ERIKA TAMURA: Êxodo brasileiro

A crise financeira e política no Brasil, tem contribuído de forma direta para que haja um aumento significativo de brasileiros que optaram em viver fora do país.

Eu mesmo, já vivo no Japão há 19 anos, e confesso que, mesmo amando o Brasil, sinto-me mais segura no Japão. E essa palavra “segurança”, pode englobar um conjunto de significados, pois inclui a segurança social, financeira, pessoal e profissional, elementos que o Brasil não me oferece infelizmente.

Aliás, quero deixar bem claro que, a maioria que deixa o Brasil, o faz com o coração sangrando, com muita dor, mas a necessidade fez com que a decisão fosse tomada. Decisão que para mim foi dolorida demais, e ao mesmo tempo que criava um certo incômodo dentro de mim, crescia uma ansiedade em crescer, em aprender, em evoluir. É isso que me encoraja nos momentos difíceis quando a saudade aperta.

E a saudade dói, lateja, faz com que qualquer bandeirinha verde amarela me emocione. Mas é preciso seguir firme nos objetivos estabelecidos.

Semana passada a comunidade brasileira no Japão foi agraciada com a presença do humorista Leandro Hassum, que acompanhou Luiz França em mais uma turnê de shows pelo país. Conversando com Hassum, ele me contou que há 5 anos vive nos Estados Unidos, até um tempo atrás em Miami, e agora mudou-se  para Flórida, e os motivos pelo qual Hassum decidiu levar a sua família para fora do Brasil incluem várias razões, mas a mais forte delas está relacionada a segurança. A violência é um tópico que gera um medo generalizado na população brasileira, e por ser uma pessoa pública, Hassum por motivos óbvios, optou pela vida na América.

Essa é uma realidade muito recorrente, e eu tenho recebido muitas mensagens de brasileiros me perguntando se é fácil vir trabalhar no Japão. No início eram apenas algumas mensagens em um mês, depois algumas mensagens semanais, e por fim, recebo muitos e-mails quase que diariamente abordando sobre o assunto. O que comprova uma debandada ouriçada pela sobrevivência, será? Eu costumo dizer para todos que a resposta não está no que eu falo, e sim no que cada um carrega dentro de si. Não é fácil mudar de país, as diferenças culturais são gritantes, principalmente quando se trata do Japão. Mas também entendo a vontade de querer dar uma guinada na vida, e tomar uma decisão acaba se tornando essencial.

Para o Brasil, podemos ver por um ponto de vista não muito positiva, pois uma das consequências do êxodo brasileiro é a perda de capital humano. Sempre defendi que o melhor do Brasil é o povo brasileiro, não existe calor humano igual em nenhum outro lugar do mundo, sem contar a grande riqueza do potencial humano brasileiro, isso é realmente incrível.

Passamos por um período em que o Brasil exporta capital humano, mão de obra qualificada que fogem da falta de oportunidades dentro do Brasil, para que, certamente, contribuam para o desenvolvimento de outras nações para onde se destinam.

Em contrapartida, vendo sob a ótica de uma brasileira que saiu do Brasil, isso pode ser muito bom! Afinal, dá um orgulho indescritível ver que um brasileiro é destaque no exterior.

Assim como sei de várias histórias tristes e conturbadas sobre brasileiros imigrantes, também sei de histórias de sucesso e vitória de compatriotas mundo a fora. E é isso que faz do povo brasileiro único, independente do lugar que esteja, e para onde vá, esse povo tem personalidade própria, características ímpares facilmente reconhecidas.

 

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 18 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

     

     

     

    Related Post

    AKIRA SAITO: FUDOSHIN “Um Espírito Inabalável”   Nestes momentos difíceis que se encontra atualmente nossa sociedade, é natural perdermos o foco de nossos objetivo...
    MEMAI: GRUPO ESTUDA HISTÓRIA DOS SAMURAIS   Minamoto Yoritomo. retratado por Yoshitoshi (1839-92).   O núcleo de estudos Kojima, sediado no Departamento de História da Univ...
    AKIRA SAITO: ESPECIALIDADES “Só quem tem o devido conhecimento saberá cobrar a qualidade daquele que tem o devido conhecimento para oferecer”   No mundo atual, cada vez ...
    JORGE NAGAO: O domingão do Satoshi-san  A família Koga resolveu celebrar os 95 anos do patriarca num dia de inverno daquele ano que não teve frio, na Vila Carrão, zona leste da cidade de Sã...

    One Comment

    1. ´segurança social, financeira, pessoal e profissional, elementos que o Brasil não me oferece infelizmente.´
      desde quando ser piao de fabrica dah segurança social e profissionao? me poupe,

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *