BUTÔ: Companhia de dança japonesa Sankai Juku leva espetáculo “Meguri”

A companhia japonesa de dança Sankai Juku traz “Meguri – Mar exuberante, Terra tranquila”, espetáculo de butô no Teatro Alfa em São Paulo, nos dias 23 e 24 de julho.

Meguri é a criação mais recente de Ushio Amagatsu, pertence à segunda geração de dançarinos de butô, gênero fundado em meados da década de 50 no Japão pós-Segunda Guerra por Tatsumi Hijikata e Kazuo Ono como um movimento de contracultura e revolta dos japoneses contra a ocupação americana. No “ankoku-butoh” – dança das trevas – os dançarinos experimentam com os limites do corpo numa subversão da ideia da dança, quase sem música.

 

resized_sankai-juku-meguri-1

Meguri é a criação mais recente de Ushio Amagatsu, pertence à segunda geração de dançarinos de butô. Foto: divulgação.

 

O estilo do coreógrafo, que no começo não foi aceito como butô pelos críticos tradicionais, reflete a experiência global de Amagatsu. Durante as turnês mundiais da companhia, o coreógrafo observou o que chama de “universalidade” entre todas as culturas: de forma mais abstrata, a forma original das emoções; no aspecto físico, o diálogo com a gravidade que todas as pessoas estabelecem durante a vida, quando aprendem a sentar, se levantar e andar.

“Eu não tento explicar algo nem contar uma história no espetáculo. Ficarei grato se as plateias sentirem cada cena – que chamamos de tableau – como um poema. Há quem diga que nossa dança é em câmera lenta, mas não é. Ela é o resultado de um diálogo cuidadoso com a gravidade– não uma repulsão, e sim uma conformidade com ela. A dança ocidental é, em sua maioria, criada pela tensão: levantar uma perna, controlar uma forma. Em contraste, nós pensamos no estado de relaxamento como a base de nossa dança”, explica Ushio Amagatsu.

O espetáculo é dividido em sete sequências: “Um clamor à distância”, “Transformação do fundo do mar”, “Duas superfícies”, “Premonição – Quietude—Tremores”, “Floresta de Fósseis”, “Entrelaçamentos” e “Retorno”. A arte no fundo do palco foi criada à imagem de fósseis de criaturas marinhas do período paleozoico conhecidos como lírios-do-mar (crinoides), e o chão recebe uma fina camada de areia que, ao fim da apresentação, registra as pegadas dos dançarinos.

A palavra “meguri” (pronuncia-se “meguru”) é usada para tudo o que se move ou circula seguindo uma ordem ou um sistema pré-descrito, como a passagem do tempo, o ciclo das quatro estações e as transições que já ocorreram na Terra. Na forma de verbo, refere-se a tudo o que gira.

 

resized_sankai-juku-meguri-2

A palavra “meguri” (pronuncia-se “meguru”) é usada para tudo o que se move ou circula seguindo uma ordem ou um sistema pré-descrito. Foto: divulgação.

 

 

Sankai Juku

Em 1975, Ushio Amagatsu reuniu 30 dançarinos, do sexo masculino e feminino, para abrir a companhia de dança Sankai Juku – que significa, literalmente, “oficina da montanha e do mar”, em referência aos dois elementos básicos da topografia japonesa. Apenas três rapazes ficaram no projeto até o final de um ano, quando a companhia estreou em teatros de vanguarda no Japão, fazendo com que o grupo fosse conhecido como uma companhia formada apenas por homens.

Cinco anos depois, em 1980, receberam o primeiro convite para se apresentarem na Europa, no Festival de Nancy, o que chamou a atenção do Théâtre de la Ville, em Paris, e motivou um convite para a realização de parcerias entre os dois grupos. Nos 40 anos de existência, a companhia tem realizado turnês pela Europa, América do Sul, Austrália, Ásia e pelos Estados Unidos.

 

Ficha técnica: Companhia de dança Sankai Juku

Coreografia, conceito, direção: Ushio Amagatsu

Trilha sonora: Takashi Kako, Yas-KaZ, Yoichiro Yoshikawa

Oito dançarinos: Ushio Amagatsu, Semimaru, Sho Takeuch, Akihito Ichihara, Ichiro Hasegawa, Dai Matsuoka, Norihito Ishii, Shunsuke Momoki

Direção de palco: Kazuhiko Nakahara

Iluminação: Satoru Suzuki

Produção técnica: Keizuke Watanabe

Som: Akira Aikawa

 

 

SERVIÇO

Meguri – Mar exuberante, Terra tranquila

Quando: dia 23 – Sábado às 20h00  e  dia 24 de julho – Domingo às 18h00

Onde: Teatro Alfa
Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro
São Paulo – SP

Ingresso: www.ingressorapido.com.br/

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

BEISEBOL: Marília é campeão do XVIII Campeonato Br...   Marília campeão do 18º Campeonato Brasileiro de Beisebol categoria pré-infantil (foto: Nelson Yajima)     Realizado entr...
CULTURA: 1º Fuyumatsuri do Bunkyo de Mogi espera m... Na “contramão” da maioria das entidades nipo-brasileiras, que estão realizando seus eventos às custas de muito sacrifício – em especial neste ano, com...
HISTÓRIAS DE USHIRO: Artista Takahiro Iishi minist... Nesta sexta-feira , 8, às 14 h, a unidade São Joaquim da Aliança Cultural Brasil-Japão recebe uma palestra do artista Takahiro Iishi, que vai falar so...
ANDRADINA: Prefeitura inaugura Memorial da Ferrovi... A Prefeitura de Andradina (SP), através da Secretaria de Cultura, inaugurou no último dia 19, com a presença do prefeito Jamil Ono (PT), o Memorial Fe...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *