia 17 de setembro, segunda feira, foi feriado no Japão em razão ao dia do respeito ao idoso. Na verdade na terceira segunda feira do mês de...
JORGE NAGAO: Adoniran, o homem do trem das onze   Em qualquer roda de samba, pode demorar, mas  o conjunto acaba cantando o “Trem das Onze”.  Adoniran Barbosa, uma figura carismática e carim...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *