ERIKA TAMURA: Conhece a história do Hachiko?

A história mais emocionante de fidelidade entre um cão e seu dono.

Dr. Eisaburo Ueno, um professor do Departamento Agrícola da Universidade de Tóquio, sempre sonhou em ter um cão da raça Akita, e numa espécie de amor a primeira vista, Ueno recebeu o cão e deu-lhe o nome de Hachi, e porteriormente o chamava de Hachiko, uma forma mais carinhosa.

resized_IMG_3131

Foto: Nelson Okaneku

Assim, Hachiko, ia com o seu dono todos os dias pela manhã até a estação de Shibuya, para acompanha-lo, e depois retornava as 15 horas, para esperá-lo. E durante dois anos, essa era a rotina do Hachiko todos os dias, mas no dia 21 de maio de 1925, Ueno sofreu um AVC na faculdade e morreu.

resized_IMG_3132

Foto: Nelson Okaneku

Hachiko passou quase 10 anos esperando o seu dono na estação, indo todos os dias e procurando o professor Ueno entre as pessoas que por ali passavam, chamando a atenção de alguns passageiros que o alimentavam, tentando aliviar a sua dor.

Na madrugada de 8 de março de 1935, Hachiko faleceu, e até o seu último dia de vida, ele esperou pelo seu dono. Seus ossos foram enterrados juntamente com o professor Ueno, em uma sepultura em Tóquio, no bairro de Aoyama.

Contam também, que durante o velório de Ueno em sua casa, Hachiko quebrou o vidro da janela para poder entrar e ficar ao lado de seu dono, recusando-se a sair de perto.

Uma história triste, como a maioria dos contos japoneses, mas que aconteceu de verdade, e que apesar de tudo nos traz um ensinamento de valores muito grande, uma verdadeira lição e pode ser usada em vários sentidos.

Decidi contar esse breve resumo da história mais famoso em termos de fidelidade canina para com o seu dono, por vários motivos: semana do dia dos professores, dia das crianças… Enfim, uma história que é contada dentro das escolas japonesas para mostrar a importância da lealdade, enaltecendo o respeito aos pais e avós.

Na estação de Shibuya, um bairro de Tóquio, fica uma estátua do Hachiko, muito visitada pelos turistas do mundo todo. E para conseguir tirar uma foto ali, é uma concorrência acirrada. Eu sei que é só uma estátua, mas sempre dá uma emoçãozinha ao passar por ali, eu sempre passo por Shibuya, e gosto de dar uma olhada no Hachiko.

resized_IMG_3133

Nelson Okaneku

Recentemente a Universidade de Tóquio, ergueu uma nova estátua do Hachiko, e dessa vez ele encontra o seu dono. A estátua fica no departamento de agricultura, local onde Ueno dava aulas, e já é um sucesso, pois dá um ar de felicidade, e alívio. Diferentemente da estátua de Hachiko em Shibuya, onde ele está com o semblante sério, demonstrando toda a sua angústia esperando o seu dono.

Esse novo monumento foi erguido para homenagear os 80 anos da morte de Hachiko, servindo como um marco, ele foi apresentado como: Finalmente Hachiko encontra o seu dono.

Uma imagem que dispensa legendas, somente pelo fato de imaginarmos como deve ter sido esse encontro.

Quem estiver passando por Tóquio, não pode deixar de visitar essas duas estátuas para fechar os passeios com chave de ouro, uma em Shibuya e a outra na Universidade de Tóquio. Uma dica que recomendo.

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 18 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

    Related Post

    SILVIO SANO > NIPÔNICA: As entidades nikkeis não s... Por que afirmo isso mesmo considerando que quatro vereadores nikkeis foram eleitos no município de São Paulo? Rodrigo Goulart - PSD (49.364), Masataka...
    CANTO DO BACURI > Francisco Handa: O lobo e o filh... Muito estranho é quando um aventureiro assassino percorre o Caminho do Inferno – Meifumado – levando consigo o filho de três anos, como que este tives...
    ERIKA TAMURA: Brasilidades no Japão Semana passada, foi aberta com todas as pompas, a exposição do Oscar Niemeyer em Tóquio. Estive presente na abertura, e pude ver claramente a g...
    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Tanomoshi   Ajuda mútua financeira entre pequeno grupo de amigos, assim define o dicionário. Em certa época, havia inúmeros grupos. Até cheguei a admini...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *