ERIKA TAMURA: Brasil está na moda!

 

Agora com a proximidade da Copa do Mundo no Brasil, o Japão vem aderindo ao seu cotidiano, vários produtos em homenagem ao Brasil.

Tem de tudo: cafés em lata, adesivos, camisetas, chinelos, sucos de açaí e até uma rede famosa de restaurantes decidiu aderir ao cardápio brasileiro, vi ontem uma propaganda onde em seu menu constava feijoada (?).

Mas quando um japonês vem conversar comigo sobre a Copa, a primeira coisa que ele me pergunta: “É verdade que os estádios não estão prontos?”, e eu vou responder o que, não é mesmo?. Eu falo, que sim, é verdade. As reações são sempre as mesmas, espanto, indignação, susto e uma curiosidade que diz respeito à cultura brasileira: o jeitinho brasileiro.

É esse “jeitinho” que me incomoda. Essa mania dos brasileiros desapegados com os horários, descompromissados com os deveres, irresponsabilidade profissional e além de tudo isso, a maioria acha que estão levando vantagens agindo assim.

Aqui no Japão, aprendi a ter disciplina no quesito horário, os trens japoneses têm uma média de 17 segundos de atraso no ANO! E no emprego, tempo é dinheiro, sim! Se o trabalhador atrasar por 5 minutos, ele estará comprometendo o salario. Conheço empresários brasileiros que deixaram de fechar grandes negócios, por chegarem atrasados nas reuniões.

Para os brasileiros isso pode parecer uma atitude de grande rigidez disciplinar, mas em contrapartida, os japoneses não entendem esses atrasos brasileiros.

E se hoje, muita coisa não está pronta para a Copa, e dificilmente ficará pronta, é por uma influência muito grande dessa característica cultural brasileira. Onde o cumprimento dos compromissos já firmados não têm a menor relevância. O respeito pelo profissionalismo, praticamente é inexistente, sem contar que aqueles que possuem uma noção da importância em se levar o profissionalismo à sério, é tratado com um ser inferior, ou é ridicularizado por aquele que se acha “o esperto”.

Recentemente passei por uma experiência semelhante, pois como moro há muito tempo no Japão, fico perplexa e extremamente irritada com a banalização do meu trabalho por aqueles que se julgam melhores, simplesmente porque exercem um “cargo importante” no Brasil. Para mim, são essas pessoas que teriam que servir de exemplo para muitas outras…Mas enfim, discutir o caráter não é o meu objetivo, nesse artigo. Quero mostrar o quão rico é a cultura brasileira, e mesmo morando do outro lado do mundo, temos a sensação de que a Copa está chegando…

As músicas de MPB são muito bem cotadas entre os brasileiros, tanto é que em vários lugares que fui em Tóquio, a música ambiente era o MPB. Me senti feliz, com uma paz no coração.

Sempre foi assim aqui no Japão, quando se fala em futebol, sempre se lembram do Brasil, e agora muito mais, afinal a Copa será no Brasil, e existe sim uma certa expectativa em cima disso, pois os japoneses admiram o futebol brasileiro, e ainda falam que seria ótimo para o Brasil ser campeão dentro de casa, com a torcida para comemorar.

E eles falam isso pois sabem que os brasileiros comemoram muito, pois foi assim no Japão, durante a Copa do Mundo e a Copa Toyota, interclubes.

Os japoneses estão preocupados também com o nível de rejeição pela população brasileira, na realização da Copa no Brasil. E uma coisa que os japoneses não entendem, se o Brasil tem tantos problemas assim, como está sendo noticiado, problemas estruturais básicos, como saúde e educação, então por que aceitaram a candidatura do país para sediar a Copa? E mais, por que comemoraram quando o Brasil foi o escolhido? Por que não se manifestaram naquela época, pois assim economizaria muito dinheiro, e ainda não haveria o vexame público.

Uma vez vi um cartaz que dizia: “Japão, troco o nosso futebol, pela sua educação!”. Como brasileira fiquei triste em ver isso, mas não posso negar a realidade.

O Brasil tem muito o que aprender sim, mas se a conscientização não vier das pessoas certas, que poderiam servir de parâmetros para outras, dificilmente atingirá o nível diferencial.

 

 

 

 

 

 

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

CANTO DO BACURI > Mari Satake: Mottainai Mottainai   A mãe dizia: Mottainai. Já bastava para saber que ela se referia ao resto de comida que tentavam deixar esquecido no prato. Min...
AKIRA SAITO: Ações e palavras   “Assim como uma teoria só tem valor se pode ser comprovada na prática, palavras só serão válidas se forem seguidas de ações”   Muitas...
JORGE NAGAO: O japonês da Federal   Newton Ishii, chefe do Núcleo de Operações da Polícia Federal de Curitiba-PR, sede da Lava-Jato, foi o personagem nikkei da semana passa...
ERIKA TAMURA: Suicídio no Japão O artigo dessa semana, fala um pouco sobre o meu estado de espírito ultimamente. Estou muito surpresa, para não dizeer preocupada com o crescen...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *