CAMINHADA: Programa Arukokai da Naguisa leva associados à Prainha Branca

A Associação Naguisa, através do seu Programa Arukokai Naguisa (PAN), realizou no final de 2014, a Caminhada do Final do Ano, um misto de caminhada leve com um almoço de confraternização.

 

Seguindo pela trilha das ruinas (foto: Jorge Mori)

Seguindo pela trilha das ruinas (foto: Jorge Mori)

 

O local escolhido foi novamente a Prainha Branca, na divisa de Bertioga com Guarujá, por oferecer duas opções: a caminhada inicial de cerca de 40 minutos até a Prainha Branca, onde existe um bar, para aqueles que preferirem fazer uma pré-confraternização e a outra, prosseguir através de mais uma trilha que leva à Prainha Preta, essa com um pouco mais de dificuldade e cerca de 2:30h de caminhada ida e volta.

O local de partida é junto à balsa que faz a travessia Bertioga-Guarujá, através de uma escadaria que leva à trilha que tem o nome de Trilha das Ruínas.

 

Travessia da balsa (Bertioga/Guarujá) (foto: Jorge Mori)

Travessia da balsa (Bertioga/Guarujá) (foto: Jorge Mori)

 

No meio do trajeto, antes da Prainha Branca encontram-se as ruínas da Ermida (Capela) Santo Antonio de Guaibê (ou Guaíbe), construída no século XVI. Há um estudo para comprovar se essa foi a primeira igreja erguida no Brasil.

 

Inciando caminhada pela Prainha Branca (foto: Jorge Mori)

Inciando caminhada pela Prainha Branca (foto: Jorge Mori)

 

Padre Anchieta usava o local para catequizar os indígenas.

 

Nas ruínas da  Ermida (Capela) Santo Antonio de Guaíbe (foto: Jorge Mori)

Nas ruínas da Ermida (Capela) Santo Antonio de Guaíbe (foto: Jorge Mori)

 

As prainhas Branca e a Preta são praias bem isoladas e tranquilas, só podendo ser alcançadas a pé.

 

Na Prainha Branca (foto: Jorge Mori)

Na Prainha Branca (foto: Jorge Mori)

 

Já a Praia Preta exige um pouco mais de esforço, através de trilhas no meio da mata com algumas subidas e descidas e também entre as rochas com as ondas do mar batendo logo abaixo.

 

Em direção à Praia Preta: subindo pelas rochas (foto: Jorge Mori)

Em direção à Praia Preta: subindo pelas rochas (foto: Jorge Mori)

 

Mas vale a pena: a Praia Preta é uma pequena praia de cerca de 200m de extensão, isolada, tranquila e de grande beleza. A trilha prossegue e com mais 1h30 de caminhada chega-se à uma cachoeira. Mas desta vez o grupo não foi até lá.

 

Na Praia Preta (foto: Jorge Mori)

Na Praia Preta (foto: Jorge Mori)

 

Como era previsto a maioria resolveu ficar no barzinho da Prainha Branca e o outro seguiu para a Praia Preta.

 

No bar da Prainha Branca (foto: Jorge Mori)

No bar da Prainha Branca (foto: Jorge Mori)

 

E na volta, uma parada num restaurante, para um almoço de confraternização (bonenkai).

 

Um almoço de confraternização, em Bertioga (foto: Jorge Mori)

Um almoço de confraternização, em Bertioga (foto: Jorge Mori)

 

(Jorge Mori, especial para o Jornal Nippak)

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

BEISEBOL: Centro Esportivo Brasil-Japão recebe o 1... Quem disse que o Brasil é o país do futebol? Está enganado. Aqui também tem beisebol. Acontece neste fim de semana (11 e 12) o 16º Festival Zenki Sato...
BRASIL-JAPÃO: Governo de SC presta homenagem aos 1... Para comemorar os 120 anos do estabelecimento das relações diplomáticas entre o Brasil e o Japão e os 35 anos da assinatura do acordo de irmanamento e...
BAIRRO ORIENTAL: 39º Tanabata Matsuri espera mais ... Os aficionados da cultura japonesa não tem do que reclamar. Julho é um mês recheado de eventos ligados à cultura nipônica na capital paulista. Depois ...
JOJOSCOPE: Festival da Fertilidade   Kanamara Matsuri: devoção ao falo, um canto da primavera   Escultura em nabo: um trabalho para artesãos. É primavera no Japã...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *