ERIKA TAMURA: Hiroyuki Tamura é homenageado em Bauru

 

Dia 14 de julho, aconteceu um fato indescritível comigo, mas apenas agora estou tendo a calma de assimilação para poder escrever o que aconteceu.

O meu pai, Hiroyuki Tamura, araçatubense, foi honrosamente homenageado na cidade de Bauru. Quando jovem, meu pai morou em Bauru, e lá ensinou judô para um grupo de meninos. Esses meninos que hoje são homens formados e bem sucedidos, não só profissionalmente, mas do ponto de vista humano. Localizaram o meu pai e fizeram o convite para que comparecesse no encontro da turma que acontece anualmente.

 

Hiroyuki Tamura, pai de Erika Tamura, foi homenageado no último dia 14 em Araçatuba (Foto: arquivo pessoal)

 

Quando soube da notícia, confesso que chorei a noite toda de emoção e a única coisa que consegui fazer foi agradecer a Deus por tudo isso.

E assim, no dia 14 de julho, num sábado, o meu pai, acompanhado de Marco Serelepe, narrador da Rádio Bandeirantes AM de Araçatuba, seguiram para a homenagem.

Na verdade o significado daquela homenagem para o meu pai, deveria ser o de menos, porque o que importa mesmo é que se passaram cerca de 40 anos, e a admiração que aqueles judocas sentiam pelo sensei, o mestre deles , ainda permanecia nos olhos de cada um.

Eu, infelizmente não estava presente fisicamente, mas estava com o coração, sentimentalmente estava lá, e pelas fotos pude sentir toda a emoção que envolvia o momento.

E como filha, o sentimento de orgulho é latente, mas o que achei mais interessante é que envolve o judô. Uma modalidade esportiva, que mais do que um esporte é uma filosofia de vida. E até hoje, com as olímpiadas acontecendo, o judô ainda é um esporte que proporciona grandes alegrias.

Quando eu era criança, tinha muita vontade em treinar judô, mas naquela época, para a minha decepção, não tinha nenhuma menina praticando o esporte. Mas o meu pai, passou a me ensinar em casa, e desde muito nova convivi com as frases filosóficas do judô, que na época eu pouco entendia, mas que na vida adulta fez a diferença para que eu superasse cada dificuldade que encontrei na minha vida. Meu pai me ensinou que a primeira coisa que eu teria que aprender era, aprender a cair. A segunda coisa, aprender a levantar, e a terceira, enfrentar o adversário.

Essas palavras encaixaram na minha vida como uma luva, e sempre que eu me encontrava desanimada, lembrava de tudo isso. E pensava: “Vai Erika! A queda não te fez mal, levanta que agora você está mais fortalecida!”

Um dos alunos do meu pai, chama-se Sadamitsu Nakandakari, médico em Bauru, na época era o garoto de ouro do meu pai. E entrei em contato com dr. Sadamitsu, e ele me relatou toda a sua admiração pelo meu pai, citando inclusive frases que ele ouviu do meu pai quando era criança e que até hoje ele utiliza na sua vida.

Achei um texto lindo que descreve exatamente tudo o que sinto neste momento, o texto de autoria de Pablo Neruda, que diz assim:

“Ser pai é promover os valores que lhe é possível praticar, para que os filhos os sigam de forma segura; é ter a coragem de se mostrar falível, para os filhos entenderem que não importa perder batalhas, desde que se tenha certeza da vitória; é usar a sabedoria com autoridade nos momentos de incertezas, para os filhos desejarem profundamente saber sempre mais; e também usar a experiência apenas como uma fonte de consulta, para os filhos entenderem o que é o amor; ser pai é ter uma razão para viver quando todas as outras parecem desvanecer, ser pai é educar para a vida… ser pai é conduzir seu filho a mergulhar de cabeça nos sonhos que ele acredita.”

E que todas as homenagens e lembranças de cada momento especial, sejam bem vindas!!!

 

 

*Erika Tamura nasceu em Araçatuba (SP) e há 14 anos reside no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

BEM ESTAR: Wabi-Sabi   Wabi Sabi Representa uma visão abrangente do mundo japonês, de uma estética centrada na aceitação da transitoriedade e da imperfeição. Esta ...
JORGE NAGAO: Salve, Borges! – diz Augusto!   Sábado à tarde, saí da Fundação Japão e fui à casa vizinha, a Casa das Rosas. Lá estava o festejado poeta e tradutor Augusto de Campos a...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: E a Vida Continua   Neste último mês do ano, a morte tem-me deixado um tanto perturbado. Três pessoas bem chegadas, só em dezembro. Duas no mesmo dia. Duas fora...
MEMAI: ESPÍRITO – O BUDISMO TENDAI – DAS RAMIFICAÇ... Por Sandro Vasconcelos   Depois da morte de Buda em meados de 500 AC, divergências entres os primeiros Budistas começaram a acontecer; ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *