CANTO DO BACURI > Mari Satake: De volta à barbárie?

Carnaval, ainda não chegou, mas o gestor, já cumpriu uma de suas promessas. Deu de presente na data em que se comemora o aniversário da cidade. Aumentou a velocidade máxima permitida nas marginais. Já sabemos, nos primeiros dias, houve um sensível aumento no número de acidentes. Quer ver os números? Não, não dá. Caso queira acompanhar as estatísticas, você terá que se valer de alguma outra forma, diferente daquela da companhia que deveria oficialmente cuidar disso.

Quer sair do âmbito da cidade que habita? Vá lá para cima. Praia, sol, gente falando com aquele sotaque cadenciado te convidando para a doce indolência que você se permite de vez em quando. Norte ou Nordeste? Pensando bem, é melhor não. De repente, você pode se ver em meio a um tiroteio, um arrastão, um corre-corre e sem conhecer direito a cidade e as pessoas, você pode passar por maus bocados. A esta altura da vida, melhor não. Interior do estado, então? Dependendo da cidade, pode ser uma boa opção. Mas, se for se utilizar das rodovias, muito cuidado ao sair e chegar. Não seja um número a mais para as estatísticas que não se revelam.

Isso. Fique na cidade, fique em sua casa. Mas, cuidado! Não confie muito nas mensagens que recebe. Por exemplo, não pense que é verdadeira, por ser mensagem emitida no caixa eletrônico do banco de sua conta corrente, pode ser uma fraude. Cheque, antes de tomar qualquer atitude. Ao ligar a televisão, não acredite piamente nas inúmeras coisas que são ditas, principalmente, nos noticiários dos grandes veículos. Fique atento, fique esperto. Quando o usurpador e sua trupe escravagista se apresentarem ouça com muita atenção e em seguida, analise tudo que foi dito, vá fundo e pesquise. Você se dará conta. Estão subestimando a sua inteligência e honestidade. Resista. Você não estudou e trabalhou honestamente a vida toda para ser transformado num boneco qualquer e obedecer à trupe malévola.

Resista. Informe-se. Mexa-se.

Não deixe que a barbárie, definitivamente se instale.

 

MARI SATAKE

MARI SATAKE

marisatake@yahoo.com.br
MARI SATAKE

Últimos posts por MARI SATAKE (exibir todos)

    Related Post

    JORGE NAGAO: Folhinha do Fiado   Fiado, o que é isso? Hoje compra-se com cartão de crédito que é o moderno fiado. Ai de você se não pagar ou pagar parcialmente suas dívi...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: Vestes esvoaçantes Naquela movimentada rua tem uma construção bem diferente dos padrões habituais. Fica dentro de uma grade alta. O enorme portão principal raramente é a...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa Os outros e os outros Estes habitantes das esquinas Suas roupas de flagelo Açoitadas pelo vento Apenas vivem à margem Das vias expressas! Ma...
    SILVIO SANO: FELIZ ANO NOVO… AGORA, VAI?!   O querido leitor não imagina o quão sacrificante é escrever artigos rigorosamente periódicos. Não, não estou já arranjando desculpa apro...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *