ERIKA TAMURA: Keirô no hi (Dia do Respeito ao Idoso)

 

Dia 17 de setembro, segunda feira, foi feriado no Japão em razão ao dia do respeito ao idoso. Na verdade na terceira segunda feira do mês de setembro, que esse ano foi o dia 17.

O Japão é um dos países com o maior número de idosos no mundo, e nada mais justo ter uma data para celebrar e dignificar o respeito aos mais velhos.

A inclusão desta data como feriado nacional surgiu em 1947, quando uma pequena aldeia em Hyogo resolveu oficializar a data, como forma de respeito e valorização aos idosos japoneses, que sempre contribuíram para o País com sua sabedoria e seu trabalho.

Mas acredito que o Japão já demonstra respeito aos mais velhos no seu cotidiano, e na minha opinião acho que nem precisaria de uma dia para comemorar isso, mas é claro que admiro e acho muito digno, um país respeitar seus ancestrais e ainda manter vivo esse respeito e passar essa conscientização para os seus descendentes.

Sinceramente, eu me entristeço quando me lembro do Brasil nesse aspecto, quando vivi no Brasil, eu me lembro das filas enormes nos bancos onde os idosos tinham que se submeter para poder receber suas aposentadorias, mesmo com a inclusão de filas preferenciais, isso nunca mudou, pois o uso correto dessas filas dificilmente foram respeitadas.

A saúde pública é um assunto a parte, pois falar desse assunto aqui renderia páginas e mais páginas do jornal, e não conseguiria descrever o que sinto com tamanho descaso.

E quando vou aos hospitais aqui no Japão, geralmente a maioria dos pacientes é composta por uma população idosa, e com atendimento excelente, medicos e enfermeiros muito educados e dispostos a tartar com dignidade a todos.

E em qualquer lugar que eu vou, eu percebo essa estruturação e respeito em relação aos idosos, um respeito tão grande que muitas vezes a vontade deles é a que prevalece, pois culturalmente os japoneses têm a tradição de cultuar o passado e respeitar à risca o que os mais velhos dizem. Isso é muito comum, pois até mesmo dentro das empresas preza-se pela hierarquia dentro dos cargos e comandos administrativos.

Eu sou brasileira, de coração e de alma, mas confesso que tenho medo de um dia envelhecer no Brasil. Envelhecer no Japão me parece mais digno, mais humano e muito mais distinto. Mas depois penso no meu avô, que vive muito bem no Brasil e não troca o Brasil por nada nesse mundo, nem mesmo pelo Japão, apesar de ter nascido no Japão. Portanto cheguei a conclusão que há essa dualidade de valores, e que tudo depende do ponto de vista de cada um, pois é muito subjetivo e pessoal, onde a palavra de ordem é adaptação.

Tudo é uma questão de adaptação das pessoas ao meio onde se vive. Admiro o povo japonês pela forma como respeita e cultua o seu passado e antepassados, gostaria que o Brasil adotasse algumas medidas parecidas com as que existe aqui no Japão e que poderia facilitar a vida dos idosos no Brasil, mas sei da dificuldade do povo brasileiro absorver cada ideia de mudança, pois no caso está mais relacionado com o lado cultural educacional, do que com o lado jurídico, onde a obrigatoriedade na adoção de uma lei seria a solução a curto prazo para modificar algumas atitudes, quando na verdade não é isso, pois primeiramente teríamos que trabalhar a educação de um povo fazendo-o entender a importância em respeitar os idosos. Pois quando aprimora-se a educação e a cultura de um povo não há a necessidade de se criar leis para import al respeito.

E são essas diferenças que percebo no dia a dia que faz com que eu admire mais o povo japonês, e aumente a minha vontade de ajudar o Brasil a melhorar e evoluir em aspectos humanos.

 

 
*Erika Tamura nasceu em Araçatuba e há 14 anos reside no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

KARAOKÊ: Associação Atlética Atlanta de Santos apr...   Apesar de a Associação Atlética Atlanta de Santos ter 64 anos de fundação, o concurso de karaokê em parceria com o Okinawa Kenjinkai de Sant...
AKIRA SAITO: FAÇA O QUE EU FAÇO, NÃO FAÇA O QUE EU... “Um bom exemplo vale mais do que mil palavras”   Nos dias de hoje, o que podemos notar é que a teoria tem um grande poder por meio de “especi...
JORGE NAGAO: Taka#SomosTodosSumô   - O que é o Sumô? – perguntou a professora. - É uma luta entre dois gordões de fraldões- respondeu uma aluna. Resposta certa? Em p...
JORGE NAGAO: Um nihondim em BH e Inhotim BH A  caravana Damas&Valetes  (Leonel, Marcílio/Mônica, Marilena e eu – Maria Balé, dodói, e Vivina, em compromisso familiar, não puderam ir) f...

One Comment

  1. Imagino como os idosos devem ser tratados no Japão. Vejo pela forma que tratamos nossos entes queridos na comunidade. Todo ano, aqui no Rio, a Renmei realiza o Keirookai: este ano teve o apoio da Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Rio de Janeiro e da Associação Nikkei do Rio de Janeiro. Para alegria nossa, o JORNAL NIPPAK publicou a homenagem na página 5 da edição de 27 de setembro a 3 de outubro de 2012!!! Grande abraço carinhooso, querida Erika Tamura!!!

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *