ERIKA TAMURA: Mulheres fortes pelo mundo!

 

Há duas semanas atrás, fui para Tóquio encontrar-me com uma amiga que mora em Abu Dhabi, a capital dos Emirados Árabes Unidos.

Amiga essa que trabalha em uma companhia aérea e veio ao Japão à trabalho, e que coincidentemente é natural de uma cidade vizinha à minha Araçatuba, São José do Rio Preto. E mais coincidência ainda ela ter o mesmo nome que eu, Erica.

Juntou-se a nós uma japonesa, Mariko, que eu adorei conhecer, e que é comissária de bordo na empresa aérea, incrível como a Mariko é apaixonada pelo Brasil! Fala português perfeitamente, além do inglês.

O intuito de eu contar essa historinha inicial, é ver o quanto é importante essa convivência multicultural. Passamos a tarde toda e percebemos que temos muito o que aprender uma com a outra, temos muitas outras coisas em comum e com isso temos características curiosas advindas dessa mistura e absorção de culturas.

A Mariko, apesar de japonesa, eu vi que ela é mais brasileira do que eu. Adora suco de cupuaçu e açaí na tigela. Morou na Bahia, conhece o Brasil melhor do que eu.

A Érica, mora em Abu Dhabi, está totalmente adaptada aos costumes árabes, ela fala com tanta empolgação dos encantos da Arábia que me motiva cada vez mais a conhecer aquele país.

E eu, brasileira, amo o Japão, aqui me sinto em casa, falo até que eu e a Mariko invertemos os papéis. Pois eu adoro passar minhas férias em Okinawa, uma ilha ao sul do Japão, já ela, prefere o Brasil.

O interessante de tudo isso é que construímos uma amizade onde não há barreiras fronteiriças, a internet é uma aliada, não posso negar. Mas é tão gostoso ver que hoje, a mulher desempenha um papel importante dentro do mundo profissional. O Japão, é um país muito machista, e quando vejo as mulheres se destacando em suas áreas, confesso que sinto muito orgulho. Ainda mais que as mulheres em questão têm uma certa ligação direta ou indiretamente com o Brasil.

A independência feminina vai além da questão financeira, quando conversávamos as três ali, nas mesas dos restaurantes de Ginza, eu notei como é boa essa sensação de independência. Uma independência de pensamentos. Afinal, somos ricas culturalmente portanto somos livres para termos opiniões próprias. Somos fortes, guerreiras, cada uma no seu papel, mas desempenhamos bravamente aquilo que nos fora consignado. Me senti feliz e orgulhosa por estar cercada de pessoas assim.

A batalha do dia a dia não para, por isso o estudo e a dedicação diária é imprescindível para quem quer alçar novos degraus e se manter no topo. E é isso que continuamos fazendo, estudando sempre, para manter a continuidade evolutiva no desempenho das tarefas, e na retomada dos objetivos. E com isso a independência financeira é só uma questão de tempo, pois torna-se consequência da dedicação.

E ali em Tóquio, pelas ruas de Ginza, caminhavam três grandes mulheres, não no tamanho, mas na atitude. Pois saímos da nossa terra natal para sermos profissionais em outro país. Com outras culturas, passando por dificuldades diversas, mas o melhor de tudo é ver que cada dificuldade foi superada com maestria. E hoje, quem via nós três pelas ruas da capital japonesa, não imagina a história que cada uma carrega.

Por isso que aconselho, insistentemente, para que as mulheres, principalmente aqui no Japão, sejam mais independentes, estudem, trabalhem, conquistem seu espaço. E por incrível que pareça ainda existem pessoas que me acham revolucionária demais em pleno ano de 2013!

Todas lindas, mas a aparência, pouco importa a essa altura do campeonato, o que faz realmente a diferença chama-se caráter e atitude. Afinal, lindas de morrer qualquer mulher consegue, hoje o mundo conspira para saciar a vaidade feminina, mas para mim, a maior vaidade mesmo está no cérebro, a beleza que vem de dentro, aquela que não se compra, não se mede, não se dá, apenas conquista-se! Acho que a mulher que recebe um elogio como “linda”, realmente faz bem para o ego, fica envaidecida, mas o bom mesmo é receber um elogio do tipo “que mulherão! Linda e inteligente, guerreira, segura, independente!” Isso sim, é arrebatador!

 

 

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JORGE NAGAO: Blocos paulistanos | Casimiro de Abre... Blocos paulistanos     O Jornal Nacional mostrou, como sempre, alguns blocos do carnaval carioca (cito alguns, no texto do Casimi...
BEM ESTAR: Como conviver sem atritos É comum  ter atritos no convívio com mais de uma pessoa. Imaginem numa família grande, no ambiente de trabalho, quantos atritos ocorrem diariamente...
AKIRA SAITO: SERVIR COM EXCELÊNCIA “Aquele que um dia busca ensinar deve sempre se lembrar de nunca parar de aprender” Muita coisa evoluiu nas últimas décadas, muita informação ficou...
PROMISSÃO: Peregrinação do Santuário Histórico de ...   Nesse domingo, foi a Missa anual da Igreja Cristo-Rei, celebrada pelo Padre Francisco, auxiliado pelo  Pe. Megumi, pelo Pe. Jesus, Monges e ...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *