CAMINHADA: Grupo da Naguisa percorre Caminho do Sal

 

O grupo de caminhada do Programa Arukokai Naguisa percorreu no último dia 5 um trecho do Caminho do Sal, recém-criado em junho deste ano. O Caminho do Sal é uma rota ligando 3 munícipios: Santo.André, São Bernardo e Mogi das Cruzes, ligando áreas rurais e históricas com um total de 53,5 quilômetros. O trajeto pode ser feito de bicicleta ou a pé.

 

O trecho escolhido foi bastante fácil, plano e com placas indicativas (esquerda) (foto: divulgação)

O trecho escolhido foi bastante fácil, plano e com placas indicativas (esquerda) (foto: divulgação)

 

Essa rota era conhecida como Zanzalá e era por ali que se transportava sal em 1640 para os diversos povoamentos, daí o nome de Caminho do Sal.

 

Alto Astral durante toda a caminhada. Um passeio agradável (foto: divulgação)

Alto Astral durante toda a caminhada. Um passeio agradável (foto: divulgação)

 

O percurso escolhido pela grupo de caminhada da Naguisa é o trecho mais fácil de 16 km, em iniciando-se na rodovia SP 122, perto de Paranapiacaba e fomos em sentido à Estrada Velha de Santos (no sentido contrário à rota original).

 

Um caminho bonito com muitas flores silvestres e outras também.. (esq/dir) Norie, Terezinha e Emy (foto: divulgação)

Um caminho bonito com muitas flores silvestres e outras também.. (esq/dir) Norie, Terezinha e Emy (foto: divulgação)

 

Com raros trechos em aclive, a maior parte que o grupo percorreu foi de terra batida com cascalhos e plano, facilitando um bom rítmo na caminhada.

O trecho que vai de Paranapiacaba até Mogi das Cruzes, é considerada a parte mais difícil por ser uma região montanhosa, com muitas subidas e descidas.

 

Fim da caminhada: (esq/dir) Takano, Emy, Terezinha e Thomas (foto: divulgação)

Fim da caminhada: (esq/dir) Takano, Emy, Terezinha e Thomas (foto: divulgação)

 

Segundo Jorge Mori, da Naguisa, o caminho é muito bonito com muitas flores silvestres e muito verde, contrapondo-se à paisagem triste de uma represa (Guarapiranga) quase seca, passando, inclusive, por um ponto denominado “Sangradouro Pequeno Perequê”, sem nenhuma função, totalmente seco, vendo-se a água da represa lá longe”.

 

No Restaurante Rei do Abadejo. (esq/dir) Emy, Terezinha, Julia, Sumiko, Norie, Isaura, Thomas, Ori (motorista) e Takano. (foto: divulgação)

No Restaurante Rei do Abadejo. (esq/dir) Emy, Terezinha, Julia, Sumiko, Norie, Isaura, Thomas, Ori (motorista) e Takano. (foto: divulgação)

 

Formado por nove pessoas, o grupo fez o trecho de 16 km em pouco mais de 3 horas.

 

 

(Aldo Shiguti)

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

TÊNIS DE MESA: 66º Campeonato Brasileiro Intercolo... 17Todo segundo domingo do mês de setembro acontecem as seletivas regionais para a formação das equipes para o Campeonato Brasileiro Intercolonial do a...
JOJOSCOPE: Bolo de Anjo   Chiffons macios chegaram a Paris. Nos Estados Unidos e no Reino Unido são conhecidos como Angel Cake. Na La Pâtisserie Ciel, aberta em julho...
ESPECIAL: Festa de 75 anos de Kiyoshi Harada reúne... Dentre outras personalidades, marcaram presença no jantar festivo em comemoração aos 75 anos do jurista Kiyoshi Harada na Casa Fasano, no último dia 7...
30º UNDOKAI – AECNB – CAMPO GRANDE/MS A Associação Esportiva e Cultural Nipo-Brasileira de Campo Grande - AECNB convida para a tradicional gincana poliesportiva. Onde: Sede de Campo da ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *