ERIKA TAMURA: Estudando no Japão

Estudar no Japão, significa muito mais do que estudar as matérias básicas curriculares. Significa aprender à viver!

Digo isso porque os alunos aprendem cidadania respeitando os mais velhos e seus colegas de escola, aprendem a severa disciplina,enfim, aprendem a viver a vida real.

Vi uma reportagem sobre a greve de serventes escolares no Brasil, e os pais indignados porque seus filhos foram obrigados a limparem as dependências da escola….pois olhem só quanta diferença!!

Aqui no Japão, nâo existem serventes pra limpar a escola! As crianças são responsáveis pela limpeza da escola, pela sua conservação,e isso faz com que elas tenham consciência de que se sujarem, elas próprias  terão que limpar!

Cada criança sabe exatamente qual é a sua obrigação do dia,sabe que a limpeza está sob a sua responsabilidade. E para que tudo esteja em ordem cada uma tem que fazer a sua parte, e é incrível,a gente olha pra escola e não tem um lixo no chão,uma carteira quebrada,nada! Até o jardim está em ordem, geralmente cada escola possui animais de estimação, e adivinha quem são os responsáveis por cuidar e alimentar os bichinhos? Os alunos!!

As crianças ingressam no primeiro ano do primário aos seis anos de idade, e é estritamente proibido os pais levarem as crianças de carro(mesmo em caso de chuva, tufão,terremoto,neve,etc.). Elas vão á pé enfileirados até a escola,são divididos em grupos,e cada grupo tem o seu líder e sub-líder que são responsáveis em cuidar das outras crianças.Assim eles aprendem a ter responsabilidade,noções de trânsito, respeito e cidadania.

Nós brasileiros viemos de uma cultura em que as escolas, mesmo as públicas, tem serventes, cantinas, faxineiras, inspetores…..acostumamos que nossos pais levem e depois venham nos buscar. Aqui é bem diferente! A realidade é outra, porque a escola prepara seus alunos pra aprenderem a viver! Por isso muitos brasileiros sofrem com a adaptação na escola japonesa, a começar pela carga horária, que aqui é em tempo integral.

Mas para os brasileiros que não querem ou não se adaptam ao método educacional japonês, tem as escolas brasileiras, algumas reconhecidas pelo MEC, mas a grande maioria desestruturada, funciona meio que no improviso,mas devido ao trabalho da mãe, torna-se a opção mais viável e prática. A escola brasileira tem ônibus, que pega a criança em casa de acordo com o horário de trabalho da mãe,e as crianças permanecem na escola brasileira geralmente até as 8 da noite, o que possibilita que as mães façam mais hora extra.

Na escola japonesa as aulas começam as oito da manhã e vão até as quatro da tarde, se houver atividades extracurriculares as crianças ficam até cinco, seis da tarde.

Mas a diferença entre escola japonesa e brasileira no Japão não é só isso….a diferença está no preço da mensalidade. Enquanto a escola japonesa é de graça.pois é escola pública(paga-se somente um valor em torno de 30 dólares referente às refeições), a escola brasileira é paga, e muito bem paga, em torno de 500 dólares a mensalidade.

Meu filho tem onze anos e já estudou em escola brasileira e japonesa, agora está no quinto ano do primário da escola japonesa, e confesso, ele se adaptou melhor na escola japonesa!

Porque na escola japonesa tem muitas atividades, e ele tinha muita energia pra gastar, e quando ia na escola brasileira as tias colocavam ele pra dormir depois do almoço e deixam dormindo a tarde inteira,pois assim facilita a vida delas.

Já no primeiro mês de escola japonesa percebi a diferença, ele se esforçando pra aprender japonês e a cada dia que passava ele ia criando uma responsabilidade visível!

A prática do esporte aqui é muito incentivada, e vale pontos para o ingresso numa boa escola no colegial, além disso as crianças aprendem a tocar instrumentos musicais como flauta e piano.

Mas tudo isso com a palavra-ordem do Japão…disciplina!  Disciplina militar de quartel mesmo!!

São culturas diferentes ( e que diferença) , temos que nos adaptar à eles, mas percebi uma outra grande diferença…..a valorização do professor!

Os professores aqui estudam muito pra poderem chegar à condição de sensei(mestres) , saber tocar piano faz parte do currículo deles,assim como outra especificações, e eles são reconhecidos profissionalmente e financeiramente, são respeitados. Se alguém fala que é professor,todos ficam admirados, aliás o estudo aqui é valorizadíssimo! Só o fato de ter frequentado uma faculdade, é garantia de emprego estável e bem remunerado pro resto da vida!

Os japoneses se assustam em saber que os dekasseguis que aqui estão, são na maioria, pessoas graduadas no Brasil. Aqui temos advogados, dentistas, contadores, fisioterapeutas, engenheiros e tantos outros que não fizeram uma faculdade mas têm uma profissão no Brasil como comerciantes, marceneiros, mecânicos e outros, que largaram tudo, msm que temporariamente, pra trabalharem de peão de fábrica.

É uma realidade de contrastes,hoje, meu filho fala o japonês fluentemente, lê e escreve tudo, e a cada ano o número de brasileiros na escola que ele frequenta tem aumentado muito. E para meu orgulho, ele ajuda na tradução dos recados, e faz uma ponte entre os pais brasileiros e os professores japoneses da escola, além de ajudar os alunos na adaptação do dia-a-dia na escola.

Esse assunto sobre a escola, sobre educação é muito vasto, e volto a explora-lo novamente, com mais detalhes…

 

 

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 18 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

     

     

     

     

     

     

    Related Post

    AKIRA SAITO: UM NOVO ANO UM NOVO COMEÇO Um novo ano se inicia e com ele as esperanças de que as coisas irão melhorar. Um novo ano é sem dúvida nenhuma um novo ciclo energético, um novo ciclo...
    JOJOSCOPE: Life by Lufe especial Japão O fotógrafo Lufe Gomes partiu munido apenas de sua excepcional sensibilidade, para uma imersão num Japão profundo. Foi um roteiro inusitado, pousando ...
    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: O Vendendor   Estava lá no calçadão fotografando a turma da Zeladoria do Planeta em ação.  Nisso aproxima-se um patrício, já idoso, falando baixinho, como...
    MUNDO VIRTUAL: Sites de relacionamento – alg... Esta semana tive minha atenção chamada para uma notícia que envolvia a aplicação de golpes pela internet utilizando sites de relacionamento; de maneir...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *