JORGE NAGAO: Admirável Zé Ramalho

Zé Ramalho, cantor e compositor, em 1987, trocou a sua vitoriosa carreira, pela  carreira do pozinho branco. Nordestino adora farinha mas esta outra “farinha” dá tanto prazer que enlouquece o usuário. Quatro anos cheirando a farinha do capeta levou-o ao fundo do poço. Ele relatou o seu drama ao site Terra.

“Ficava em casa cheirando direto, eram horas sem dormir, virava noites bebendo, fumando e ouvindo música. Não fazia mais nada. Para muitas pessoas eu já tinha encerrado a carreira. Cheguei a um ponto que parei e disse ‘não vim de tão longe pra terminar minha vida desse jeito’. Estava perto do grande abismo, da morte. Podia ter uma síncope cardíaca no meio dessas farras. Continuava a fazer shows, mas eram pelo interior do País, porque estava fora da mídia, sem gravar. Aí vieram duas turnês para os Estados Unidos, em 1990 e 1991. Essas viagens foram importantes porque nesses dois anos comecei a querer desplugar o canal com esse negócio”.

Conhecido por sua rebeldia, num raro momento de lucidez, Zé Ramalho se rebelou contra o  próprio corpo:

– Basta! Você não manda mais em mim.

“Sobreveio um período doloroso. A abstinência causa uma reação orgânica, aparecem furúnculos na pele. Os anticorpos começam a agir porque o sangue intoxicado de anos não recebe mais a coisa. Fiquei nessa algumas semanas, até que um dia aconteceu de eu acordar sem sentir dores, e pela primeira vez percebi os bem-te-vis do Leblon cantando pela janela. Senti que ali estava resolvida essa história. Nunca mais voltei”.

Derrotando o vício, este respeitado artista se reinventou e voltou a gravar e tocar a sua carreira, deixando a outra, com mais sucesso ainda.

Quando a sua vida empacar, estagnar, por causa de um mau hábito ou vício, siga o exemplo  do rebelde Zé Ramalho, mostre ao seu corpo, quem manda: você ou ele? Isso decidirá a sua vida e a sua carreira.

Sutilmente, o corpo pede ao seu dono: – o que custa experimentar um cigarro, uma cerveja ou uma “farinha”?  Ao ceder na primeira vez, desfrutando um prazer novo, o corpo, este ditador, já não pede mais, exige, se impõe. Submisso você o obedece enquanto a sua saúde física ou financeira desanda. Sem falar na sua carreira profissional que declina com a sua desmotivação até ficar sem qualquer perspectiva.

Na próxima vez que o seu corpitcho lhe pedir/exigir  um whisky on the rocks, caubói, dê um gelo nele. Dê uma de desentendido. Ignore-o. Deixe-o esperar. Irritado, ele gritará com você. Desta vez, atenda-o mas mostre que você não é mais escravo dele. Pronto, você começou a virar o jogo.

Noutro dia, ele virá menos arrogante.

– Me vê um whisky duplo!

-Vamos devagar, amigo. Duplo, não. Dose normal, ok?

-Tudo bem, ele concordará, beberá tudo num gole de uma vez e pedirá outra.

Então, você lhe mostrará um bafômetro e pedirá pra ele assoprar.

– Que história é essa? Não estou dirigindo- reclamará ele, indignado.

– Não é porque você não pode destruir o seu auto que você pode se autodestruir. E a sua vida?;  você não a dirige mais? Seu corpo está sob nova direção, o copo?

– Pega leve, ô meu! Só estou ansioso, estressado.

– É o seguinte, não sou mais o seu garçom, não tenho mais essa “obrigarção”.

– Basta! Você não manda mais em mim – você imitará Zé Ramalho.

Não fosse, Zé Ramalho, como todo bom nordestino, um forte, poderíamos estar lembrando, hoje, os vinte anos de sua passagem para o outro lado. Como aconteceu, por exemplo, com Raul Seixas, que leva às lágrimas os fãs, no cinema, quando veem o documentário “Raul Seixas, o início, o fim, e o meio”. E tantos outros ídolos, cantores ou jogadores de futebol, que abreviaram as suas carreiras por causa de outra carreira ou do álcool.

Se você está numa sinuca de bico, por causa do seu vício,  tem duas opções agir como Raul Seixas ou como Zé Ramalho. Raul virou mito, mas perdeu para as drogas. Zé Ramalho, artista único, sobreviveu e toca (Raul não toca mais) a sua carreira.  A escolha é sua. Você decide.

 

*Jorge Nagao é colunista do site Primeiro Programa (www.primeiroprograma.com.br). E-mail: jlcnagao@uol.com.br

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *