COMBATE AO MOSQUITO DA DENGUE: Walter Ihoshi sugere redução de tributos sobre repelentes para facilitar acesso a produtos preventivos

O governo federal anunciou que estuda a possibilidade de desonerar os impostos sobre a importação de ingredientes que compõem os repelentes. A medida vem de encontro à sugestão apresentada por Walter Ihoshi (PSD-SP) – da Frente Parlamentar Mista para a Desoneração de Medicamentos – ao líder da bancada do PSD, Rogério Rosso (DF), no início deste mês.

 

Walter Ihoshi: “É preciso que todos façam a sua parte: a população e os governos federal e estadual” (Foto: divulgação)

Walter Ihoshi: “É preciso que todos façam a sua parte: a população e os governos federal e estadual” (Foto: divulgação)

 

O assunto ganhou destaque em reportagem do jornal Estado de S. Paulo, quando o líder do partido levou a proposta aos ministros Nelson Barbosa (Fazenda) e Jacques Wagner (Casa Civil). Ambos sinalizaram positivamente à possibilidade de reformulação tributária para que os preços dos repelentes se tornem mais acessíveis em todo o território nacional.

Nelson Barbosa, disse que vai avaliar o pedido. Jacques Wagner, da Casa Civil, declarou que irá pessoalmente solicitar aos governadores que adotem uma nova tributação estadual para os repelentes. Rosso observou que a desoneração poderia ser adotada em caráter emergencial.

Segundo Ihoshi, seria uma ação governamental primordial na prevenção da dengue e do zika vírus. As duas doenças são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

Ihoshi, que está em Brasília onde pretende apresentar informações técnicas ainda nesta semana, afirmou que é necessário um grande trabalho de conscientização da população para o enfrentamento do Aedes aegypti. “Mas, também, é essencial que governo federal e os Estados adotem iniciativas que facilitem o acesso a produtos preventivos, como são os repelentes. “O governo federal poderia retirar o PIS e Cofins desses produtos. Medida semelhante já ocorreu com os produtos da cesta básica. Enquanto isso, Estados poderiam praticar alíquotas menores do ICMS”, disse Ihoshi, explicando que, em alguns Estados, a alíquota do ICMS chega é de até 18%.

 

 

 

Related Post

NIPPAK JOVEM: Av. Paulista será palco do 1º Haraju...   Trata-se de um passeio organizado pela recém-fundada Associação Brasileira de J-Fashion, em que a representante da moda urbana japonesa, Ake...
ARTES: A Sedução de Marilyn Monroe reúne obras de ...   "A Sedução de Marilyn Monroe" é o título da exposição que o Museu Afro Brasil apresenta no Parque Ibirapuera, em São Paulo. Artistas contemp...
ASSAÍ-PR: Castelo Japonês começa receber estrutura... Castelo de Assaí (foto: Prefeitura do Município de Assaí)   A cidade de Assaí-PR (a 43Km de Londrina) abrigará o primeiro castelo japonês ...
COMUNIDADE: 5º Japan Sul conquista espaço no calen... A União das Associações Culturais de Santo Amaro realizou nos dias 13 e 14 de setembro, no Clube da Eletropaulo, na região de Santo Amaro (zona Sul de...

One Comment

  1. Parabéns, Walter Ihoshi san: irá beneficiar largamente a população!!!

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *