CANTO DO BACURI > Mari Satake: Final de Ano

Mais um mês de dezembro. E a primeira quinzena se esgota. Os pequenos afazeres se avolumam. As arrumações de final de ano, a triagem das coisas que não são necessárias aqui, mas que podem ser úteis em outros lugares, os papéis acumulados na mesa de trabalho. Outra vez. Os papéis e livros se amontoam. É preciso empenho para dar conta das arrumações necessárias. Será sempre assim?

Ela sorri. Não. Não é hora de reclamar que fez tudo errado. E se dá conta. Não fez errado, só foi um pouco negligente com as pequenas arrumações do dia a dia nas últimas semanas. Teve lá as suas razões e, pensando bem, amanhã mesmo, tudo poderá estar arrumado e organizado.

Vamos lá! Mãos às obras. E nada de reclamações.

Natal está chegando, as crianças estão por aí, às nossas voltas. Esperando. Pela esperança das crianças, façamos o melhor para deixarmos estes últimos dias do ano, com um gosto melhor. Pelo menos no nosso meio familiar e relacional.

Todos sabemos. No país, o ano foi ruim, medíocre. Um ano governado pelas mesquinharias e falta de inteligência dos donos do poder. Pelo andar das coisas, ano que vem as coisas podem piorar. Ou não. Mas, mantenhamos uma leve esperança que possa não ser tão ruim como foi 2017.

E 2018 será o ano do Cão da Terra. O que nos aguardará o ano do Cão? Aguardemos!

Por enquanto, fiquemos por aqui, cuidando para que a harmonia se faça presente em nossas vidas. Tenham todos, boas e felizes festas! Mantenhamos a esperança de que dias melhores virão. Mãos em prece!

 

MARI SATAKE

MARI SATAKE

marisatake@yahoo.com.br
MARI SATAKE

Últimos posts por MARI SATAKE (exibir todos)

     

    Related Post

    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Entardecer em o... Entardecer em outono Outono vai morrendo No fundo Mais profundo do poço Em que nenhuma luz Consegue entrar Os medos habitam Este lugar As ...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: 8 de março, Dia da ... A menina chega toda de lilás, pergunto a ela por que escolheu se vestir assim e ela me indaga: - mas você não sabe? A mãe intervém. Diz que ontem enqu...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: As sombras do m...   Certa vez li de Carl Gustav Jung, aquele da psicologia analítica, de que para entender a mente humana e seus dilemas, ao invés de recorr...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Passagem dos di...    Passagem dos dias   Um gosto de sal na boca Do sol que reina na pele Milhares de raios Infiltrando-se na carne Cada ve...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *