BEM ESTAR: DE GOTA A GOTA

 

Figura: Nascente do Rio Tietê, em Salesópolis.

 

O Yoga, assim como qualquer técnica psicofísica precisa de tempo para que seja cultivada, até que as suas benéficas raízes se aprofundem e se firmem.

É bastante comum que novos praticantes queiram avançar rapidamente de estágio, em busca, por exemplo, de posturas mirabolantemente belas e audaciosas, encontradas em revistas especializadas.  Já outras pessoas preferem vir para ‘relaxar’ de tempos em tempos, esquecendo-se de que é o acúmulo paciente da prática que lhes trará o benefício a longo prazo.  De gota a gota.

Porém, tanto no Yoga quanto na Meditação, é preciso se criar o que a Professora Lia Diskin, da Associação Palas Athena costuma chamar de “musculatura interna.”  Principalmente no início, esta persistência é que se faz necessária, até que o praticante consiga perceber em si mesmo os benefícios de uma prática continuada, de modo que a percepção em si passa a ser o seu elemento motivador.

Ao meu ver, são resultados preciosos tanto o bem estar que se adquire ao final de uma prática, quanto o profundo aprendizado sobre o “como funcionamos” – que costuma acontecer durante o processo, durante o trilhar do caminho.

Assim, gota a gota vamos crescendo como um rio que torna-se caudaloso, mas que conta com cada pequeno esforço para o seu desenrolar, para o seu desenvolvimento.

Aqui vale também lembrar um sutra de Patañjali.  Os Yogasutras de Patañjali consiste de um antigo texto compilado que nos fala sobre o Yoga de milênios atrás, e que descreve todo o seu arcabouço filosófico.  No sutra I-21, lemos que “a integração (Samadhi) está mais próxima para aqueles cujo desejo (pelo Samadhi) é intensamente forte.”

Se sabemos para onde queremos navegar, a nossa leitura do vento nos será mais favorável à busca de nosso propósito!  Assim, de gota a gota em direção àquilo que se almeja.

Vamos?

 

 

Helena Tiemi Honda Kobayashi

Sócia e colaboradora da Associação Palas Athena, é instrutora de yoga, atenção e concentração nas práticas meditativas. Tem doutorado e mestrado pela Yokohama National University, tendo completado 15 anos de vivência no Japão.

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JOJOSCOPE: Sweet Delícia A confeitaria japonesa tradicional é conhecida como wagashi (和菓子), mas a chamada “pâtisserie” ganha força no Japão, onde é conhecida como yôgashi (洋菓子...
NIPPAK PESCA: Vocabulário na Pesca I   Como toda “tribo” que se preza, os pescadores também tem o seu linguajar característico. Muitas das palavras continuam em inglês ou já foram...
AKIRA SAITO: MELHOR QUE ONTEM “As desculpas lhe servem apenas para manter o estado atual: O de Comodismo”     A busca constante pela perfeição nos traz sempre a be...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Onde perfurar para o jorro d... Conceituado jornal, neste domingo, gastou uma página para tratar do método de encontrar água – hoje, sim, precioso líquido – perfurando poços. Um ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *