CANTO DO BACURI > Francisco Handa: A Eternidade | O mito e a submissão

canto-do-bacuri-chicoA eternidade

O que pode ser a morte

Senão uma esperança

De que o dia torne-se

Noite.

À noite repousamos

O corpo dilacerado

De uma batalha

Que há vencedores

Tão arrogantes

De uma certeza.

Os perdedores tão raivosos

De terem perdido.

A noite fechamos os olhos

Machucados de tanta luz

E no total silêncio

Ouvimos

O som do universo

Pulsando.

A morte é metáfora

Diante da eternidade

Tão distante da finitude

Humana

Uma bolha de vapor

A se espalhar

Na poeira cósmica.


O mito e a submissão

Os deuses criaram

Os homens

Que criaram o mundo.

Os homens criaram

Os deuses

Que criaram o mundo.

Os homens pensaram ser

Deuses

Que criaram a fé

Que criou a crença

Fruto de toda ilusão

Que dividiu

Que estava unido.

Em nome dos deuses

Se matam homens

Alguns dos deuses

Se acham melhores

Querem submissão

De seus criados

Os homens querem submissão

De outros homens

Que resignados cedem

Criou neste momento

A dominação.

 

FRANCISCO HANDA

FRANCISCO HANDA

chicohanda@yahoo.com.br
FRANCISCO HANDA

Últimos posts por FRANCISCO HANDA (exibir todos)

     

     

    Related Post

    JORGE NAGAO: Poemas     Delirium Temer   Ele acha que vai ficar até 2018. Parece que bebe e bebe sempre afoito. Temer  teme e treme...
    JORGE NAGAO: Vitória Brasil e #foratemer Vitória Brasil Passando o carnaval na Grande Rio Preto, fui convidado pelos sobrinhos Kamila e Marcio para conhecer um município muy espe...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: QUEM É CONTRA CICLOVIAS? Eu não!! E olha que há muitos anos não monto em uma bike e, até por isso, nem a tenho. E não sou só eu! Ou melhor, sou apenas unzinho dentre os qu...
    JORGE NAGAO: Receita para um golpe Temeroso e Fui!   Receita para um golpe Temeroso   Ingredientes 1 pedido de impeachment comprado por R$45 mil pelo partido 45. 1 congress...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *