ERIKA TAMURA: Visita do Ministro Shinzo Abe

Essa semana li sobre a passagem do Primeiro Ministro do Japão, Shinzo Abe, pelo Brasil. E realmente houve uma repercussão de impacto, afinal faz 10 anos que o Brasil não recebe a visita de um premiê japonês, sendo que o último foi Jun Itiro Koizumi.

A passagem de Abe pelo Brasil, mexeu com a comunidade nikkey, foram muitos os compromissos em um curto espaço de tempo.

Demorei para escrever sobre essa visita do ministro japonês no Brasil, pois queria ver as consequências e o ponto de vista de Abe em relação ao Brasil especificamente. Sei que visitou a América Latina, mas o meu interesse é a opinião de Abe em relação ao Brasil.

E foram muitas as declarações de Abe que me chamaram a atenção, como o interesse em fortalecer a aliança econômica entre Brasil  e Japão, o tratado de amizade que envolve os dois países e a assinatura de vários acordos que envolve cooperação para assuntos ambientais e de sustentabilidade. Tudo muito válido, muito interessante mas alguém lembrou dos dekasseguis que vivem no Japão?

Eu sei que a comunidade brasileira no Japão não é muito unida, mas precisa ser ouvida, inclusive pelo governo japonês. Não estou reclamando do governo japonês, aliás eu admiro muito o ministro Abe, e gosto muito do seu discurso e da forma que ele administra o Japão, mas acho que os brasileiros no Japão pertencem a uma classe trabalhadora significativa na economia e merecia ser lembrada pela presidente Dilma nas conversas com premiê japonês. Como eu não estava presente, não sei dizer se foi falado sobre a realidade dos brasileiros no Japão.

Um ponto que tenho que citar é o fato do ministro Abe ficar impressionado com a força feminina nos pause da América Latina. Para nós brasileiros é um fator comum, mas para o povo japonês é algo um pouco fora do comum, visto que as mulheres são submissas no Japão, essa realidade vem mudando aos poucos, mas a submissão feminina japonesa ainda existe e em alguns casos é latente.

Mulheres empreendedoras ainda são vistas com um certo espanto pelos japoneses, pois além da competência profissional, precisam lidar com o preconceito existente no mundo dos negócios japoneses, predominantemente masculino.

No ponto de vista brasileiro ocorre o contrário do que aconteceu com Abe, nós nos surpreendemos com a submissão das japonesas.

Abe também mencionou sobre a imagem positiva dos japoneses no Brasil e isso se deve aos imigrantes japoneses que chegaram primeiramente no Brasil, trabalharam arduamente e conseguiram subir no patamar profissional. E se hoje temos nikkeys de expressão dentro do cenário político, é por causa dos ensinamentos e princípios dos antepassados japoneses que mesmo com todas as dificuldades enfrentadas, conseguiram passar valores essenciais para seus descendentes. Valores como honra e respeito ao próximo são valores que os japoneses prezam muito e isso vem antes de muitos outros valores.

Espero que a visita do ministro Abe no Brasil tenha sido proveitosa e muito útil bilateralmente pois eu também torço muito para o fortalecimento econômico, social, cultural entre Brasil e Japão.

Sonho com o dia em que a distância entre os dois países seja encurtada, pelo menos na sensação, por evasões além da diplomacia que signifique uma integração e confraternização.

 

===============================================================

Erika Tamura

nasceu em Araçatuba e há 15 anos mora no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

 

 

 

 

Redação

Redação

nippak@nippak.com.br
Redação

Últimos posts por Redação (exibir todos)

Related Post

JORGE NAGAO: Como estou dirigindo?   A pergunta está na traseira dos caminhões. Ela, obviamente, não é feita por quem está na direção do veículo mas, sim, pela direção da empres...
BEM ESTAR: O despertar da consciência. Acenda a luz no coração! Acenda a luz do amor! Caminhe sob a claridade da luz. São seres de Luz, que precisam viver na Luz. Levem as cente...
AKIRA SAITO: ORGULHO E EXEMPLO   “Liderar pelo exemplo, simples assim”   Assim como todas as datas comemorativas, o dia dos pais passou. Penso que, mais do que uma si...
AKIRA SAITO: RECONHECENDO OS ERROS “Não há como evoluir se não assumir os erros para corrigi-los”   Uma pesquisa feita recentemente aponta que a maioria da população gostaria q...

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *