ERIKA TAMURA: Sorte ou destino?

 

Ganhei um livro de presente que fala sobre a sorte na vida das pessoas. Isso me fez pensar sobre os brasileiros acomodados que vivem aqui no Japão. É claro que não é somente no Japão, mas a minha realidade se passa aqui, então nada mais propício que escrever sobre isso.

Na minha opinião, a sorte até pode existir num momento inicial, mas eu acredito mais em atitudes do que na própria sorte.

Os comentários que mais escuto nas rodinhas sociais é: “A Erika tem muita sorte na vida, tem um emprego bom, anda de carro novo, escreve para o jornal, etc, etc…”. Agora vou falar, não tenho sorte em ter o emprego que tenho, eu estudei muito para chegar até ele, e batalhei muito para poder comprar um carro, assim como pesquiso muito e mergulho em leituras para poder escrever no jornal da melhor forma possível. O segredo disso tudo não é sorte, é dedicação! Sou apaixonada por tudo o que faço, portanto as coisas boas são apenas consequências do que eu fiz.

Quando eu falo para os brasileiros que vivem aqui, estudarem, todos me chamam de louca. Eu entendo que para a maioria das pessoas que trabalham em fábrica é bem complicado estudar, a carga horária de trabalho puxadíssima, depois os afazeres domésticos e ainda quem tem filhos, o tempo que sobra é para a atenção deles, mas eu já passei por isso, e consegui vencer. Aliás não acho que já cheguei no topo, por isso não paro nunca de estudar, estou sempre tentando aprender mais e mais sobre quase tudo.

As pessoas me perguntam, mas e o tempo? Onde você encontra tempo para realizar suas tarefas? Simples… Durmo pouco, estudo durante a madrugada, que para mim é onde o estudo rende mais. Mas isso é diferente de pessoa para pessoa, portanto cada um pode se disciplinar e encontrar o seu próprio tempo de rentabilidade.

É muito fácil para quem está de fora, e não conhece as minhas batalhas diárias, ver e apenas invejar as minhas conquistas. Ninguém quer saber o que eu já passei, o que eu sacrifiquei para poder ter uma maior qualidade de vida.

Por isso acho que aqueles que estão acomodados realmente acreditam em sorte. Sorte alheia, é claro! Pois para eles a sorte nunca lhe sorri, o acomodado acha que todos têm sorte menos ele, e fica esperando o dia em que a sorte irá bater em sua porta. Posso trocar a palavra sorte por oportunidade, perceberam a diferença? Quem está numa zona de acomodação não perceberá quando uma oportunidade aparecer, e vai continuar se lamentando, achando que a sorte não vem para ele.

A oportunidade só é agarrada por aquela pessoa que está preparada para encara-la. Portanto o estudo faz parte desse preparo!

Logo nos primeiros anos que cheguei no Japão, coloquei como meta, sair da fábrica. Percebi que queria morar no Japão, mas a ideia de trabalhar em uma linha de produção o resto da vida me amedrontava. Foquei no meu objetivo de buscar um emprego melhor para poder proporcionar maior qualidade de vida aos meus filhos. E busquei isso, incansavelmente. Estudei, tirei carta de motorista, aprendi o idioma, me adaptei aos costumes locais, me integrei com a sociedade. O caminho não era só de flores, tinha pedras e buracos. Tinha dias que eu pensava em desistir, mas depois eu pensava: “Cheguei até aqui, vou desistir como? E o que eu já vivi? Vai se perder?” E era onde eu me fortalecia cada vez mais.

Ainda hoje, estou na batalha, não tenho a vida ganha, preciso trabalhar. Mas trabalhando naquilo que gosto e apaixonada pelo que faço, tornou tudo muito mais fácil e prazeroso.

E então agora as pessoas vêm falar em sorte?! Não admito mesmo, acredito em luta, me apego nos objetivos, me arrasto nas batalhas e me entrego às vitórias! Porque o destino, que muitos dizem já estar traçado, só depende de nós mesmos, ou nos entregamos à acomodação, à submissão ou buscamos o nosso próprio destino para a satisfação pessoal.

Confesso que adoro entrar numa luta e vencer! Principalmente quando quem define a minha sorte sou eu mesma!

 

 

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

ERIKA TAMURA: Fortalecimento da relação Brasil e J... Eu posso estar enganada, mas tenho observado que o mundo está girando rápido demais, e nessas voltas, percebi que o momento econômico do Japão...
CANTO DO BACURI > Francisco Handa: A busca da salv...   A busca da salvação Pelas ruas Os pregadores como nunca Bradam em altas vozes Palavras de salvação. Alguns pedem dinheiro Alguns a c...
JORGE NAGAO: Casagrande, piores momentos   (para o Casagrande N., o Nando)   Bem, amigos da Rede Social, eu Gilvan Bueno (jornalista + locutor) estou aqui com o Caio Casagr...
ERIKA TAMURA: O que é SABJA? SABJA (Serviço de Assistência aos Brasileiros no Japão), é uma Organização não governamental, que atua no Japão em benefício à comunidade brasileira. ...

2 Comments

  1. Meu pai já dizia: “eu tinha vários amigos que diziam que eu ‘dei sorte’. Mas enquanto eles estavam no bar bebendo, matando aula, eu estava estudando. Isso é sorte?”… :/

  2. oi Erika, vc q mora no japão e deve saber de algumas coisas sobre ai, gostaria de saber se vai ter o documentario HAFU legendado em portugues? e outra tinha um outro documetario falando sobre os brasileiros q nascem ai sem nacionalidade se ele tb ja saiu em DVD

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *