ERIKA TAMURA: Japão, e o preparo para 2020

Estou no Japão agora, e andando pelas ruas de Tóquio, percebi que essa história de preparar a capital japonesa para as Olimpíadas de 2020, é coisa séria!

Os japoneses estão investindo pesado no “omotenashi”, que significa hospitalidade, e é o lema de Tóquio para as olimpíadas. Desde o momento decisivo da escolha da capital japonesa para sediar os jogos de 2020, ouço muito falar nessa palavra, omotenashi. Resta saber, qual a disposição dos japoneses em deixar a frieza habitual de lado e adotar no cotidiano o sentimento omotenashi.

Sou criticada quando falo assim, mas não sei se por timidez, ou por uma questão cultural, os japoneses não possuem o mesmo calor humano dos brasileiros, e para mim essa é uma das diferenças mais latentes que vejo entre um povo e outro.

O que não dá para negar é que há um empenho para que o lema hospitaleiro seja colocado realmente em prática, e quando os japoneses dedicam-se a algo, fica impossível não dar certo.

A estação de Tóquio, embora tenha sido remodelada a pouco tempo, continua um canteiro de obras, assim como as placas de localização no Japão, já vi várias delas em reforma e sendo atualizadas.

A infra-estrutura, de quadras esportivas por exemplo, já está praticamente prontas, o que falta são apenas alguns ajustes nos detalhes, e como os japoneses não precisam necessariamente pensar de forma estrutural para as Olimpíadas, então sobra tempo e verba para pensarem nas melhorias tanto estruturais como de comodidade e locomoção.

Existem alguns pontos que Tóquio pode deixar a desejar nas Olimpíadas, mas são pontos mínimos que não tiram o mérito e o brilho do perfeito andamento de outros pontos. Os pontos baixos: o idioma, pois a maioria não fala inglês. As placas de informações, onde está na maioria das vezes escrito em kanjis (mas isso já está mudando, as placas estão sendo atualizadas com alfabeto romano). A dificuldade de conseguir uma rede de internet wi-fi grátis, apesar do Japão ser um país altamente tecnológico, eu percebi que consigo me conectar a internet muito mais facilmente no Brasil, do que no Japão, isso porque as redes são fechadas e quem quiser usar, precisa pagar. Outro ponto que considero desfavorável, o povo japonês. A maioria pode ser muito fofa, educada, mas não vêem com bons olhos a entrada maciça de estrangeiros em seu país. O Japão é um país fechadinho, tanto culturalmente e até mesmo financeiramente falando, e o fato de ter a capital de seu país tomado por estrangeiros, assusta um pouco. Não que isso seja um fator de risco ou totalmente desfavorável, mas que gera um certo desconforto entre o povo local, isso gera. Mas não é um empecilho, pois ninguém irá fazer nada para dificultar a vida dos estrangeiros presentes, mas não dá para esperar 100% de hospitalidade de 100% da população japonesa, como o lema proposto.

Mas como disse, tem os pontos altos e na minha opinião, tão forte que acabam por suprir e praticamente apagar os pontos baixos que apresentei, e outros que vierem a surgir. Os pontos altos: Estruturas impecáveis. Ginásios, centros esportivos, tudo muito perfeito, o Japão vai usar o que já tem, mas irá construir uma parte da vila olímpica em um terreno que será aterrado especialmente para isso. Sem contar com o transporte público, trens e ônibus funcionam muito bem por aqui.

Outro ponto, a segurança. O índice de criminalidade é muito baixo, se comparado com o Rio de Janeiro, por exemplo, sede das Olimpíadas de 2016.

Tecnologia, não preciso nem comentar.

E se de um lado tem os japoneses “na deles”, tem também os japoneses “omotenashi”, que irão fazer de tudo para que todos se sintam muito bem, e esses sim estarão empenhados para que o calor humano e o verdadeiro significado do omotenashi prevaleça em todos os sentidos.

É muito interessante andar pelas ruas de Tóquio e perceber as mudanças da cidade para que tudo saia perfeito em 2020, sem contar que o governo japonês já começou o trabalho com as crianças nas escolas japonesas para que estejam preparadas para que dali saiam possíveis campeões olímpicos.

Tudo isso é o Japão!

 

 

===============================================================

Erika-Tamura

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ERIKA TAMURA: Meu encontro com Fernando Henrique C... (ARQUIVO PESSOAL) Sou intensa nas minhas paixões e muito segura do que quero e gosto. Nunca escondi de ninguém que amo o Japão, s...
CANTO DO BACURI > Mari Satake: Fragmentos     Fragmentos   Filha de imigrantes. Os pais vieram para cá muito jovens ainda. Vieram sem filhos acreditando que nos primei...
HAICAI BRASILEIRO   O Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Ma...
SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Onde perfurar para o jorro d... Conceituado jornal, neste domingo, gastou uma página para tratar do método de encontrar água – hoje, sim, precioso líquido – perfurando poços. Um ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *