BEM ESTAR: O SEXTO SENTIDO

Crédito de imagem: http://fbcdn-sphotos-e-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash3/q71/s720x720/1470040_618953288154090_1475501362_n.jpg

 

Você já foi à feira?  Sim, à feira!

Me vi hoje, viajando através dos legumes, numa feira.

Comecei com os quiabos.  É a barraca da Suzy que vende quiabos fresquinhos, provenientes diretamente do produtor.  Desde a primeira vez que tive a alegria de experimentá-los, não consegui mais comprar de outras pessoas.  Às mãos, eles são tenros e macios, e, mesmo os maiores observam-se crocantes e não fibrosos.  “Pode-se cortar fininho ou ralar, para comer cru!” – ensina Suzy, ao que prometo que irei provar!

Em seguida, chego aos pepinos japoneses.  Ao toque apercebo-lhes o frescor pela firmeza.  Quando meus dedos vão se enroscando em suas suaves protuberâncias pontudas, imagino que foram cuidadosamente colocados na caixa, e que o pouco atrito entre eles tenha sido uma das causas da ‘sobrevivência’ destas protuberâncias.  Ou ainda mais: que tenham sido pouco manuseados, o que não deixa de ser um bom sinal…

Bem ao lado, o aroma das mandioquinhas amarelas me seduz.  Vejo-me sendo chamada por elas e, como que por encanto, elas pulam para dentro de minha cesta de compras.

Os sentidos, vistos assim, deixam a sua limitada efemeridade específica de lado, para que possam nos apoderar com algo maior que provém de sua combinação única: um sexto sentido.

Acredito que quando deixamo-nos guiar por esta combinação de sentidos, porém, atentos ao que eles querem nos transmitir, ganhamos um patamar ainda mais proeminente do que o que atingimos quando enxergamos o mundo com cada sentido, separadamente.

Mas, espere aí, me vem agora, enquanto escrevo: se nos aprofundarmos, por exemplo, somente pelo sentido da audição, não poderíamos passar a enxergar literalmente de olhos fechados, assim como fazem os cegos de nascença?

Sinto que a resposta está em nosso próprio corpo.  Ao nos deliciarmos com a crocância da mandioquinha, ou com as sementes fugidias do quiabo, sem querer já estamos contando com, pelo menos, mais dois sentidos: o do tato e o do olfato!

Que possamos despertar para o mundo de sensações que se nos oferece a cada precioso momento, e que, através deste nosso sexto sentido, possamos apreciar e zelar pela vida que se nos acerca, que nos protege, e da qual dependemos inexoravelmente.

 

 

Helena Tiemi Honda Kobayashi

Sócia e colaboradora da Associação Palas Athena, é instrutora de yoga, atenção e concentração nas práticas meditativas. Tem doutorado e mestrado pela Yokohama National University, tendo completado 15 anos de vivência no Japão.

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

AKIRA SAITO: MÉRITO   “Você tem que ser bom, mas quem tem que dizer isso são as outras pessoas e não você mesmo......”   Cresci ouvindo esta frase, poi...
SILVIO SANO > NIPÔNICA: Após a contribuição à noss... Quando, há um mês, escrevi a Nipônica referente à Educação (Outra contribuição à nossa Educação) tive uma grata surpresa graças ao advento da internet...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Hitono nozomino yor... Hitono nozomino yorokobiyo     Em português, O desejo da minha alma. É o primeiro filme longa metragem de Masakazu Sugita, jovem ...
SILVIO SANO: O CASO YOKI Já abordei, aqui, temas afins devido às mortes trágicas de dois amigos causados pela violência urbana que vige, também, em nosso país. Eu mesmo já fui...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *