ERIKA TAMURA: Exposição Terra do Sol – pintores nipo-brasileiros e Oscar Oiwa

(Foto: Erika Tamura)

 

 

No sábado dia 26 de abril, estive presente na Exposição de Arte, Terra do Sol – Pintores nipo-brasileiros e Oscar Oiwa. Realizada na província de Gunma, no Museu de Tatebayashi.

A cerimônia de abertura, contou com a presença do Cônsul Geral do Brasil de Tóquio, Ministro Marco Farani e do Embaixador Do Brasil no Japão, André Corrêa do Lago.

 

(Foto: Erika Tamura)

 

O local escolhido não poderia ser melhor, um museu lindo com paredes de vidros e grandes espelhos d’água, um clima que remete ao Brasil, pela amplitude dos espaços.

 

(foto: Erika Tamura)

 

As obras de arte expostas, no total de 65, são de aproximadamente 40 artistas nikkeis, entre eles: Tomoo Handa, Manabu Mabe e Oscar Oiwa.

 

(foto: Erika Tamura)

 

Tive o privilégio de conversar com Oscar Oiwa, e saber mais sobre o seu trabalho, atualmente Oiwa reside nos Estados Unidos, mas sempre vem ao Japão para expor o seu trabalho e contemplar os japoneses com as suas obras. Mas mais do que isso, o que me chamou a atenção é que a exposição mostra claramente a diversidade de artistas talentosos dentro da comunidade nikkey. Oscar Oiwa é um exemplo de talento e orgulho para nós brasileiros, pois carrega a bandeira do Brasil por onde passa. E isso coloca a comunidade nikkey brasileira dentro de um patamar com parâmetro mundial.

 

(foto: Erika Tamura)

 

Essa coleção de arte é doação do acervo pessoal de Ricardo Takeshi Akagawa, ao museu de arte da prefeitura de Hyogo, em Kobe. Em virtude do centenário da imigração japonesa no Brasil, em 2008, Akagawa decidiu doar a sua coleção que além de muito valor artístico, conta também a história da imigração, pois pude observar essas características nas obras de Tomoo Handa.

 

(foto: Erika Tamura)

 

Conversei com o Chairman do Comitê de Exposição, o senhor Masahiko Kurita, japonês mas que fala o português fluentemente, e Kurita destaca a importância da exposição dizendo: “espero que a exposição sirva de inspiração para que possam olhar com orgulho às suas raízes, também ampliando sua conscientização acerca de seus antepassados que, junto com atividades nas lavouras, perseveraram simultâneamente no caminho da arte.”

 

(foto: Erika Tamura)

 

Masahiko Kurita é também diretor executivo da ANBEC (Associação Nipo Brasileira de Economia e Cultura), onde tem realizado várias atividades educacionais e culturais, dentro da comunidade brasileira no Japão.

 

(foto: Erika Tamura)

 

Na minha opinião, a comunidade brasileira que vive no Japão, carece um pouco de cultura, é claro que existe o acesso aos acervos culturais japoneses, mas como a maioria não entende o idioma, ficam receosos ou nem ficam sabendo dos eventos culturais. O que vale mais destaque nesta exposição é o fato de que os artistas são brasileiros e estão tendo destaque dentro do Japão. O que me deixa muito orgulhosa e feliz. Adoro esses eventos culturais, e gostaria de poder vir aqui e escrever mais sobre os destaques culturais dentro da nossa comunidade, mas quem sabe, trabalhando nisso não podemos fazer alguma diferença dentro do âmbito atingível com os artigos que escrevo, não é mesmo?

 

(foto: Erika Tamura)

 

 

 

 

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

 

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ERIKA TAMURA: O Brasil é um país confiável? Alguns anos atrás participei de uma palestra com o ex-presidente da Honda no Brasil, Osamu Ida. Na palestra, o Sr. Ida, que é japonêsdefendia com toda...
AKIRA SAITO: Viva bem – Mexa-se!!!!! “Mais do que se preocupar apenas com a estética do corpo, devemos buscar o equilíbrio e a saúde física e mental.” Todos sabem que o exercício físico ...
JORGE NAGAO: O japonês da Federal   Newton Ishii, chefe do Núcleo de Operações da Polícia Federal de Curitiba-PR, sede da Lava-Jato, foi o personagem nikkei da semana passa...
JORGE NAGAO: 1982 e 2016 Neste 2016, vivemos um retrocesso. A presidenta eleita com 54,5 milhões de votos foi injustamente afastada pelo Congresso que só tem gente fina: Cunha...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *