ERIKA TAMURA: 100 anos de imigração japonesa em Água Limpa

Depois de seis meses no Japão, volto para Araçatuba.

E, como perdi a festa de 100 anos de imigração japonesa do Bairro de Água Limpa, pedi para o meu pai me levar até lá.

Vi a pedra fundamental, que ali foi colocada em homenagem aos 100 anos de imigração, senti-me muito honrada pois ali consta o meu nome. E constar o nome ali é um marco para a história, afinal deixaremos um legado, e isso é mais importante do que qualquer dinheiro oferecido.

Costumo dizer que manter as tradições de nossos antepassados é uma tarefa muito difícil e que com o tempo algo acaba se perdendo, mas a comunidade japonesa no Brasil, consegue fazer isso com muito primor, muita riqueza de detalhes e muita fidelidade ás tradições.

Digo isso porque, comemorar 100 anos de imigração japonesa de Água Limpa, é muito significativo, e muito marcante, pois atualmente apenas 4 famílias japonesas vivem ali, oficialmente. E, depois de 100 anos, essa história poderia ser facilmente esquecida, ou apenas citada por alto, mas não foi! O Nipo de Araçatuba, assim como os seus representantes, fizeram questão de uma grande comemoração, com presença de autoridades e assim, a tradição foi perpetuada.

O resgate do passado, eu digo que é uma das atitudes mais difíceis, afinal, reunir pessoas, mexer com o âmago de todos que ali viveram e conseguir reuni-los em torno de um evento com tantos significados, é árduo.

E mais uma vez, a comunidade japonesa de Araçatuba, mostrou a todos, a importância em se manter um legado.

Em contrapartida, no Japão, comemoramos 25 anos do movimento dekassegui, e pouco se falou, ou até mesmo foi uma data que passou despercebida, deve ser porque temos pouco a ser comemorado.

Durante esses 100 anos de imigração japonesa em água Limpa, muita coisa mudou, claro. Muitas evoluções foram agregadas nas vidas das pessoas, mas o que me impressiona positivamente é que a essência não foi perdida, me senti tão bem ali visitando o lugar, e a cabeça fica imaginando tudo aquilo há cem anos, o início de tudo, as dificuldades, o convívio, os momentos tristes, assim como as vitórias, os momentos felizes, e a vontade de prosperar sem perder a essência.

E essa comemoração, que ocorreu no dia 6 de setembro, mostrou a todos, que o que realmente importa, foi mantido durante esses 100 anos, a valorização dos espíritos guerreiros dos antepassados. Isso não está a venda, e não existe dinheiro que compre!

São valores que são passados dentro das famílias, parra que honrem o sobrenome que carregam, e mais ainda, deixem algo bom para os seus descendentes. E que essa comemoração se mantenha por mais cem anos, e cem anos…

Estou feliz, e acima de tudo, honrada por poder aprender sobre tudo isso, dentro da minha família e dentro da sociedade em que vivo no Brasil.

 

 

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 18 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

     

     

     

    Related Post

    JORGE NAGAO> Balão, de lindão a vilão Festa junina em Portugal   Um momento inesquecível da minha infância foi no dia de São Pedro de 1958. O Brasil conquistava a Copa do Mundo...
    ARTIGO: A Relação entre a Satisfação do Cliente e ...   Foi decidido que Tóquio será a sede dos Jogos Olímpicos em seguida à cidade do Rio de Janeiro. Acredito que, através desse fato, há mais pes...
    NIPPAK PESCA: Pescando com Tenkara! Para quem já teve a chance de usar uma, sabe o que significa a linha esticada num puxa-puxa daqui e dali, com o peixe ligado a nós somente pela delica...
    MEMAI: KINEMA | A ERA NUCLEAR E A CURA PELO AMOR   Por Marilia Kubota   Imagem de “Anatomia do Medo”, de Kurosawa.   Não há, na memória da história do século 20, aconte...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *