JORGE NAGAO: Galinhada Na Virada

Anunciaram e garantiram que na Virada Cultural Paulistana haveria uma galinhada. Galinhada? Isso não é coisa de pobre?- assim reagiram alguns habituês da Virada. Mas, e se ela for preparada pelo Chef Alex Atala, do D.O.M., quarto melhor restaurante do mundo? Ah, nesse caso, pode ser um sucesso. Por causa disso muita gente, em Sampa, começou a salivar. O atendimento em seu restaurante, nos Jardins, é tranquilo mas como seria lá, no Minhocão? Programada para a madrugada de domingo, uma hora antes, a fila já estava formada. Quinhentas senhas seriam entregues à moçada que iria à badalada balada. Cada felizardo daquela boca livre, que poderia ser cobrada até R$15, degustaria a quentinha, feliz da vida, naquela noite estrelada. Uma coisa, porém, é a planejada, outra, é a realidade. Outros 21 chefs sabiam que seriam coadjuvantes do astro do evento, o Milad Alexandre Mack Atala, o Alex Atala, 43 anos, que sonha em levar ao mundo temperos e sabores bem brasileiros.
O acesso à barraca da galinhada seria por uma rampa determinada. As pessoas, muitas pessoas, milhares delas, na base do empurra-empurra chegaram por todas as rampas. Gente prensada e desesperada naquela zoada e a danada da galinhada, que é bom, nada! Resultado: barrigas vazias e vaias para a Virada. Vaiada cultural. Planejada para ser uma festa animada, a tal da galinhada virou uma chanchada da “Atalântida”. Ficou encurralada, “atalantada”, a adorada e idolatrada, salve, salve-se quem puder, equipe do Atala. Também pudera, no entorno da barraca havia mais gente do que em muitos shows da Virada.
A solução foi entregar a galinhada, àquela negada próxima da barraca (da classe A à D), a iguaria negada à maioria daquela gente alucinada. Não ficou assim como um pau de galinheiro, a imagem da Virada, mas certamente foi maculada depois desta presepada. O Minhocão virou o micão da Virada. Mal comparando, foi como um minhocão que caiu no galinheiro e apenas uma galinha o devorou para desespero da galinhada. A grande atração anunciada, enfim, virou piada. José Simão, na Folha, escreveu que a galinhada virou frango de macumba. A galinhada não tinha e agora não tem. O prefeito está prometendo agora uma Virada Gastronômica. Precisa, antes, decifrar a charada: como organizar esta salada & cia? Depois dessa, a gente nunKassab o que pode acontecer.
Para limpar a sua barra, o gourmet Atala, com o ombro direito contundido, levou o seu braço direito o promissor nikkei Meguru (Atala é o meu guru!), para preparar a guloseima na cozinha da Ana Maria Braga. Enquanto a nova Virada não vem, prepare a Galinhada Atalada em seu lar, em segredo, para não aparecer vizinhos e parentes que podem transformar a sua casa num Minhocão lotado. Não quero atá-la à cozinha, amiga, mas garanto que você ganhará uma goleada de elogios mesmo levando um frango.
Galinhada Atalada
No sábado, à noite, corte em pedaços uma galinha caipira, de preferência, degolada (ó coitada!) e sem as unhas. Aproveite tudo, miúdos, pés, pescoço. Cubra os pedaços com água, adicione 2 colheres de sal grosso, ervas (3 fls de louro, 10 fls de hortelã, um bocadito de coentro e 20 gr de manjericão), 1 cebola picada em cubos, 2 dentes de alho, dê uma mexida e guarde o recipiente na geladeira. No domingo de manhã, faça a marinada: separe os pedaços de frango e coloque quatro tomates cortados em cubo, 4 cebolas cortadas em 4, 6 dentes de alho, 1 pimenta de cheiro, 100 gr de coentro, 40 gr de manjericão,10 fl de hortelã, 1 fl de louro, sacuda isso tudo e guarde na geladeira por 4 a 5 horas. Doure os pedaços de frango e depois devolva-os à panela com a marinada e cozinhe por 20 minutos. Sirva com arroz, farofa, quiabo cozido com o caldo da marinada, pirão também feito com o caldo, e pronto. Bon appétit, mademoiselle! Hummm!!!

 

*Jorge Nagao é colunista do site Primeiro Programa (www.primeiroprograma.com.br). E-mail: jlcnagao@uol.com.br

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

AKIRA SAITO: O-SHOGATSU OU SHOGATSU “Iniciar bem o ano com as energias renovadas”   Um dos costumes japoneses é a celebração do Ano Novo (O-Shogatsu ou Shogatsu) que apesar de s...
JORGE NAGAO: Tomando a Liberdade Liberdade ou Gambarê, filme de José Carlos Lage, de 2005, depois do cinema,  foi exibido na TV Cultura. Há cerca de um mês, esteve na programação ...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Até quando? Era uma vez um imenso país. Seu povo foi cantado como alegre e cordial. Uma grande mentira que os donos da Casa Grande - como diz o sábio editor que a...
Beleza by YUMI KATAOKA: Make 3 minutos       Já chegou dias que você acorda atrasada e não quer sair de cara lavada, mas está com a maior preguiça de se maquiar ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *