CANTO DO BACURI: O sacrifício do outro | O jogo da derrota | Os olhos de fogo | As bocas de lobo

canto-do-bacuri-chicoO sacrifício do outro

Os deuses antigos exigiam

Sacrifícios

Um deles achou-se melhor

Pediu em sacrifício

Todos os outros

Quem cultuasse um outro

Seria sacrificado

Em holocausto.

As bruxas caçadas

Arderam em chamas públicas

Em nome da ordem.

Estes tempos perduraram

Aos dias de hoje.

Hoje será o outro

Amanhã serei eu.

 

 


 

 

O jogo da derrota

Os que querem ganhar

Neste mundo em que ganhar

Tornou-se condição

Perder é condição

De sofrimento.

Todo ganho acompanha

O medo de perder

Mas os perdedores não temerão

Mais a angústia de ter perdido

Como no jogo de xadrez

Depois da derrota

Nada mudou no mundo

Depois da vitória

Nada mudou no mundo

Sobrando apenas uma frustração

Nos vitoriosos

Um alívio nos perdedores.

 

 


 

 

Os olhos de fogo

As palavras mais confundem

Pois palavra alguma diz

Em plenitude o que poderia

Dizer.

Cessar as palavras

E acender os olhos

Que ao cruzar com outros olhos

Pudesse dizer

Algo a mais

Que nenhuma palavra

Conseguisse dizer.

 

 


 

 

As bocas de lobo

Estou farto das abstrações

Que nada mais produzem

Do que um universo irreal

Pousado num barco de papel

A flutuar numa correnteza

A conduzir nas bocas de lobo.

 

 

FRANCISCO HANDA

FRANCISCO HANDA

chicohanda@yahoo.com.br
FRANCISCO HANDA

Últimos posts por FRANCISCO HANDA (exibir todos)

     

     

    Related Post

    JORGE NAGAO: Chega de Bagunça! Marie Kondo, autora do best-seller " A Mágica da Arrumação".   Acumular é o cúmulo! Todo mundo conhece algum acumulador maluco (pleonasmo?...
    ERIKA TAMURA: 106 anos da imigração japonesa no Br...   Dia 16 de junho, participei de uma sessão solene na Câmara Municipal de São Paulo, onde se deu a homenagem comemorativa dos 106 anos de imig...
    HAICAI BRASILEIRO   O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Ma...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Sem qualquer ar... Sem qualquer arrependimento   Que sensação é esta em que O tempo do agora não clama por saudade Nem a idade que marca na pele Uma cor cinza d...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *