ERIKA TAMURA: Meu mês de novembro no Brasil

Apesar de estar no Japão, hoje quero escrever sobre a minha curta, mas proveitosa passagem pelo Brasil.

Foi um mês muito intenso, onde cumpri uma agenda carregada, mas de uma forma tão prazerosa que parece que passei o dobro do tempo no Brasil.
Estive no Acre, acho que nunca fui tão longe enquanto morava no Brasil. A ONG SABJA, da qual eu faço parte, firmou uma parceria com a Universidade Federal do Acre (UFAC) para a prestação de orientação psicológica aos brasileiros que vivem no Japão, via skype. E assim, eu e mais o presidente da ONG, fomos conhecer de perto as instalações da UFAC para o início do projeto, que será em janeiro. Encontramos uma universidade muito bem estruturada e fomos muito bem recebidos.
Outro ponto importante da minha ida ao Brasil, foi a oportunidade de visitar o ex presidente Fernando Henrique Cardoso mais uma vez. Foi uma visita rápida em seu Instituto, mas muito significativa para mim.
Mas essa minha passagem pelo Brasil, não poderia ter desfecho melhor, fui homenageada pela segunda vez, com um voto de aplauso na Câmara Municipal de Araçatuba, dessa vez pelo vereador Gilberto Mantovani (Batata).
A minha primeira homenagem foi há 3 anos, também no mês de novembro, e foi proposta pela vereadora Edna Flor. Foi uma cerimônia grande, com a presença maciça de amigos e familiares, inclusive esteve presente o deputado federal Walter Ihoshi, que foi de São Paulo especialmente para a ocasião.
Esse ano, fui pega de surpresa pela notícia de que seria homenageada, foi uma cerimônia mais simples e menos solene, por ter sido tudo muito rápido não deu tempo para convidar amigos, mas as pessoas importantes na minha vida estavam presentes, meus pais e meus filhos. Apesar de ter sido uma cerimônia simples, ela não é menos importante que a primeira. Fiquei muito feliz e honrada, afinal não é a qualquer hora que somos homenageados, não é mesmo?
Me sinto privilegiada pelo reconhecimento, isso tudo me dá uma força muito grande para continuar fazendo o que eu faço. Tem horas que penso se realmente estou no caminho certo, o abatimento vem de forma inesperada e muitas vezes arrebatadora. Mas cabe a mim ser forte e continuar lutando, ou me entregar ao fracasso. É claro que trabalho desempenhando o meu papel e tentando cumprir tudo o que me foi proposto, e tento fazer sempre da melhor maneira possível, e não faço isso visando prêmios e homenagens, tão pouco busco reconhecimento, já aprendi a lidar com ingratidões e rasteiras típicas de quem se acha muito esperto. Mas quando há o reconhecimento isso é muito bom! Muito bom mesmo!
A homenagem é consequência do trabalho bem feito, e ser reconhecida por isso é muito gratificante e revigorante! Costumo dizer que eu gosto das coisas que o dinheiro não compra, o reconhecimento, o carinho das pessoas é isso que eu quero para mim.
Quando eu ando por Araçatuba e as pessoas me param e vêm falar comigo sobre os artigos do jornal, me emociona muito! Pois como escrevo do Japão, sentada na frente do computador e, sozinha, não faço ideia do público que atinge, e também não sei a repercussão. Mas essas duas homenagens que recebi pela Câmara Municipal de Araçatuba já dá uma ideia da repercussão.
Voltei para o Japão, com aquela sensação de que estou no caminho certo mas que a missão ainda não está cumprida, portanto estou aqui no Japão, fazendo o que gosto realmente que é o trabalho na ONG, tendo a oportunidade de fazer trabalhos filantrópicos e ainda me realizando profissionalmente. E escrever para o jornal é um hobby, que como o próprio nome diz, faço com prazer, e ainda assim recebo homenagens!!! O que mais posso querer da vida? Só tenho a agradecer!
Muito obrigada Brasil!

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 18 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

     

    Related Post

    SHIGUEYUKI YOSHIKUNI: PRIMEIRO OFÍCIO DO ANO NO TE... Primeiro Ofício e a celebração do Ano Novo no Templo Honpa Hongwanji (foto: Shigueyuki Yoshikuni)   Com a presença de fieis da região, foi c...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Junho é o mês da imigração... Não descobri nada oficial que determina que este mês seja o mês da imigração no Brasil, a não ser uma festa que vem sendo realizada desde há 21 anos p...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: Sim ao retrocesso E a parcela dos homens e mulheres desavergonhados, acabou de cometer mais uma proeza. Numa demonstração de sua “heroica” missão, deram o seu sim. Sim ...
    CANTO DO BACURI > Mari Satake: Misora Hibari em s... Aos doze anos de idade, aquela que se tornaria no maior fenômeno musical do Japão foi a protagonista em 1949, de Kanashiki Kuchibue (Assobio triste), ...

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *