ERIKA TAMURA: Gilberto Dimenstein

 

Em um artigo anterior eu havia escrito sobre a minha admiração pelo jornalista Gilberto Dimenstein, colunista da Folha de São Paulo e fundador do site Catraca Livre. E imaginem a minha surpresa quando ao acordar, vejo uma mensagem no inbox do facebook, no meu celular, do próprio Dimenstein, agradecendo a citação que fiz sobre ele no artigo.

Era 5 da manhã, quando o celular tocou e eu olhei meio que sonolenta, vi ali…Gilberto Dimenstein, pensei comigo: “Que sono, acho que estou sonhando”, e adormeci novamente, quando acordei pensei realmente que havia sonhado isso, mas abrindo a caixa de mensagens do celular vi que era real! O fato havia acontecido de verdade, me emocionei!

Isso me fez refletir sobre a importância em se ter pessoas no qual admiramos e nos espelhamos. Dimenstein foi um parâmetro para mim quando iniciei os artigos no jornal. Sempre devorava os seus textos, e pensava: “esse homem constrói um castelo em cada artigo, e eu habito esse castelo”.

Mesmo depois de tanto tempo, e do outro lado do mundo, eu não deixei de acompanhar a sua coluna, e receber um retorno do próprio Dimenstein, me fez despertar para um sentimento de muita felicidade.

Para mim, é esse reconhecimento que me mantém com essa fome voraz de continuar escrevendo. Extremamente gratificante receber um feedback de leitores que acompanham os meus artigos.

Quando estive no Brasil, e andava pelas ruas de Araçatuba, as pessoas vinham conversar comigo, e eu me emocionava a cada história que ouvia, uns diziam que eu mudei a vida deles com as minhas palavras, outros diziam que se espelhavam nas minhas lutas diárias para poderem vencer na vida, encontrei um professor que utiliza os meus artigos em sala de aula como material didático, o dono da banca de jornal me falou que no dia em que meu artigo sai, não sobra nenhum exemplar para venda. Fora as mensagens via internet que recebo de várias pessoas, até mesmo uma empresa brasileira que me pediu autorização para usar os meus artigos em palestras motivacionais dentro da empresa. É essa forma de interação e esse retorno que o dinheiro não compra, e por isso realmente fazem a diferença na minha vida.

Não quero ser reconhecida por beleza física, nem por bens materiais que possuo, nem por capacidade intelectual. Quero ser reconhecida pelo meu trabalho. Por aquilo no qual eu acredito e me dedico, isso sim é no mínimo gratificante.

Tenho ídolos, que me ensinam muito, como os meus pais. Com eles aprendi tudo o que sei, e ainda são neles que encontro forças quando o mundo parece desabar. Mas também tem as pessoas que admiro, cada uma no seu âmbito profissional, ou na sua hombridade de vida, uma dessas pessoas é Gilberto Dimenstein, que pode não imaginar a proporção de satisfação que aquela singela mensagem continha, mas tem a exata noção do seu papel junto aos seus leitores, tanto é que criou o site catraca livre, que hoje conta no total com mais de 5 milhões de seguidores. Incrível!

A cada dia que passo tenho a certeza de que sou uma pessoa privilegiada e mais do que isso, abençoada por sempre estar recebendo ótimas notícias, com ótimas vibrações e o melhor de tudo com excelentes resultados.

 

 

 

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

MUNDO VIRTUAL: Estamos rodeados de empresas disrup... Recentemente, foi visto pelo noticiário que o presidente de uma grande empresa de telefonia fosse contrário à atividade do WhatsApp, qualificando como...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Sala de espera   Sala de espera   Ali sentado na recepção com as roupas e os calçados surrados, poderia bem passar por morador de rua. Além da bolsa a ...
CANTO DO BACURI > Francisco Handa: Dia de aniversá...   Dia de aniversário   Quantas vezes as velas foram acendidas e novamente o bolo enfeitado carregado no açúcar refinado ...
ERIKA TAMURA: O retorno ao Brasil  Faz um tempo que decidi retornar definitivamente ao Brasil, os motivos não são únicos e vão desde o lado emocional ao profissional. No início, tom...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *