ERIKA TAMURA: A vitória do Partido Liberal Democrata nas eleições do Japão

Com a dissolução de uma parte do Parlamento japonês, as eleições no Japão foram antecipadas para o fim de semana passado, e assim cerca de 100 milhões de japoneses foram convocados para votar, mas como o voto é facultativo no Japão, apenas 35% desse número compareceu as urnas, um número considerado baixo e que a cada eleição tem recuado cada vez mais.

O PLD (Partido Liberal Democrata) que é o partido do Primeiro Ministro do Japão, Shinzo Abe, venceu. Uma vitória sem grandes surpresas, já que a oposição passa por uma crise e com opiniões divergentes.

Em novembro, a dissolução parlamentar, feita por Abe, surpreendeu a maioria das pessoas, mas Abe disse ser uma medida necessária pois havia a necessidade de rever algumas leis relacionadas ao aumento de impostos. Concordo que o aumento do imposto de consumo de 5% para 8% era necessária para acompanhar e tentar salvar a economia nacional, e para uma cidadã comum como eu, esse aumento de 3%, não dá para ser sentida assim de forma imediata e nem acho que seja tão impactante. Mas esse número de 8% foi um meio termo que o Ministro chegou como uma atitude de bom senso, visto que a intenção era que esse número fosse de 10%, mas 10% significaria um aumento equivalente ao dobro, e isso sim, poderia manchar de vez a imagem do Premiê japonês e até mesmo prejudicar a sua popularidade. Seria o fim do “abenomics” (medidas econômicas projetadas por Abe).

Com isso, Abe adiou para abril de 2017 o segundo aumento do imposto que previamente estava estipulado para acontecer em outubro de 2015.

A vitória do partido de Abe, nas eleições de domingo, significa que o abenomics continuará a todo vapor. E que as mudanças na economia do país poderá ocorrer a qualquer momento.

Confesso que sou uma admiradora do Shinzo Abe, a forma com que ele encara o desafio de governar o Japão, com uma economia estagnada, me faz vê-lo como um verdadeiro samurai moderno. O Japão sofre a pressão por renovação econômica e ao mesmo tempo tem o embargo de manter algumas tradições econômicas intactas. E Abe sabe administrar tudo isso com maestria, pode ser que eu esteja enganada, mas tudo leva a crer que finalmente o Japão terá um Primeiro Ministro que irá cumprir o seu mandato até o fim.

Toda decisão relativa ao sistema fiscal e que, consequentemente tem forte influência na vida da população, deve ter o aval dos eleitores, disse Abe. Isso demonstra que o Ministro está preocupado com o povo japonês, mas na minha opinião, vai além disso. Com essa frase, Abe está preocupado com a sua imagem e a aprovação do seu governo perante o povo. Pois o Japão nesses últimos anos tem lidado com um fato inédito em muitos cenários econômicos internacionais, a deflação. Se já é difícil lidar com inflação, imagina como é para um economista trabalhar com um quadro deflacionário de um país.

A vitória do Partido de Abe, só confirmou que a maioria acredita no Primeiro Ministro atual, e confia nas medidas do abenomics. 2015 promete ser um ano bem movimentado economicamente, e para os brasileiros que vivem no Japão, poderá também ser um ano de crescimento.

 

 

===============================================================

Erika-Tamura

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SILVIO SANO > NIPÔNICA: Márcia Miyasaki, escritora... O nikkei é conhecido por sua introspecção, aspecto que já debati aqui e até elogiei o boom karaokê por lhe ter proporcionado a oportunidade de se expo...
HAICAI BRASILEIRO   O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Ma...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: E OS JORNAIS VÃO DESAPARECER...   As tiragens dos jornais impressos estão diminuindo cada vez mais. Se você tem o mesmo conteúdo com um preço bem menor na internet para que g...
JORGE NAGAO: SIMONAL (ou do faz-se lá à ré, só dó... Esta é uma tardia homenagem à voz, ao charme, ao carisma e ao champignon de um cantor sensacional: Wilson Simonal. Moro num país tropical, abençoado...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *