ERIKA TAMURA: Hakodate

 

Estamos em pleno feriado de Finados no Japão, eu e a maioria dos brasileiros vamos folgar 10 dias.

Aproveitei o feriado para viajar, mas fugi do agito óbvio de praia e piscinas e decidi conhecer o norte do Japão. Mais precisamente Hokkaido.

Fui de carro ate Aomori, peguei um navio com destino à Hakodate na província de Hokaido, uma viagem longa e cansativa, mas essa foi a melhor oportunidade que encontrei para visitar o norte do Japão, pois daqui para frente a tendência é que se esfrie cada vez mais, e o mês de dezembro torna-se impossível devido às neves e à baixa temperatura.

Hakodate vive economicamente da pesca maritima e do turismo, por ser uma cidade litorânea e próxima ao mar da Rússia, o local é propício para a pesca do salmão. E isso fica visível andando pelas ruas da cidade.

Visitei a montanha Hakodate, e do ponto mais alto da cidade tive o privilégio de ter uma vista belíssima, com toda a cidade aos pés e a certeza de estar em uma ilha mesmo, pois é possível vislumbrar todo o mar em volta.

O acesso aos pontos turísticos da cidade se dá utilizando o bondinho, que também é uma atração à parte.

Voltando do monte Hakodate, fui a um onsen, ou seja, aqueles banhos comunitários conhecido como ofurô. Confesso que me sinto estranha ali dentro, um hotel lindo, luxuoso, com ambiente separado para homens e mulheres. As japonesas que sempre são tão recatadas, andam super à vontade sem roupas, dentro do onsen, no ambiente feminino, ninguém tem vergonha de nada, no mínimo estranho.

Estou escrevendo esse artigo de dentro do navio que me leva de Hakodate, em Hokaido de volta à Aomori, outra província do norte do Japão, e onde deixei meu carro estacionado.

Já estive uma vez em Aomori, e escrevi um artigo contando sobre as peculiaridades da cidade.

O que me chamou muita atenção aqui em Hakodate é que a maioria das casas possuem uma barreira na porta de entrada, acredito que seja por causa da neve, pois durante o inverno aqui neva muito e a entada das casas ficam obstruídas com o acúmulo de neve.

Conversei com alguns moradores da cidade, eles se assustam quando eu digo que sou brasileira, pois dizem que a minha aparência é de japonesa, e ficam curiosos porque sei o idioma e sou estrangeira.

Enfim, um povo muito hospitaleiro, uma cultura rica, com peculiariedades próprias. Mas o mais interessante é esse fácil acesso à internet, essa comodidade tecnólogica faz do Japão um país único e especial, além da educação do povo, o respeito, vemos claramente a cultura tracional japonesa aliada à modernidade, e os dois caminhando lado a lado, sem maiores conflitos. Essa característica eu percebo não só em Hokkaido, mas em qualquer lugar do Japão, onde o respeito se fazem presente no cotidiano da população.

Gostei muito de Hakodate, em todos os lugares que fui, sempre fui muito bem atendida, todos muito atenciosos, e hoje posso dizer seguramente que viajo tranquila pelo Japão, sem nenhuma grande barreira, e isso faz de mim um ser humano melhor, pois cultura e sabedoria, são as únicas coisas que carregamos conosco para sempre e isso ninguém nos tira, podem me roubar tudo, até mesmo os meus sonhos, mas o que eu já vivenciei e o que aprendi, isso sim posso dizer que é só meu.

 


*Erika Tamura nasceu em Araçatuba (SP) e há 14 anos reside no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

BEM ESTAR: Vamos desacumular ? Olá , como vai você ? Hoje vamos abordar um assunto extremamente profundo , mas ao mesmo tempo simples . Vivemos hoje , uma realidade de crise , ins...
BEM ESTAR: “É tão bom… eu me odeio por isso ...     A Partida (Okuribito) é o filme de Yōjirō Takita que ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2009. Segundo o crítico ...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: O nome próprio       Dias atrás fui assistir a um debate. A proposta era que cada um dos três debatedores convidados falasse sobre o seu ...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Sumô Devo estar ficando velho. Até há poucos anos, gozava os colegas que assistiam a essa luta. Agora, estou gostando e torcendo. E perco umas horas por se...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *