CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Tão breve foi | A morte do cão

canto-do-bacuri-chico

 

Tão breve foi

Meia vida se foi

No soprar de uma tormenta

Tão passageira

Como um papel se inflamando

A consumir-se por inteiro

Sem nada deixar

Senão cinzas.

O que passou

Não se detém mais.

As lembranças são sombras

Que surgem e desaparecem

Fantasmas insistentes

Em ficar.

 

 


 

 

A morte do cão

Um cão conduzia um cego

Um cego conduzia um cão

Onde o cão ia

Ia também o cego

O cão adoeceu

O cão foi-se.

Sem nenhum cão

O cego deixou de caminhar

O único amigo do cego

Era o cão

Nenhum outo cão

Haveria de tomar o lugar daquele

O cego nunca mais

Saiu de casa.

 

FRANCISCO HANDA

FRANCISCO HANDA

chicohanda@yahoo.com.br
FRANCISCO HANDA

Últimos posts por FRANCISCO HANDA (exibir todos)

    Related Post

    GATEBOL: 5º Torneio Gatebol Blue Tree Park Lins   Realizado no dia 6 e 7 de agosto, nas quadras do Resort. Participaram 22 times. Das cidades,um de Palmas(TO), 11 da Grande São Paulo e os re...
    ERIKA TAMURA: A IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO Eu, particularmente, sou uma admiradora de pessoas determinadas, e nunca escondi isso de ninguém. Mas confesso que como mãe, ver a determinação da...
    MEMAI: ENVIE UMA BALEIA DE ORIGAMI   Por Marília Kubota     Desde 2009, o grupo ambientalista Greenpeace criou uma campanha para protestar contra a caça à...
    SILVIO SANO: 2014, ano da Copa em ritmo de trote   Bom, na prática, esta é a primeira Nipônica do ano já que a de abertura foi escrita no ano passado, há 3 semanas, período longo demais a...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *