CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Entregador de compras | Sonhos de janeiro

canto-do-bacuri-chico

Entregador de compras

Omar chega devagar

Pede com delicadeza

“quero ajudar!”

Leva num carrinho compras

Leva num carrinho sonhos.

Omar é noite sem luar

Seus dentes brancos

Como asas de gaivota.

Sua pátria ficou longe

Além de todo Atlântico

Sua pátria é o Senegal.

Omar trabalha sem se cansar

Quando o cansaço chega

Não reclama

Tem saudades de sua terra

Não quer retornar.

Um irmão foi à Espanha

Outro à Alemanha

Omar quer trabalhar

Fala português mal

Omar fala francês

Mas não conhece Paris

Não importa

Omar tem o céu

Desta cidade imensa

Que o faz sonhar

Ele é sonho dos desterrados

O sono que não chega nunca.

 

 


 

 

Sonhos de janeiro

As manhãs de janeiro

As ruas quase desertas

Varredores de rua

Empurram carrinhos carregados

Detritos da cidade que ainda

Dorme.

O sono é demorado em

Janeiro

Pois os sonhos são mais

Longos

Deixem sonhar.

Em janeiro fazemos planos

Para o ano inteiro

Alguns que não se realizam

Mas por fazer

Desfazemos sonhos

Aqueles que repetimos

Por teimosia

Repetimos por repetir

Mas que agora se torna

Aventura passada

Não realizada

Janeiro se arrasta

Num chinelo novo

Incômodo até

Sem pressa alguma

Por avançar

Um passo mais que seja

Começa cansado.

 

 

FRANCISCO HANDA

FRANCISCO HANDA

chicohanda@yahoo.com.br
FRANCISCO HANDA

Últimos posts por FRANCISCO HANDA (exibir todos)

     

    Related Post

    CANTO DO BACURI > Mari Satake: A visita A visita   Ali costumava nada acontecer para alterar a rotina da casa. De manhã, as brigas costumeiras dos mais velhos na fila do banhe...
    BEM ESTAR: Desperdícios A providencia divina é infinita, não por isso devem desperdiçar, como que existisse fonte inesgotável de suprimentos. Mas falemos de uma coisa mais...
    AKIRA SAITO: MANTER AS PROMESSAS “O resultado só é alcançado com iniciativa, metas e muita perseverança”   O ano se inicia e com ele, a promessa de muita gente em realizar al...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Boa menina na t...   Havia na classe uma que se destacava, e não era de estranhar que esta fosse japonesa. Não era consolo para minha angústia: filho de japo...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *