BEM ESTAR: O QUE REALMENTE IMPORTA?

 

“O tempo possui um modo espantoso de nos mostrar o que realmente importa.”

 

 

Crédito de imagem: https://encrypted-tbn2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRaYWofLxJncRlrtwEjK1YUXn9KunK7XHvPW2nj2MWYmlgiu4fOhg

Esta é uma frase que foi postada no Facebook – ZenSational Living, datado de 02 de janeiro de 2014.  Ela está copiada em meu diário, onde gosto de anotar frases como estas, para que elas me inspirem ao longo do caminho.  O outro uso é como rascunho de minhas postagens para o Jornal Nippak, como faço neste momento.

Foi alguns dias depois que fiquei sabendo da morte de meu orientador de Mestrado, o Professor Yasunori Maruyama, no Japão, exatamente no mesmo dia 02 de janeiro.  Ele e sua esposa, estiveram no Brasil nove vezes em oito anos, apesar da idade, encantados com as histórias de vida de descendentes japoneses que para cá vieram, criaram raízes, filhos, netos e bisnetos.  Vinham para saborear e degustar da rica cultura que aqui se estabeleceu e de seus valores, fundados na educação, na disciplina, no trabalho dedicado.

O Professor Maruyama escreveu três livros (em japonês) sobre estas histórias: A Força dos Japoneses vista nos Cem Anos de Imigração no Brasil, Japonês Garantido, O Grande Rio do Coração Japonês que Flui em Terras Brasileiras.  Um quarto livro ainda estava à caminho, e, também por isso, tinham planos para estarem conosco agora em Junho.  Porém, o Universo já havia decidido pelo seu retorno às origens, se é que assim posso me colocar.

Ao ser informada desta triste notícia, foi como se eu quisesse agarrar o tempo com as mãos, mas ele simplesmente se esvaíra por entre meus dedos ansiosos.  O meu tempo de convivência com ele, rico em risos, amizade e aprendizados se findara.

Nosso último encontro havia sido particularmente especial.  Pude lhe contar sobre o curso que havia acabado de começar a ministrar na Associação Palas Athena: Zen e Yoga – um curso teórico-prático que propõe vivências de valores e costumes tradicionais japoneses, coisas que aprendi com os japoneses em meus quinze anos de vida, no Japão.  Ele aprovara o conteúdo e a forma de transmissão dos conhecimentos, que em grande parte herdara do que ele havia amorosamente nos ensinado.

A sincronicidade fez com que eu refletisse sobre a brevidade da vida, sobre a importância de se fazer escolhas.  Dentre elas, a de doar três volumes que ele me presenteou, para que possam ser apreciados por um maior número de leitores.  Em breve, estarão disponíveis na biblioteca da Fundação Japão, em São Paulo.

No precioso tempo de convivência com as nossas pessoas queridas, que saibamos nos abrir em atenção plena para que possamos ser agraciados por suas presenças através de nosso coração mais atento, mais aberto, mais compassivo.

 

 

Obituário (em japonês): http://www.nikkeyshimbun.com.br/2014/140125-76colonia.html

 

 

Helena Tiemi Honda Kobayashi

Sócia e colaboradora da Associação Palas Athena, é instrutora de yoga, atenção e concentração nas práticas meditativas. Tem doutorado e mestrado pela Yokohama National University, tendo completado 15 anos de vivência no Japão.

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JORGE NAGAO: Humorista na Feira (foto de Mauricio Benassato, blogzonanorte.com.br)   Humorista na Feira   Quando vi aquele senhor, não tive dúvida: Batata! É ele! ...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Hitono nozomino yor... Hitono nozomino yorokobiyo     Em português, O desejo da minha alma. É o primeiro filme longa metragem de Masakazu Sugita, jovem ...
JORGE NAGAO: Habemus haicaístas Originado do tanca, 31 sílabas, Matsuó Bashô para 17, no século 17. Assim nasceu o haicai. No início do século XX, o haicai chegou de navio em ...
JORGE NAGAO: Memórias Póstumas da Folha   Itagyba que faria 70 anos em maio. Leão Serva, está lançando o livro “Um dia, uma vida”, uma seleção de obituários publicados na Folha d...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *