ERIKA TAMURA: Ataque norte coreano

 

Pela primeira vez, nesses 15 anos de Japão, senti um certo medo em morar aqui. A culpa de tudo isso é a Coréia do Norte, que está fazendo um estardalhaço em torno do anúncio de um ataque de míssil contra o mundo.

Não consigo entender como em pleno ano de 2013, ainda exista um poder ditadorial que prioriza um míssil, sendo que seu próprio país vive em decadência.

Esse fogo cruzado entre Coréia do Norte e Estados Unidos, envolvendo China e Japão, mais as notícias na mídia, tudo isso contribuiu para que a minha cabeça desse um giro de 180 graus. Mas depois, parei para pensar e cheguei a conclusão de que morando no Japão estaria mais segura do que em qualquer outro lugar do mundo. Afinal, adversidades todos os países têm, alguns sofrem com guerras internas, conflitos gerados pela própria população. E pensei, já passei por terremotos, tufões, tsunami… Porque não enfrentaria uma eminência de um conflito, pois por enquanto não se tem a certeza de nada, apenas a ameaça de um ditador maníaco.

E outra, até hoje vivi muito bem segura no Japão, e acho que precisaria muito mais do que isso para fazer com que eu vá embora daqui. Vou para onde? O Brasil? Um país que eu amo, minha pátria mãe, mas que me sinto totalmente insegura quando piso lá. O Brasil não tem guerra, não tem tsunami, não tem terremoto, então por que me sinto tão amedrontada quando vou ao Brasil? A resposta para isso é complexa, na verdade é óbvia, mas explicar exige tempo, pois o problema do Brasil não vem de tempos imediatos, e nem tão pouco fácil de se resolver, acredito que o problema do Brasil seja a má administração, e a falta de investimentos na base estrutural, ou seja educação! Um país que não oferece o básico não está preparado para ser um exemplo do primordial.

Só então, após consultar o meu coração, tive discernimento para acalmar e ver o quanto o Japão ainda é seguro. Só assim tive a certeza que o Japão é muito mais digno de sobrevivência do que a Coréia do Norte. Mas acho que a palavra “ódio dos norte coreanos” não cabe aqui, e sim o sentimento de pena! Dó de uma população que vive miseravelmente com duras imposições do seu governo, pensando no lado humanitário, é só isso que consigo sentir, pena deles.

A mente doentia de um povo sanguinário é o que dá medo mesmo, como recentemente aconteceu em Boston, o que se passa na cabeça da pessoa que fez isso, realmente é uma incógnita. Á partir do momento em que a população começa a pagar pelas consequências desses atos, é que vem  sensação de medo. Mas se eu não acreditar na força do governo japonês neste exato momento, eu piro e não consigo morar aqui. Portanto decidi relaxar e relevar tudo isso.

Acredito muito no Japão, confio nessa segurança japonesa, e mesmo porque vejo a população japonesa muito tranquila em relação a esse assunto. E isso me passa uma segurança enorme.

Acredito também que o presidente norte coreano tenha seus motivos para tamanha raiva do capitalismo mundial, mas isso não justifica tal pensamento.

Quero acalmar meus amigos e familiares, e todos os leitores, sei que as notícias sobre o ataque norte coreano não são muito boas, mas aqui a vida continua no mesmo ritmo e normalmente.

 

 

*Erika Tamura nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JOJOSCOPE: Glay Stadium Live 2012   Show da banda japonesa Glay terá exibição inédita no Brasil     Fãs da banda Glay: uni-vos ! Agora vocês vão poder cu...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: A melhor arma para a mulher   É só assistir as esses noticiários, à tarde, que você se assusta com a quantidade de mulheres espancadas e mortas de forma violenta, quase sempre...
MEMAI: ENTREVISTA | LUGAR ALGUM DE ERICA KAMINISHI Por Marília Kubota   Erica Kaminishi é uma desenhista que trabalha com minúcia na repetição de palavras, as quais se transformam em tex...
JORGE NAGAO: Lalá, 15 anos Quando fez 12 anos, a pequena Larissa passou a sonhar, como todas as meninas da classe média, com a chegada dos 15 anos. Na época, as garotas sonhavam...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *