ERIKA TAMURA: As lições do Japão na minha vida.

 

Moro no Japão há 16 anos, e posso dizer com toda certeza que cada dia vivido aqui é uma lição de vida para mim. Aprendo muito com os japoneses, muitas vezes positivamente, outros hábitos culturais nipônicos não me agrada muito, mas respeito. Nunca falarei mal desse país que tão bem me acolheu.

Na minha opinião, a minha vida tem vários fatos marcantes, e várias lições de vida, mas existe um divisor de águas nisso tudo, é o terremoto seguido de tsunami de março de 2011. Esse sim pode ser considerado um marco na minha vida, e onde aprendi realmente o sentido da vida e encontrei a resposta de várias dúvidas que tinha em relação humanitária. Quando fui para Tohoku, a área devastada pelo tsunami, eu entendi o significado da palavra “doação”, fui levar mantimentos e produtos de higiene para os desabrigados, fui com o intuito de ajudar, mas olha só como é a vida, foi ali que eu vi que quem estava sendo ajudada era eu! Porque foi nos abrigos que visitei que vi os maiores exemplos de solidariedade e respeito ao próximo. Chegando ali que eu entendi que uma nação unida é uma nação inabalável. E quando se tem um povo consciente e humilde, a reconstrução é apenas uma questão de tempo. Pouco tempo, diga-se de passagem, pois tudo no Japão se desenvolve muito rápido.

A palavra doação ganhou um significado novo para mim exatamente nesse momento, onde eu fui levar comida, mas o que eu recebi em troca, dinheiro nenhum pode comprar. As palavras de agradecimentos, a emoção nos olhos daquele povo, o sorriso de uma criança…Isso sim deu sentido ao que eu chamo de doação!

As lições de vida não pararam por aí, afinal, todos os dias vejo exemplos da educação e da disciplina do povo japonês, e isso não é comparável à nenhum outro lugar do mundo.

O Japão me influenciou muito na construção do meu caráter, hoje sou mais preocupada com o próximo, mais consciente em vários aspectos como: ambiental, social, econômico, entre tantos outros. Se hoje sou uma boa profissional foi porque o Japão me fez assim. Mas esse é um aspecto que acho um pouco cruel na personalidade dos japoneses, porque aqui no Japão, temos que provar todos os dias que somos perfeitos, eles não admitem falhas, e se um dia vier a falhar, todo o seu histórico de excelência não será levado em consideração, a punição virá de todo o jeito.

Também acho os japonese frios, até hoje não entendi o que significa amizade para eles, pois é tudo muito separado. Colegas de trabalho são de trabalho, não servem para sair e fazer confidências, já os amigos confidentes não podem trabalhar juntos, amigos de escola são de escola. Dificilmente recebemos convites para visitar a casa de um amigo japonês. Nesse ponto eu sinto falta do calor humano brasileiro, pois brasileiros fazem amizades com facilidade e logo já estão convidando para um café em casa, totalmente normal! Mas não para os japoneses…

Tento manter as minhas raízes bem brasileiras, o meu amor pelo Brasil continua tão ou mais imenso do que antes. Mas também tento absorver o que considero de melhor na cultura japonesa. Isso não faz de mim menos brasileira, isso faz de mim um ser humano melhor.

O que mais ouço é que renego a minha brasilidade, o que é um equívoco falar isso, pois sou apaixonada pela culinária brasileira e totalmente adepta a cultura do Brasil, mas moro no Japão, nada mais justo que eu me molde dentro de alguns padrões nipônicos para ter um maior poder de adaptação. E essa flexibilidade também aprendi no Japão, todos os brasileiros têm um jogo de cintura natural, mas um olhar flexível aprendi aqui, e tudo na prática.

E assim vão se seguindo os meus dias no Japão, uns felizes e outros nem tanto, mas nunca deixando de aprender algo. Pois frequento uma das melhores escolas no quesito vida!

Por isso digo sempre que, poderia morar 100 anos no Brasil que nunca iria aprender as lições que o Japão me passa na prática.

 

 

 

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SOCIAL: Lançamento do livro “Bobby, o Cão Ze... Lançamento – Na noite do dia 11 de abril de 2012 foi realizado coquetel de lançamento do livro "Bobby, o Cão Zen - Uma História de Afeto e Fidelidade"...
SILVIO SANO > NIPÔNICA: Eduardo, #Dia13DeMarçoEuVo... Também me iludi com a Operação Aletheia, da condução coercitiva ao ex-presidente Lula para que fosse prestar depoimento à Polícia Federal. Cheguei até...
SILVIO SANO > NIPÔNICA: Waldir Maranhão vs Severin...   “Olha aí, só para verem como temos maus políticos desde há muito. Esta charge, abaixo, fi-lo para #‎SeverinoCavalcanti... em 2005!! Lemb...
BEM ESTAR: A CAIXINHA DE SEMENTES Em busca da inspiração que me faltava para trazer mais um texto à esta coluna, fui caminhar pelo jardim de meu pai. Os primeiros sinais da apro...

2 Comments

  1. Olha gostei muito do q vc disse Erika-san, ñ acho q os japoneses sejam frios, na verdade japoneses são educados e timidos, acho q eles ñ gostam muito de se abrirem devido a timidez, e é como aqui no brasil, hj ñ se pode confiar em muitas pessoas q se possa chamar de amigo, pq hj é muita falsidade, é dificil de confiar, acho q é mais ou menos isso q pensa os japoneses

  2. lendo esse seu texto, fico mais e mais curioso em conhecer o Japão… sou fascinado por cultura japonesa e esse é um dos sonhos que mais desejo realizar…

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *