EMPRESAS: Toyota do Brasil celebra 60 anos ‘com os olhos voltados para o futuro’

Em evento realizado no último dia 23, na Japan House São Paulo, a Toyota do Brasil “reforçou suas origens”. A cerimônia, que contou com a presença do ministro interino da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima, serviu também que os executivos da empresa apresentassem um balanço de 2017, projeções e planos para 2018, além de fornecer detalhes sobre alterações na direção estratégica da Toyota na região da América Latina. Estiveram presentes, entre outros, o CEO da empresa para a América Latina e Caribe, Steve St. Angelo, o presidente da Toyota do Brasil, Rafael Chang, o vice-presidente executivo de Marketing, Planejamento de Vendas, Produto e Preço, Venda e Pós-Venda, Miguel Fonseca, e o vice-presidente Celso Simomura.

 

Toyota do Brasil celebra 60 anos e reforça suas origens. Foto: Jiro Mochizuki

 

“Como todos sabem, a Toyota do Brasil tem uma profunda ligação com a comunidade japonesa e nós somos parceiros para as comemorações dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil”, disse Rafael Chang. Segundo ele, ao longo de  2018 os 60 anos da montadora serão celebrados “em todos os nossos eventos, sempre com nossos olhos voltados para o futuro”. Entre os eventos, Chang destacou o 21º Festival do Japão, maior evento da cultura japonesa fora do Japão organizado anualmente pelo Kenren – Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil – e que este ano acontece nos dias 20, 21 e 22 de julho, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center (zona Sul de São Paulo).

 

Executivos da Toyota do Brasil durante coletiva de imprensa na Japan House São Paulo. Foto: Jiro Mochizuki

 

Chang revelou também, que em breve será aberta ao público o centro de visitas localizada na planta em São Bernardo do Campo (região do ABC paulista). O espaço, que a partir de fevereiro passará a receber alunos de algumas universidades da região, “lembra nossa história e, ao mesmo tempo, nos convida a imaginar o futuro da Toyota”.

 

Fábrica da Toyota. Foto: divulgação

 

História que teve início em 1958 com a produção do modelo Landcruiser na pioneira fábrica de São Paulo – a primeira a entrar em operação fora do Japão. A partir de 1962, a linha de produção foi transferida para a nova planta, de São Bernardo do Campo, onde teve início a fabricação do veículo que iria entrar para história do mercado automobilístico brasileiro: o Bandeirante, cuja produção foi encerrada em 2001.

 

Exposição do Toyota Bandeirante: veículo entrou para a história do mercado brasileiro. Foto: divulgação

 

Mobilidade – Desde então, como disse Steve St. Angelo, a empresa dexiou de ser uma empresa de tear para ser uma das gigantes mundiais do setor automobilístico e que agora  caminhamos para se transformar em uma empresa de mobilidade, compromisso lembrado também por Rafael Chang. “Como o Akio Toyoda [presidente mundial da Toyota Motor Corporation], nos disse, a Toyota é uma empresa de mobilidade e queremos fornecer, além de automóveis, mobilidade para todos”, disse Chang, que anunciou o lançamento do concurso Desafio InoveMob, uma parceria entre a WRI Brasil e a Toyota Mobility Foundation. A ideia é buscar fomentar soluções inovadoras que comecem a traçar hoje o futuro da mobilidade. O foco do concurso são soluções capazes de resolver os problemas de deslocamento em áreas com grande movimentação de pessoas, que geram um intenso número de viagens, como estações e terminais de transporte coletivo, distritos industriais, escolas, centros comerciais, universidades, hospitais, entre outros.

 

O CEO para a América Latina e Caribe, Steve St. Angelo. Foto: Jiro Mochizuki

 

Confiança – Apesar da crise pela qual passa o país, a montadora demonstrou confiança no Brasil. “A recuperação da economia brasileira está sendo mais rápida do que esperávamos, mas para nós, porém, o mais importante diante de todo esse cenário macro econômico é justamente a recuperação do nosso mercado”, explicou Chang.

 

O presidente da Toyota do Brasil, Rafael Chang. Foto: Jiro Mochizuki

 

Em 2017, foram emplacados 2.239.403 automóveis, comerciais leves (picapes e furgões), caminhões e ônibus.  De acordo com a federação do concessionários (Fenabrave), um crescimento de 9,23%. No mercado brasileiro, a Toyota ficou em sexto lugar com cerca de 190 mil veículos vendidos, sendo o Corolla o modelo mais comercializado com 66 mil unidades. O Prius contribuiu com 2.407 unidades, segundo Steve St. Angelo, um crescimento de 500% em relação a 2016.

 

Cerimônia de encerramento da produção do Toyota Bandeirante. Foto: divulgação

 

De acordo com Rafael Chang, 2017 foi o segundo melhor ano de vendas para a empresa, muito próximo do recorde de 195 mil unidades de 2014, antes da queda do mercado. “Em 2017 alcançamos números recordes de produção e exportação. Nossas plantas estão trabalhando na capacidade total e por isso estamos estudando a criação de um inétido terceiro turno no Brasil”, revelou Chang, que destacou o “excelente resultado obtido pelo Prius, que registrou um cescimento de vendas cinco vezes maior em relação a 2016, “graças à política de incentivo como o Inova Auto e futuramente a Rota 2030, o novo programa de incentivos que substituirá o Inovar Auto.

 

Funcionários da fábrica em Porto Feliz. Foto: divulgação

 

Investimentos – “Veículos com mais eficiência energética tem ganhado espaço no mercado e, sem dúvida, será um passo muito importante para o futuro da indústria e meio ambiente”, disse Chang, revelando que para este ano a montadora espera um crescimento de 5% em relação ao 2017.

Steve St. Angelo também mostrou otimismo em números.  Segundo o CEO, a Toyota do Brasil foi responsável por 17% do crescimento de vendas da Toyota Global em 2017. “E quando você olha até o ano anterior, em 2016, a pequena região da América  Latina e Caribe foi responsavel por 47% das vendas globais da Toyota. Essa é a segunda vez que a nossa região tem uma participação tão expressiva no crescimento global da montadora. Isso só foi possível porque os 40 países que compõem a região da América Latina e Caribe começaram a trabalhar juntos, como uma só família e um só time”, disse Steve St. Angelo, acrescentando que, além de esforço, om desempenho também foi resultado de muito investimento.

 

Comemoração da fabricação de 100 mil motores em Porto Feliz. Foto: divulgação

 

“Durante cinco anos foram investidos mais de 2 bilhões de dólares na região e muito desse investimento foi feito aqui mesmo no Brasil.  Para a ampliação das unidades de Sorocaba e Porto Feliz foram cerca de R$ 1.6 bilhão. Para mim isso confirma que a Toyota acredita no Brasil e quer crescer junto com o país. Isso não seria possível sem a lealdade dos consumidores à marca”, disse Steve.

 

ALDO SHIGUTI

ALDO SHIGUTI

Redator-chefe
ashiguti@uol.com.br
ALDO SHIGUTI

Últimos posts por ALDO SHIGUTI (exibir todos)

     

    Related Post

    KUMON: Concurso Nacional de Leitura em Voz Alta re... No dia 11 de junho foi realizado o 25º Concurso Nacional de Leitura em Voz Alta do Método Kumon, promovido pela filial japonesa da instituição, no aud...
    RIO DE JANEIRO: Parabéns, Bikoo-Kai: muita Arte em...   A abertura do "25º Aniversário - Bikoo-Ten 2013" aconteceu em 10 de outubro de 2013 na Galeria Antonio Berni do Consulado Geral da República...
    EMPREENDEDORISMO: Em seminário, Ihoshi destaca res... Durante participação no Seminário Regional do Supersimples realizado na semana passada na Assembleia Legislativa de São Paulo, o deputado federal Walt...
    PARANÁ: Sumitomo investirá R$ 487 milhões para amp... Apesar da crise econômica nacional, a empresa japonesa Sumitomo Rubber confirmou um novo investimento para ampliar a unidade de Fazenda Rio Grande, na...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *