BEM ESTAR: “É tão bom… eu me odeio por isso (Umai-n da yo na. Komatta koto ni.).”

 

 

A Partida (Okuribito) é o filme de Yōjirō Takita que ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2009.

Segundo o crítico Rodolfo Lima, Daigo (Masahiro Motoki) é um violoncelista que, vendo se desmanchar a orquestra onde tocava, resolve voltar para sua casa e arrumar outro emprego, recomeçar. Eis que arruma um emprego de preparador de defuntos. […] Além da morte seu filme traça paralelos com outros temas como a relação que desenvolvemos com a comida, e porque não com as pessoas mortas, o preconceito com quem trabalha nesse ramo e a necessidade das pessoas de rever a própria vida, a partir da morte.

Uma das cenas mais brilhantes e marcantes do filme ocorre quando Daigo encontra-se já decidido a largar o serviço deixando-se vencer pelas pressões vindas por parte da esposa e de amigos.  O seguinte diálogo preenche o espaço abundantemente preenchido por plantas na casa de seu patrão Sasaki, ao saborearem, juntos, brancas ovas de peixe. O cenário reforça a delicada ênfase da presença da vida, da vitalidade, neste filme, que retrata a morte e as reflexões que ela nos inspira.

Sasaki: Umai daroo? (Bom, não é mesmo?)

Daigo: Umai-su ne. (Sim, bom mesmo.)

Sasaki: Umai-n da yo na. Komatta koto ni. (É tão bom… eu me odeio por isso.)

Esta última frase engloba toda a temática do filme, colocando vida e morte frente a frente: temos de comer para podermos continuar sobrevivendo. “Para continuar vivendo, a vida tem de se alimentar da vida – exceto no caso delas,” diz Sasaki, apontando para as plantas.

A frase tem força maior ainda, se considerarmos que ‘é bom,’ ou seja, que o alimento é saboroso.  Outra vida se nos oferece e temos que nos alimentar dela para continuarmos vivendo, se é que esta é a nossa escolha; ainda assim, dentro do sofrimento que se encerra nesta relação, há a degustação, o prazer no contato com o alimento no nosso paladar. Talvez possamos encontrar, neste “eu me odeio por isso,” o remorso por apreciarmos este alimento, pela vontade que temos de repetir aquilo que nos traz o prazer do sabor, ou o sabor do prazer.

A expressão ‘komatta koto ni’ pode trazer também significados como: inconvenientemente, preocupantemente, problematicamente, perplexamente, que talvez ajudem o leitor a se localizar perante a complexidade e profundidade da afirmação de Sasaki.

Segundo Rodolfo, Daigo descobre em sua vida as pequenas mortes inevitáveis no percurso de sua trajetória e a necessidade de renascimento que nos é proporcionada a cada virada de rumo na nossa vida.

Que possamos fazer valer as vidas das quais nos alimentamos em nossa trajetória e que a nossa própria vida possa, por sua vez, oferecer-se às vidas vindouras, como alimento, como inspiração, e, minimamente, como consciência deste continuum do qual depende a nossa evolução como espécie.

 

Cena do filme A Partida (em japonês):

 

 

Site com as palavras do crítico Rodolfo Lima: http://www.cranik.com/apartida.html

 

 

 

Helena Tiemi Honda Kobayashi

Sócia e colaboradora da Associação Palas Athena, é instrutora de yoga, atenção e concentração nas práticas meditativas. Tem doutorado e mestrado pela Yokohama National University, tendo completado 15 anos de vivência no Japão.

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

BEM ESTAR: Como estão vivendo? Tudo que existe  nesse planeta, cumprem  devidamente os ciclos repetidamente, em harmonia, renovando cada vez mais. O ser humano também vive de aco...
ERIKA TAMURA: Keirô no hi (Dia do Respeito ao Ido...   Dia 17 de setembro, segunda feira, foi feriado no Japão em razão ao dia do respeito ao idoso. Na verdade na terceira segunda feira do mês de...
NIPPAK PESCA: Fly Fishing – Informações iniciais... A porta de entrada para um mundo abrangente e envolvente. Muitos ainda associam somente à pesca de trutas mas pode se pescar quase todas as espécies, ...
BEM ESTAR: Limpeza Espiritual Para mantermos sadios, fazemos as devidas higienes, para não contrairmos nenhuma infecção oriundas do meio externo. Cuidamos de nossas aparências f...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *