BEM ESTAR: NA CICLOFAIXA, Á SOMBRA DAS ÁRVORES

 

Crédito de imagem: http://jadiziaoamauri.files.wordpress.com/2014/01/ciclofaixa_02.jpg

 

Aos trinta de agosto de 2009 implantou-se a CicloFaixa na cidade de São Paulo.  A apenas um mês passei a usufruir desta invenção fantástica que nos foi disponibilizada.

A ciclista Renata Falzoni, ativista que defende mudanças radicais no transito da cidade, disse, uma vez, que a bicicleta é um meio de transporte que nos dá a dimensão exata da energia que se faz necessária para a locomoção.

É verdade!  Um aclive, que num carro não custaria mais do que uma suave aceleração, faz-se sentir intensa nas pernas, na exigência de pedaladas mais fortes, nas batidas do coração, e na paisagem que vai adquirindo novas visões ao custo de esforço e determinação.

Há também o fator emocional: se ou me embalando numa descida, na esperança de conseguir passar à salvo pelo farol verde dos ciclistas (ou melhor, das bandeirolas dos facilitadores que se postam a cada farol ou ponto de intersecção entre pedestres, ciclistas e automóveis) vejo-me comumente apreensiva por ter de perder a energia duramente investida, caso as portas se fechem advertidamente.  Sim, pois acompanho cuidadosamente a movimentação e a sinalização imposta aos automóveis, quando ando de bicicleta.

Para mim, a bicicleta tem sido este alegre encontro com a dureza do asfalto, meio intermediário ideal entre o automóvel – onde mal se enxerga por onde se transita, e o ‘à pé,’ que não rende tanta quilometragem.

A descoberta mais preciosa me foram as sombras das árvores.  Adoro passar por baixo do generoso telhado de folhas que nos acolhe na Avenida Indianópolis, e República do Líbano.  Em dias de sol mais quente, é um refresco aguardado e reverenciado de corpo e de alma.

Já as pequenas arvores dos canteiros da Avenida Jabaquara, ainda em crescimento, demorar-se-ão a nos prover de espaços tão acolhedores quanto os citados anteriormente.  Mas, sobre a bicicleta, puder ver que seus pequenos canteiros receberam terra nova!  O que será que irá brotar aos nossos olhos de ciclistas daqui em diante?

Convido-os a pedalarmos juntos, para fazermos novas descobertas!

 

 

Helena Tiemi Honda Kobayashi

Sócia e colaboradora da Associação Palas Athena, é instrutora de yoga, atenção e concentração nas práticas meditativas. Tem doutorado e mestrado pela Yokohama National University, tendo completado 15 anos de vivência no Japão.

 

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SILVIO SANO: Eleição, um caso sério… Cheguei a dar como título, “Eleição, um caso sério... nikkei”, mas em virtude de, apesar de sermos nikkeis, antes de tudo, estarmos no Brasil onde nas...
CANTO DO BACURI > Francisco Handa: O caminho da ce... O caminho da cega Para onde se dirige A cega arrastando Uma bengala. Sempre a fazer O mesmo caminho Arrastando as pernas. Para onde vamos ...
JORGE NAGAO: Carrtunistas Nikkeis Mesmo sem desenhar bem, talvez seja eu, desculpe a imodéstia, o cartunista nikkei mais premiado do país, ainda. (Adoraria ser contestado). Graças ...
JORGE NAGAO: Carnaval e Homenagens   Ser homenageado por uma grande escola de samba, em vida, é um privilégio para poucos sortudos. "Me dê as flores em vida porque quando morrer...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *