ERIKA TAMURA: Saúde no japão

 

Semana passada tive um problema de saúde, mais precisamente uma pneumonia, e durante o tempo em que ficava no hospital, pensava em várias coisas. Como por exemplo, a falta de atenção com a própria saúde.
Pelo menos da minha parte sempre fui um tanto quanto negligente no aspecto saúde. Alimentação ruim, atividade física zero, noites mal dormidas… Tudo isso acumuladamente propiciou para que a resistência corporal baixasse, e a minha imunidade fosse a zero.

E aqui no Japão, os japoneses são fanáticos por tudo o que é saudável. Desde alimentação, exercícios físicos e relaxamento mental e corporal. São coisas que nunca liguei muito, nem dava tanta importância assim, mas depois de uma semana sofrendo com essa pneumonia, decidi dar uma virada na minha vida.

E acho que toda grande mudança ocorre na maioria das vezes, exatamente dessa maneira, após um momento de dificuldade. Eu seria extremamente burra se eu continuasse com os mesmos hábitos, e esperando que meu corpo reja diferente só por causa dos remédios.

Constatei que a vida é assim, valorizamos coisas sem importância e desprezamos o que realmente importa, só vamos dar o devido valor, quando estamos ameaçados de perder tudo. E os momentos de adversidades vem para nos alertar, gritando por mudanças, e foi onde eu percebi que havia a necessidade de sair do estático para dar início ao desenvolvimento daquilo que realmente queremos. E o importante é dar o passo inicial, pois a estagnação me dá náuseas.

Percebi também que podemos tudo nessa vida, podemos nos permitir a sonhar com tudo, e buscar esses sonhos, basta um pouco de atitude e perseverança no foco. Pois o estado estático na zona de conforto nos deixa craques em arrumarmos desculpas! Sempre temos a desculpa ideal e bem pensada para tudo aquilo que deixamos de fazer, então descobri que a hora era mais de ação do que de paralisação. Ou então estaria fada a passar mais tempo naquele hospital.

Realmente não tenho do que reclamar do atendimento médico japonês que tive, excelente! Mas eu estava tão debilitada que só queria ficar deitada, mas isso também veio como um estalo na minha mente… Estou recuando agora, mas vou voltar mais forte do que nunca.

E eu amo o meu trabalho, sou apaixonada pelo meu emprego, e um dos piores castigos, foi ficar longe dele durante a minha recuperação. Pode parecer estranho, mas sofria por não poder ir trabalhar.

E essa semana voltei a minha vida rotineira, e nunca um cotidiano me fez tão feliz! Fui trabalhar com o maior sorriso do mundo, apesar de ainda me sentir um pouco fraca, pois a medicação tem sido bem forte nesses últimos dias, mas a minha vida real tem servido como um compensatório para tudo isso.

Acho que entendi o recado, viver mais e melhor, é esse o lema dos japoneses, eles não buscam apenas longevidade, eles querem qualidade de vida! E é isso que comecei a buscar depois do ocorrido, tenho certeza que todos os dias esse Japão me ensina uma lição de vida nova, basta estar preparada para enxergar tudo isso.

 

 

 

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

SILVIO SANO: Agora a Copa de 1962   Prezados, Antes de tudo grato pelo prestígio das visitas aos vídeos anteriores. Com poucos dias já tenho registrado mais de 150 visitas p...
NIPPAK PESCA: Tenkara Continuando a falar sobre esta modalidade de pesca, que tem sua origem no Japão, é hora de mostrar como adaptar uma montagem da vara utilizada nestas ...
ERIKA TAMURA: Japão e o juros bancário negativo Será que alguém, entendedor de economia ou não, já ouviu falar de um caso como esse que está acontecendo no Japão? Entrou em vigor essa semana, o n...
ERIKA TAMURA: Encontro com Paulo Sérgio de Almeida...   Semana passada estiveram no Japão, Paulo Sérgio de Almeida, presidente do Conselho Nacional de Imigração do Brasil e Diretor do Departamento d...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *