CAMPO GRANDE: Cultura japonesa ganha destaque com exposição em Campo Grande

 

O Centenário da Imigração Japonesa em Mato Grosso do Sul recebeu nos dias 21 a 23 de novembro uma homenagem especial, a Expo Brookfield, uma mostra fotográfica do aclamado fotojornalista Roberto Higa, exposição de objetos orientais,sorteio de prêmios,oficinas de origami e apresentações culturais.

 

(foto: Silvio Mori)

(foto: Silvio Mori)

 

O evento promovido pela Brookfield Incorporações foi aberto na noite do dia 21, um dos destaques foi a apresentação do grupo ryukyu koku matsuri daiko, em evidência no cenário estadual pelas apresentações com tambores japoneses. Os instrumentos utilizados são famosos por melhorar a qualidade da saúde física e mental dos seus praticantes, por conta dos benefícios proporcionados pela harmonia em grupo nas apresentações.

Durante os três dias, os visitantes puderam conhecer um pouco mais das tradições e costumes, como o Origami, que também decorou o ambiente. Uma oficina de dobraduras proporcionou aos visitantes a oportunidade de aprender a arte da dobradura de papeis. Outro costume japonês, os chás, também foram oferecidos como degustação.

 

(foto: Silvio Mori)

(foto: Silvio Mori)

 

No domingo, foi a vez da apresentação do grupo Shinsei de Wadaiko. Com batidas fortes, o som dos tambores mais uma vez encantaram os visitantes.

 

(foto: Silvio Mori)

(foto: Silvio Mori)

 

Mostra –Os trabalhos de Higa destacaram o processo de imigração da colônia japonesa no estado e como isso influenciou os hábitos culturais do povo campo-grandense. “Consegui resgatar muitos momentos dos primeiros 50 anos da chegada dos japoneses à Campo Grande e fui em busca desse material com familiares, inclusive”, ressalta Higa, que, normalmente, costuma registrar por meio de suas lentes tudo o que ocorre dentro da colônia.

Quem visitou a exposição, pode conhecer as manifestações festivas da colônia, como a Undokai e as danças, além de conhecer as misturas de culturas. “Dá para notar a transformação inclusive da fisionomia do japonês de hoje, por conta da miscigenação”, destaca o fotojornalista.

(Silvio Mori, de Campo Grande)

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

105 ANOS DA IMIGRAÇÃO JAPONESA: Vereadores fazem h...   Em comemoração aos 105 anos da Imigração Japonesa no Brasil, os vereadores realizaram Sessão Solene para homenagear a comunidade japonesa na...
MARÍLIA: JAPAN FEST 2017 DEFINE DATA E ATRAÇÕES PA... Considerado um dos mais tradicionais e importantes eventos da comunidade nipo-brasileira em todo o país, em especial da região centro-oeste do Estado ...
JAPÃO: Casais brasileiros podem dar entrada de ped... Casais brasileiros que pretendem se separar no Japão podem dar entrada em processos de divórcio nos Consulados Brasileiros de Nagoya, Hamamatsu ou Tok...
CULTURA: Acompanhe o 1º dia do Okinawa Festival   Se depender do primeiro dia, a décima edição do Okinawa Festival tem tudo para superar as edições anteriores. Neste sábado (15), no Clube Es...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *