CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Marginalizados | Olhos vislumbram | As paredes tão sujas

canto-do-bacuri-chico

 

Marginalizados

Penetro fundo nesta cidade

No fundo das almas despedaçadas

Que percorrem esquinas

Numa ânsia repentina

De esconder-se nas sombras.

Na ausência de um norte

Aos montes

Amontoados pelas esquinas

Um cheiro agridoce

Das epidermes em atrito

Fundem-se histórias malditas.

O coração maltratado

Não sente calor

Continua batendo

Em acelerado

Anoitecendo junto à tarde

E assim entrega os sentidos

Indefinidamente.

As estrelas faíscam

Nesse instante

Dentro do poço ardente.

 

 


 

 

Os olhos vislumbram

Das janelas infinitas

Em turbilhão de uma delas

Alguém espia

O movimento que logo

Se inicia.

O dióxido de carbono

Movimenta as membranas

Barbatanas de propulsão

A cidade desperta

De uma agitação interna

Que continua a perdurar

Por um dia todo

O dia se fez da noite

Em que a letargia constante

Há de perdurar

 

 


 

 

As paredes tão sujas

Preguiçosas são as ruas

Em que os vapores exalados

Pelas frinchas

Respiram em profundo

Esgotamento

Ausência de um amigo verdadeiro.

Por isso converso com

Paredes que revelam sentimentos

De um coração duro

Endurecido no tempo

Deste exato momento.

Os olhos deixaram de lado

Uma ternura

Antes tão acalentada

As palavras não são verdade

São nuvens se desfazendo

Mas é o que tenho

Na impossibilidade de dizer

Qualquer coisa que se mantenha

Por mais algum tempo.

 

 

FRANCISCO HANDA

FRANCISCO HANDA

chicohanda@yahoo.com.br
FRANCISCO HANDA

Últimos posts por FRANCISCO HANDA (exibir todos)

    Related Post

    SILVIO SANO > NIPÔNICA: A VEZ DE ISADORA KATAOKA   Como sabem os queridos leitores, baseado também em própria experiência, publiquei dois livros sobre o movimento dekassegui e escrevi artigos...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Minha Copa do sonho!!   Héim?! Como assim, se o caríssimo leitor sabe do quanto sou contra a realização da Copa do Mundo de Futebol em nosso país? E é verdade. Até ...
    HAICAI BRASILEIRO O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: O peso da balan... Foi uma época em que a Justiça tinha por símbolo a mulher com uma balança, com os olhos vendados. Portanto, a Justiça era cega. Servia para punir aque...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *