CRISE NO BRASIL: Deputados nikkeis querem a saída de Dilma e justificam voto

Depois da decisão da comissão especial do impeachment, que aprovou por 38 a 27 votos o relatório do deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO), favorável a abertura do processo, todas as atenções se voltam agora para a Câmara dos Deputados, onde será decidido mais um passo para o cada vais próximo afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT) do cargo.

 

Votação está marcada para este domingo no Plenário da Câmara dos Deputados. Foto: divulgação.

Votação está marcada para este domingo no Plenário da Câmara dos Deputados. Foto: divulgação.

 

A votação no plenário da Câmara dos Deputados deve ter início às 14h deste domingo (17). Para evitar que o processo vá para o Senado, o governo precisará de pelo menos 172 votos dos 513 deputados.

Se depender dos três deputados federais nipo-brasileiros que compõem a atual “bancada nikkei” no Congresso, a petista está em maus lençois. Hidekazu Takayama (PSC-PR), Luiz Nishimori (PR-PR) e Keiko Ota (PSB-SP) afirmaram à reportagem do Jornal Nippak que votarão a favor do impeachment da presidente.

 

Deputado Luiz Nishimori: “Voto pelo desenvolvimento do Brasil”. Foto: divulgação

Deputado Luiz Nishimori: “Voto pelo desenvolvimento do Brasil”. Foto: divulgação

 

O caso mais “emblemático” é do deputado Nishimori, presidente do PR em seu Estado. Os três integrantes do partido na comissão – José Rocha (BA), Vicentinho Júnior (TO) e Edio Lopes (PR) – votaram contra a abertura do processo, que apontou indícios de que Dilma cometeu crime de responsabilidade ao editar decretos de crédito extraordinário sem autorização do Congresso Nacional e ao permitir a prática das chamadas “pedaladas fiscais”, que é o atraso no repasse pela União aos bancos públicos para o pagamento de benefícios sociais.

 

Caos – “Embora meu partido esteja do lado do governo, sou a favor do impeachment”, afirmou o deputado nesta terça-feira (12) ao Jornal Nippak. “Decidi votar a favor porque acho que o Brasil está atravessando um momento muito complicado, para falar a verdade, nos últimos quatro anos a situação é de verdadeiro caos”, justificou Nishimori, acrescentando que “a crise política dificulta ainda mais uma eventual tentativa de melhorar a imagem da petista”.

“Então, não vejo outra alternativa nesse momento, exceto trocar a direção, ou seja, tirar a presidente. Toda essa dificuldade é culpa de quem é a cabeça”, reforçou o parlamentar, afirmando que “votarei pensando num futuro melhor e pelo desenvolvimento e progresso do país”, argumentou Nishimori, para quem as manifestações populares que devem acontecer em todo o país – a favor e contra o impeachment – devem influenciar os votos dos deputados que ainda estão indecisos.

“Vamos chegar com mais força no domingo. Acredito muito que até lá a tendência é aumentar os votos a favor do impeachment”, destaca Nishimori, que afirma não entender os deputados indecisos. “Não deveria ser desta forma. Não se pode negociar o voto. É preciso votar pensando no que é melhor para o país. Vou votar com a consicência tranquila, independente de qualquer resultado”, diz o deputado, acrescentando que, mesmo se conseguir reverter a situação, a presidente terá dificuldades para continuar o seu mandato. “A situação está insustentável”, disse.

 

Deputada Keiko Ota: “Vou atender o clamor do país”. Foto: Aldo Shiguti.

Deputada Keiko Ota: “Vou atender o clamor do país”. Foto: Aldo Shiguti.

 

Para a deputada Keiko Ota, “não podemos perder esta oportunidade”. “Sou a favor do impeachment porque precisamos pensar primeiro no povo. E a ‘voz do povo é a voz de Deus’. A situação do país é clara. Está tudo ruim. Não sei o que acontece com este governo que não pensa no povo”, diz Keiko, afirmando que “vou atender o clamor da sociedade”. Para ela, “agora ficou claro” porque encontrava dificuldades para aprovar seus projetos no primeiro mandato. “Eles sempre alegavam que não tinham dinheiro. Agora a gente está vendo onde o dinheiro foi parar”, criticou Keiko.

 

Deputado Takayama: “A presidente não tem mais condições morais”. Foto: Aldo Shiguti.

Deputado Takayama: “A presidente não tem mais condições morais”. Foto: Aldo Shiguti.

 

Terrorista – Para Takayama, “a posição da Comissão de Impeachment nada mais é do que o retrato do sentimento da maioria dos parlamentares”. “Querer dizer que impeachment é golpe, nada mais é do que um discurso maldoso e terrorista, para tentar justificar a não saída de um Governo que cometeu atos ilícitos, perdeu credibilidade, destruiu a economia de uma nação e que tenta justificar o seu fracasso administrativo jogando aos outros, a culpa,  numa tática terrorista, como se ela fosse da oposição e da população”, disse Takayama, afirmando que “a presidente não tem mais condições administrativa, e muito menos morais de permanecer à frente desta nação”. “Só há uma razão para ela querer continuar à frente deste falido governo, e todos sabem qual é”, desabafou.

 

ALDO SHIGUTI

ALDO SHIGUTI

Redator-chefe
ashiguti@uol.com.br
ALDO SHIGUTI

Últimos posts por ALDO SHIGUTI (exibir todos)

     

    Related Post

    COMUNIDADE: Bunkyo celebra chegada do Ano Novo O Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social) realizará a tradicional Cerimônia de Comemoração do Ano Novo no dia 6 de j...
    BEISEBOL: Atibaia é campeão do 66º Campeonato Bras...   A equipe de Atibaia sagrou-se campeã do 66º Campeonato Brasileiro de Beisebol Interclubes, competição realizada nos dias 28 e 29, no Nikkey ...
    MAIRINQUE: Akio Ogawa palestra na Câmara Municipa... O professor Akio Ogawa ministra hoje (18), às 19 horas, uma palestra na Câmara Municipal de Mairinque com o tema: “Consequências dos 120 Anos do Trata...
    ENCONTRO: Prefeitos nikkeis e jovens líderes da co...   Numa iniciativa pioneira do cônsul geral do Japãoem São Paulo, Noriteru Fukushima, foi realizado no último dia 25, na residência oficial do ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *