ERIKA TAMURA: Vida S.A.

No final do ano passado, fui convidada para escrever um artigo na revista Ideias em Gestão, da Faculdade AIEC.

Uma honra para mim! Afinal as páginas da revista conta com empresários bem sucedidos, pessoas altamente graduadas e com níveis intelectuais muito acima dos meus.

O editor chefe da revista pediu-me um artigo enfatizando a gestão de negócios. Senti-me um pouco perdida, pois gerir um negócio e prosperar nele é o meu objetivo, e a minha experiência nesse ramo é muito escassa ainda. Foi quando tive a ideia em escrever sobre a minha vida como se ela fosse uma empresa e nessa gestão ninguém melhor do que eu para saber dela.

Escrevi sobre grande parte da minha vida aqui no Japão, onde continuo até hoje apesar das dificuldades enfrentadas. Mas qual é a empresa que nunca passou por dificuldades, não é?

Para manter-me no mercado precisei atualizar-me, adaptar-me e estudar muito, tal qual uma empresa que busca especializações e certificações para manter-se dentro do mercado de atuação.

Concorrências existem sim, mas consegui supera-las com dedicação e perseverança.

Pensei em desistir várias vezes, a cada obstáculo é claro que o primeiro pensamento é de que não vou aguentar, mas pensava sempre no meus avós, que fizeram o caminho inverso do meu e foram ao Brasil para viver e sobressaíram-se muito bem, aliás nunca vi o meu avô materno triste, nunca vi ele bravo, desanimado, muito pelo contrário, sempre lembro dele sorrindo, feliz e muito animado. E foi pensando nisso que consegui suprir toda a minha fraqueza e continuar na luta.

Durante o artigo na revista, ressaltei o acirrado mercado de trabalho hoje em dia, independentemente de ser no Brasil ou no Japão, em qualquer lugar do mundo, a competitividade possui velocidade vertiginosa e olhando pelo lado positivo, a competitividade obriga as pessoas se especializarem mais. Ou seja quem não estiver preparado está fora do mercado de trabalho. Hoje em dia a qualificação tem valor segmentado. E pela visão administrativa, as empresas também tem a necessidade de agirem da mesma forma. Só se mantem a empresa que estiver melhor preparada e com um significante nível de qualificação.

Recebi várias mensagens elogiando o artigo da revista, e a maioria vem de pessoas com uma formação de alto nível, e isso me deixou muito feliz. E mais, são esses incentivos que fazem de mim uma pessoa melhor e que me ajudam a manter o foco e nunca pensar em desistir. No olhar de uma empresa, seria como um processo motivacional, que hoje em dia está muito em alta, fala-se demais sobre isso, mas poucas empresas adotam essa política motivacional, o que é uma pena, pois isso funciona como a lei da atração. A empresa atrai aquilo que ela cativa de verdade.

Parece uma frase tirada do livro “O pequeno príncipe”, mas é a pura verdade.

A gestão de negócios atualmente está muito mais voltada na motivação do funcionário do que na expansão unicamente da empresa, os gestores mais modernos sabem que quando a empresa motiva o funcionário a tomar decisões dentro do trabalho e assim pensar na empresa como se fosse um dos donos, cria-se uma forma de comprometimento do funcionário para com a empresa, e isso faz com que a empresa cresça e expanda seus poderes dentro do mercado de atuação, fazendo com que haja um fortalecimento diante da concorrência.

Exatamente como pensei, tudo o que os gestores usam para administrar uma empresa, todos podem usar para gerir a própria vida, pensando como gestores de uma empresa chamada MINHA VIDA!

O link para quem quiser ler o artigo completo na revista é esse:

http://www.aiec.br/revistaaiec/

 

*Erika Tamura é natural de Araçatuba e há 14 anos reside no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

NIPPAK PESCA: INTRODUÇÃO A TENKARA BR Considerando o uso milenar da técnica tenkara e o recente sucesso nos Estados Unidos, rodbuilders brasileiros criaram a TenkaraBr, para desenvolver o ...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Final de Ano Mais um mês de dezembro. E a primeira quinzena se esgota. Os pequenos afazeres se avolumam. As arrumações de final de ano, a triagem das coisas que nã...
JORGE NAGAO: Automaníaco, eu? O ano era 1998. O BB não dava reajuste salarial nenhum desde o PDV, 1995. O maior Banco do Brasil não fazia propaganda de nenhum produto. Apenas pat...
SILVIO SANO: 2014, ano da Copa em ritmo de trote   Bom, na prática, esta é a primeira Nipônica do ano já que a de abertura foi escrita no ano passado, há 3 semanas, período longo demais a...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *