ERIKA TAMURA: Mais uma vez Brasil…

Depois de seis meses estou de volta ao Brasil. Com todos os problemas atuais não deixa de ser o meu país.

Amo o Japão, mas voltar ao Brasil, sempre dá uma sensação de acolhimento. Adoro esse calor humano e essa facilidade de se fazer amizade, típicos do povo brasileiro.

Mas a vida no Brasil não é somente festa, vejo um país lindo mas extremamente judiado, mal cuidado, principalmente economicamente abalado. Até aí nenhuma novidade.

Mas agora percebi porque o interesse de ir Japão para trabalhar tem aumentado, o dólar com câmbio disparado, a economia brasileira decadente e a política em frangalhos, desperta nos brasileiros, uma vontade latente em tentar novos rumos.

Acabei de almoçar com o deputado federal Walter Ihoshi, e conversamos muito sobre as realidades do Brasil e do Japão, um assunto despertou interesse, o visto para yonseis (quarta geração de descendentes de japoneses). A minha visão no Japão é a de que, o Japão precisa, e muito, de mão de obra. Há uma grande demanda de oferta de emprego e pouca mão de obra, principalmente a qualificada. Mas a liberação do visto de yonsei já entra num outro patamar mais rígido, o governo japonês mantém os dois pés atrás quando o assunto é algum tipo de mudança na lei de imigração.

Pois ainda tem alguns contrapontos em debate.

Na verdade, quando o Japão liberou o visto de trabalho para os descendentes japoneses, achou que estava dando uma tacada de mestre, pois pensou em chamar os seus descendentes para trabalhar em serviços que os próprios japoneses não queria fazer, suprir a falta de mão de obra, e ainda assim ter uma classe trabalhadora cíclica e temporária. O que o Japão não imaginou é que os brasileiros acabariam criando raízes no país e com isso tornarem-se imigrantes e não mais dekasseguis. O que posso ver, é que o Japão não se preparou para um processo migratório, ele achou que os brasileiros trabalhariam por um determinado número de tempo, juntaria uma grana e iria embora para o Brasil. E não é o que acontece, pois os brasileiros que decidiram viver no Japão, compraram casas, têm filhos que frequentam ou frequentaram escolas japonesas e alguns até integrados a comunidade local.

E mexer nessa lei de imigração, seria um trabalho muito árduo na visão do governo japonês. E só a ideia de ter que revisar uma lei para o governo japonês é desafiador, e não é visto com bons olhos.

Bom, para os yonseis resta torcer para que as autoridades relacionadas aos dois governos, abram uma brecha para as negociações sobre o visto.

De resto, está tudo correndo sem novidades, o Brasil a mesma realidade, um país incrível e mal administrado, o Japão, onde tudo funciona, mas tudo friamente. E eu na mesma idas e vindas entrte os dois países.

 

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 20 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

     

    Related Post

    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: Assembléia da Federação de 3...   Ocorreu no dia 10, com início às 9h em Araçatuba, na sede da Nipo. Anteriormente, já tinha realizada a da Sociedade da Difusão da Língua Jap...
    SHIGUEYUKI YOSHIKUMI: Cremação de Corpos – Em Lins...   Crematório (foto: divulgação) Nesta época em que tanto se fala na prevenção do meio ambiente, de sustentabilidade, essa medida deve ser ...
    KARATÊ: Akira Saito traz participação brasileira n... O karateca e colaborador do Jornal Nippak, sensei Akira Saito retornou recentemente do Chile, onde foram realizados o Campeonato Pan-Americano de Kara...
    ERIKA TAMURA: A força dos países asiáticos Recentemente li um artigo, excelente por sinal, na Folha de São Paulo, do articulista Marcos Jank, onde o título diz: "O Século do Pacífico". Jank...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *