CINEMA: NESTE SÁBADO, CINEMATECA APRESENTA CLÁSSICO DE OZU COM TRADICIONAL NARRAÇÃO DE BENSHI

A Cinemateca Brasileira promove, neste sábado (10), a partir das 20 horas, uma sessão especial do filme O coral de Tóquio, de Yasujiro Ozu, com narração da benshi Angela Nagai.

 

Cena de O Coral de Tóquio, que será exibido na Cinemateca

Cena de O Coral de Tóquio, que será exibido na Cinemateca

 

No Japão, a figura do benshi era uma tradição nas exibições de filmes durante o período silencioso do cinema, narrando a película durante a sessão.

O evento acontece na Sala Cinemateca BNDES com entrada gratuita. Os ingressos serão distribuídos uma hora antes da sessão, na bilheteria do local.

Mais informações sobre este e outros eventos da Cinemateca estão disponíveis em http://cinemateca.gov.br/calendario/mes/2016-12

 

O coral de Tóquio (Tokyo no gassho) – Japão, 1931, 35mm, pb, 90’ | exibição em arquivo digital

Com: Tokihiko Okada, Emiko Yagumo, Hideo Sugawara, Hideko Takamine, Tatsuo Saito, Choko Iida

O filme narra a história de um pai de família que é despedido da companhia de seguros onde trabalhava. A demissão ocorre por ter enfrentado seu chefe e apoiar um colega que havia sido despedido por já ter idade avançada. Em crise econômica, a família do jovem deverá moldar-se às dificuldades da sua nova situação.

 

Angela Nagai – Bailarina e pesquisadora, Angela Nagai é mestra em artes pela Unicamp. Foi bolsista do programa Fellowship da Fundação Japão no International Noh Institute, em Quioto, no Japão, com o mestre Udaka Michishigue, desenvolvendo pesquisas de dança do Teatro Nô. Em 2005, estreou como benshi na mostra O Cinema Silencioso Japonês, no Centro Cultural São Paulo, com o filme A feiticeira das águas/Taki no shiraito (1933), de Kenji Mizoguchi.

 

Yasujiro Ozu – Nascido em Tóquio, em 1903, Yasujiro Ozu teve uma infância rebelde. Chegou a fugir da escola para assistir Chaplin, Pearl White e William S. Hart. O interesse pelo cinema o levou, ainda jovem, a iniciar a carreira escrevendo para benshi, ainda na época do cinema mudo.

Espada da penitência (Zange no yaiba), de 1927, foi o primeiro de uma longa série interrompida durante a guerra. Em 1937, recrutado e enviado para a China, manteve contato com o Japão enviando cartas ao jornal Asahi Shimbun.

Em 1941, O irmão da família toda (Toda-ke no kyodai) recebeu o Prêmio de Melhor Filme na votação anual da revista Kinema Jumpo. Consagrado, foi enviado a Singapura onde permaneceu de 1943 a 1945, tendo a oportunidade de assistir filmes americanos proibidos no Japão, como Cidadão Kane ou E o vento levou.

Com o fim da guerra, Ozu não apenas retornou ao Japão, mas também viu confirmada a estabilidade de sua posição na indústria cinematográfica. Recebeu, daí por diante, uma série de prêmios, incluindo os do Ministério da Educação, do Imperador e, por três anos consecutivos, agraciado pela Sociedade Nacional dos Artistas. Em 1959, foi o primeiro diretor eleito para a Academia Nacional de Arte.

Seu último filme, A Rotina tem seu encanto (Sanma no aji), veio em 1962, um ano antes de sua morte.

Embora inicialmente sua obra tenha sido considerada ‘muito oriental’ para exportação, pouco a pouco o olhar da crítica e público se abriu, até ser finalmente consagrado mundialmente. Hoje, seu nome é frequentemente citado junto aos melhores diretores de todos os tempos.

 


 

‘O coral de Tóquio’, de Yasujiro Ozu, com narração da benshi Angela Nagai

Data: 10 de dezembro

Horário: 20 horas

Local: Sala Cinemateca BNDES (210 lugares)

Endereço: Largo Senador Raul Cardoso, 207, Vila Clementino, São Paulo

Classificação: Livre

Ingressos: gratuitos

Ingressos serão distribuídos uma hora antes da sessão, na bilheteria

Related Post

SOCIAL: A Cia Fujima de Dança Kabuki FUJIMA – A Cia Fujima de Dança Kabuki realizou no último dia 8, nas dependências da Associação Osaka Naniwa-Kai, na zona Sul de São Paulo, o Odorizome...
LINS: Mostra fotográfica marca início das festivid... No último dia 16, a cidade de Lins (SP) deu início às comemorações do Centenário da Imigração Japonesa. O objetivo da Comissão Organizadora, presidida...
LITERATURA: Estação Liberdade lança romance de 190...   Depois de Eu sou um gato e E depois, a Editora Estação Liberdade lança o terceiro livro de Natsume Soseki (1867-1916), até hoje um dos escri...
CINEMA: Os atores japoneses Hiroyuki Sanada, Kou S...   Aos amantes da cultura japonesa e aos cinéfilos de plantão, estréia prevista para 31 de janeiro, nos cinemas paulistanos o filme “47 Ronin”,...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *