SILVIO SANO: Ainda uma longa estrada…

Qualquer saída do lugar em que se nasce, seja como for, sempre é valiosíssima porque, no mínimo, contribui para o engrandecimento pessoal, mesmo que não consumada da forma planejada originalmente. Isso, porque a simples convivência com novas formas de pensar, o confronto com culturas e comportamentos diferentes, leva-nos a um processo de associações e comparações com tudo o que aprendemos até então. O problema fica por conta do retorno quando, empolgados com as novidades, passamos a querer adotá-las, pura e simplesmente, na terra natal.

A razão dessa introdução é devido às recentes discussões sobre o aproveitamento do lixo reciclável no Brasil, o conflito bicicletas/ carros/ motos… e até mesmo a questão do aborto para fetos anencéfalos, etc., e que me remeteram a medidas “de fora” já adotadas na área da Educação, apesar de louváveis… pela intenção.

Começo, pois, pela Educação, já que convivi com o do sistema japonês durante 5,5 anos devido ao meu filho, o qual aprovei com louvor. Mas devido ao espaço pequeníssimo citarei apenas dois itens: tempo integral e progressão continuada. Ideais, para mim, para o Ensino Básico… mas não ainda para o Brasil… devido a fatores ligados à nossa própria realidade, política, social, econômica e cultural que acabam influindo no rendimento tanto de alunos quanto de professores (mal preparados).

Idem para a questão do lixo reciclável. Naquele país, o lixo já é reciclável a partir de um calendário: lixo orgânico e não orgânico (bem cumpridos pelos cidadãos). Com poder aquisitivo condizente, até mobiliários velhos eram deixados nas calçadas para serem recolhidos. Isso, até a chegada dos nossos decasséguis… aliviando a carga dos coletores japoneses. No Brasil, tudo vai no mesmo saco, e tem cidadão que ainda o coloca na calçada fora do dia de coleta… uma tentação aos “chutadores”… apenas para fazer graça.

Nunca me preocupei com a questão do aborto em minha estada no Japão, apesar de saber que é totalmente liberado e chega a ocorrer 500 mil por ano, mas concordo que seja delicada e que é preciso muito cuidado quando se trata de Brasil pelas mesmas razões que alinhei, acima, ao citar os meus exemplos.

Ainda temos de percorrer uma longa estrada… Né, não?

 

*Silvio Sano é arquiteto e escritor. E-mail: silviossam@gmail.com

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: É bom olhar para trás Era um dos que olhava de viés para a Bolsa Família. Como tantos remediados achava excessiva essa assistência às classes desprotegidas. Não deem os pei...
ERIKA TAMURA: Sorte ou destino?   Ganhei um livro de presente que fala sobre a sorte na vida das pessoas. Isso me fez pensar sobre os brasileiros acomodados que vivem aqui no...
BEM ESTAR: Seu Modo de viver Transformei minha vida em vida de lamentações, em alerta ao medo incontinenti, palpitações constantes, olhares voltados só no retrovisor,  observando ...
ERIKA TAMURA: Shigueo Nakahara lança livro no Japã... Primeiramente, vou apresentar quem é Shigueo Nakahara. Brasileiro, 33 anos, 13 anos de Japão, portanto com apenas 20 anos, Shigueo saiu do Brasil ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *