ERIKA TAMURA: Reciprocidade entre Brasil e Japão

Passada toda a euforia olímpica, e de volta aos noticiários reais do cotidiano, começo a me dar conta da tamanha proximidade existente entre o Brasil e Japão.

Falo isso não somente pelo fato de ser descendente de japoneses, mas por perceber que existe um elo tão grande e tão forte que une esses dois países, que nem parece que geograficamente estão em lados opostos.

Por causa dos jogos olímpicos, a mídia japonesa atrelava o nome Rio de Janeiro acompanhado de outro nome, no caso Tóquio. Mas não é só por causa dos jogos que esses dois países estão conectados, entre esses dois nomes existe muita história, muita tradição, muitos negócios e muitas idas e vindas dos dois lados.

O movimento dekassegui completou 25 anos, e nesse tempo todo já ficou provado que o brasileiro tem muito potencial humano, apesar de todos os problemas enfrentados pela comunidade brasileira no Japão. São problemas diversos, mas que não impede que tenhamos salvaguardados a nossa grande capacidade de desenvolvimento e adaptação. Já dizia Darwin que, aquele que melhor se adaptar ao meio em que vive, será o que obterá maior êxito. E o povo brasileiro está aí para mostrar isso.

Na última semana estive na Embaixada do Brasil em Tóquio, e em uma conversa muito animadora com o Embaixador André Corrêa do Lago, ficou muito claro que a cada ano que passa fica mais evidente que vem chegando o momento dos brasileiros exigirem do governo japonês um pouco mais de reciprocidade. Os japoneses que migraram para o Brasil foram recebidos de braços abertos no âmbito legal. O governo brasileiro ofereceu a todos os japoneses tratamento de forma igualitária. Está na hora do Japão também se mostrar um pouco mais receptivo no que se diz respeito a tratamento igualitário.

Quero deixar bem claro que não estou reclamando do Japão, aliás não tenho nenhum ponto para criticar, mas eu sei das minhas restrições pelo fato de ser estrangeira. Por mais que se fale que não existe preconceito no Japão, o estrangeiro ainda tem uma certa dificuldade no andamento burocrático, digamos assim. E não acho que o Japão esteja errado, pelo contrário, é uma defesa que o Japão possui para não abrir-se totalmente ao mercado externo e assim proteger a economia interna.

É uma característica do povo japonês, essa introspecção, e pode ser até mesmo uma forma de agir por não saber lidar com o novo, mas temos que concordar que no quesito calor humano, o brasileiro ganha.

Fiquei muito feliz quando Tóquio foi eleita a sede das olimpíadas de 2020 usando a palavra “omotenashi” como logo principal da campanha. Omotenashi significa hospitalidade, olha só, o povo japonês quer mostrar ao mundo o quão receptivo e hospitaleiros eles podem ser. E vão conseguir, não tenho dúvida. Mas em hospitalidade, ninguém ganha do brasileiro. Acho que no mundo não existe povo mais caloroso e mais entusiasmado, isso pode ser uma qualidade diferenciada. Afinal, duvido que exista outra nação em que o desenvolvimento social civil foi tão significativo como no Brasil, pois mesmo com todos os problemas, a sociedade se desenvolveu. A política brasileira é péssima, a economia é péssima, as condições sociais são precárias e mesmo assim o Brasil consegue ter faculdades públicas de qualidade, estudos avançados, pesquisas de ponta. Muitos brasileiros não sabem, mas o Brasil é um dos poucos países com uma qualidade de vida boa, onde não existe terremoto, maremoto, tufão, onde se tem terra fértil, clima tropical, calor humano e um povo caloroso e altamente criativo.

Nesse tempo que vivo fora do Brasil, eu nunca me canso de dizer que o que sinto mais falta é o calor humano, e isso é uma exclusividade do Brasil.

Está na hora do povo brasileiro olhar com mais carinho para o próprio país e perceber que a grama do vizinho não é mais verde, as vezes ela é de plástico.

 

 

ERIKA TAMURA

ERIKA TAMURA

nasceu em Araçatuba e há 20 anos mora no Japão, onde trabalha no Serviço de assistência aos brasileiros no Japão da Ong chamada Sabja

E-mail: erikasumida@hotmail.com
ERIKA TAMURA

Últimos posts por ERIKA TAMURA (exibir todos)

     

     

    Related Post

    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Ainda sobre o vexame!̷... Juro! Prometo que não mais retomarei o tema após esta Nipônica. E explico porque o estou fazendo agora, antes que me chamem de “bobinho” por minha ins...
    AKIRA SAITO: VENCER SEMPRE “Ganhar pode ser considerado uma consequência, mas vencer tem que ser um ideal”   Algumas vezes em nossas vidas, sofremos quedas e pelo ponto...
    AKIRA SAITO: SOMOS TODOS IGUAIS? “A Igualdade de todos não pode ser uma coisa ocasional, muito menos de acordo com a conveniência de quem diz”   Há algum tempo, na mídia e na...
    SILVIO SANO > NIPÔNICA: Serviços Públicos   Por esses dias, uma cena e uma data fizeram com que retomasse esta Nipônica nos moldes originais, ou seja, fazendo reflexões sobre compo...

    One Comment

    1. Lindas e carinhosas palavras sobre os brasileiros, querida Erika Tamura san!!!

    Faça seu comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *